O Museu de Arte Contemporânea da USP como dispositivo para se discutir o contemporâneo
Capa preta com título "Os silêncios na História da Arte", data e número da edição. Na parte inferior, a pintura de quatro pessoas brancas com vestimentas de época sentadas em volta de uma mesa.
PDF

Palavras-chave

Arte contemporânea
MAC USP
Museologia

Como Citar

SILVA, Matheus Henrique Gonçalves. O Museu de Arte Contemporânea da USP como dispositivo para se discutir o contemporâneo. Encontro de História da Arte, Campinas, SP, n. 12, p. 446–452, 2017. DOI: 10.20396/eha.12.2017.4546. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/eventos/index.php/eha/article/view/4546. Acesso em: 22 maio. 2024.

Resumo

Quais são as estratégias de atuação do Museu de Arte Contemporânea da USP frente a arte contemporânea de seu tempo? Antes de continuar é importante lembrarmos que, quando tratamos do MAC-USP, tratamos de uma instituição cujo acervo fora herdado do antigo Museu de Arte Moderna de São Paulo em 1963.

https://doi.org/10.20396/eha.12.2017.4546
PDF

Referências

AGAMBEM, Giorgio. O homem sem conteúdo. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012

AGAMBEM, Giorgio. O que é o contemporâneo? E outros ensaios. Disponível em: < http://ghiraldelli.pro.br/wpcontent/uploads/34498541-agamben-giorgio-o-que-e-contemporaneo-e-outros-ensaios.pdf> Acesso em: 21 maio, 2017.

AMARAL, Aracy “Indagações, extensão e limites do regionalismo. In AMARAL, Aracy. Textos do Trópico de Capricórnio: artigos e ensaios (1980-2005), vol. II, 15–22. São Paulo, Brasil: Editora 34, 2006.

AMARAL, Aracy. Uma jovem pintura em São Paulo. In Pintura como meio. São Paulo: MAC USP, 1983.

AMARAL, Aracy. Uma nova pintura e o grupo da casa 7. In Casa 7, 4-9. São Paulo: MAC USP,1985.

BASBAUM, Ricardo. "Pintura dos anos 80: algumas observações críticas." Gávea (Rio de Janeiro Brazil, vol. 6, no. 6 (1988): 39- 57.

BR/80: Pintura Brasil Década 80/ [idealização e organização Instituto Cultural Itau; apresentador Ernest Robert de Carvalho Mange; textos de Frederico Morais... et al.] – São Paulo: O instituto, 1991.

CAMPOS, Jorge Lúcio de. A vertigem da maneira – Pintura e vanguarda nos anos 80. Rio de Janeiro: Editora da UERJ, 1993

CANCLINI, Nestor García. A Sociedade sem Relato: Antropologia e Estética da Iminência. 1. ed. São Paulo: EDUSP, 2016.

CANONGIA, Ligia. Anos 80: Embates de uma geração. São Paulo: Barléu Edições Ltda, 2010.

CHIARELLI, Tadeu. Leda Catunda. São Paulo: Cosac & Naify Edições, 1998.

CHIARELLI, Tadeu. No calor da hora: Dossiê Jovens Artistas Paulistas Déc. 1980. São Paulo: Editora C/ Arte, 2011.

Freire, Maria Cristina Machado (org.). Walter Zanini: escrituras críticas. São Paulo: Annablume, 2013.

MORAIS, Frederico. Como vai você, geração 80? (Sinto-me como uma star, no palco, investindo no prazer). O Globo, Rio de Janeiro, 14 jun. 1984. p.31.

OLIVA, Achille Bonito. The Italian trans-avantgarde. Milão: G. Politi, 1983.

RAND, Steven e KOURIS, Heather (org). Cautionary Tales: Critical Curating Nova Iorque: Apexart, 2007.

TASSINARI, Alberto et al. Paulo Monteiro. São Paulo: Cosacnaify, 2008.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2017 Matheus Henrique Gonçalves Silva

Downloads

Não há dados estatísticos.