Arte sacra em Porto Alegre
Capa preta com título "Os silêncios na História da Arte", data e número da edição. Na parte inferior, a pintura de quatro pessoas brancas com vestimentas de época sentadas em volta de uma mesa.
PDF

Palavras-chave

Igreja Nossa Senhora do Rosário de Porto Alegre
Arte sacra
Destombamento

Como Citar

INDA, Sofia. Arte sacra em Porto Alegre: a antiga Igreja de Nossa Senhora do Rosário. Encontro de História da Arte, Campinas, SP, n. 12, p. 540–550, 2017. DOI: 10.20396/eha.12.2017.4555. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/eventos/index.php/eha/article/view/4555. Acesso em: 22 maio. 2024.

Resumo

Este texto tem como escopo uma obra de arte morta: a Igreja Nossa Senhora do Rosário de Porto Alegre. Este templo consistia em um monumento caro para a história da cidade e que, negando-se seus méritos artísticos e históricos, foi demolido na primeira metade do século XX. O pesquisador português Serrão (2000), trouxe uma importante contribuição para o campo da pesquisa em História da Arte. Trata-se da Cripto-História de Arte. Termo ainda pouquíssimo utilizado, esse conceito cabe muito para o objeto abordado por esta pesquisa: uma obra de arte morta ou melhor, uma igreja demolida, um patrimônio já desaparecido e não por isso menos importante.

https://doi.org/10.20396/eha.12.2017.4555
PDF

Referências

ANDREIS, Suélen. O brilho da festa não cessa a dor: experiências de resistência negra na Irmandade de Nossa Senhora do Rosário de Porto Alegre (1827–1861). Trabalho de Conclusão de Curso (História). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015.

BAREA, Dom José. História da Igreja de Nossa Senhora do Rosário. Porto Alegre: EST, 2004.

CHUVA, Márcia Regina Romeiro. Os arquitetos da memória : sociogênese das práticas de preservação do patrimônio cultural no Brasil : anos 1930-1940. 2009.

DAMASCENO, Athos. Artes plásticas no Rio Grande do Sul: contribuição para o estudo do processo cultural sul-riograndense. Porto Alegre: Globo, 1971.

KÜHN, Fábio. “Um corpo ainda que particular”: irmandades leigas e ordens terceiras no Rio Grande do Sul colonial. Unissinos. São Leopoldo. V.14, n°2, 2010.

Livros de Receita e Despesa da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário. Arquivo da Cúria Metropolitana de Porto Alegre.

LE GOFF, Jacques. História e memória. 7. ed. rev. Campinas : Ed. UNICAMP, 2016.

MEIRA, Ana Lucia Goelzer. O Patrimonio Histórico e Artístico Nacional no Rio Grande do Sul no século XX: atribuição de valores e critérios de intervenção. Tese de Doutorado da Faculdade de Arquitetura. UFRGS, 2008.

NASCIMENTO, Mara. Irmandades leigas em Porto Alegre: práticas funerárias e experiências urbanas. Séculos XVIII – XIX. Tese de doutorado em História. Porto Alegre. UFRGS.

POLLAK, Michael. Memória e Identidade Social. In: Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol.5, n.10, 1992, p.200-212.

SCARANO, Julita. Devoção e Escravidão: A Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos no Distrito Diamantino no século XVIII. São Paulo: Nacional, 1978. 2 ed.

SERRÃO, Victor. A Cripto-História de Arte. Lisboa : Livros Horizonte, 2000.

TACCINI, Thais. Igreja Nossa Senhora do Rosário de Porto Alegre: entre a destruição e a preservação patrimonial. Trabalho de Conclusão de Curso (História). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2017 Sofia Inda

Downloads

Não há dados estatísticos.