O diálogo silencioso entre o girassol e o crânio ou a papoula
Capa preta com título "Os silêncios na História da Arte", data e número da edição. Na parte inferior, a pintura de quatro pessoas brancas com vestimentas de época sentadas em volta de uma mesa.
PDF

Palavras-chave

Vanitas
Simbologia
Maria van Oosterwyck

Como Citar

CARVALHO, Alcimar do Lago. O diálogo silencioso entre o girassol e o crânio ou a papoula: correspondências simbológicas entre as vanitas e os vasos de flores de Maria van Oosterwyck. Encontro de História da Arte, Campinas, SP, n. 12, p. 23–31, 2017. DOI: 10.20396/eha.12.2017.4368. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/eventos/index.php/eha/article/view/4368. Acesso em: 22 maio. 2024.

Resumo

Maria van Oosterwyck (1630-1693) foi uma importante pintora de naturezas-mortas do Século de Ouro dos Países Baixos, tendo se especializado na representação de composições florais realísticas. Nascida em 1630 em Nootdorp, pequena cidade da província da Holanda do Sul, próxima à Delft, foi filha e neta de pastores protestantes, não tendo contraído matrimônio.

https://doi.org/10.20396/eha.12.2017.4368
PDF

Referências

Alpers, S. (1999). A Arte de Descrever: A Arte Holandesa no Século XVII. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo (EDUSP), p. 328

Casimiro, L. A. (2015). Vanitas vanitatum omnia vanitas: uma iconografia controversa e inquietante. Revista Lumen et Virtus, 6(13): 150-197.

Camerarius, J. (1654). Symbolorum et Emblematum ex re herbaria desumtorum centuria una collecta. Frankfurt: Johann Ammon., / Centuria I, p. 51.

Catalá Domènech, J. M. (2011). A forma do real. Introdução aos estudos visuais. São Paulo: Summus Editorial, p. 13.

Chong, A. & Kloek, W. (1999). Still-life paintings from the Netherlands 1550-1720. Zwolle: Waanders Publishers, p. 253-255, 286;

Dicke, M. (2000). Insects in Western Art. American Entomologist, 46(4): 228-236.

Dutch still-life painting in the seventeenth century. Londres: Faber and Faber, p. 220.

Egmond, F. (2010). Precious Nature: Rare Naturalia as collector‘s items and gifts in Early Modern Europe. In: Rittersma, R. C. (ed.). Luxury in the Low Countries: miscellaneous reflections on Netherlandish material culture, 1500 to present. Bruxelas: Pharo Publishing, p. 47-65.

F?rca? et al., 2015, p. 197; Goethe, J. W. (2013). Doutrina das cores. São Paulo: Nova Alexandria, p. 166; Heller, E. (2012). A psicologia das cores. Como as cores afetam a emoção e a razão. São Paulo: Editora G. Gili Ltda, p. 187.

F?rca?, C. P., Cristea, V., F?rca?, S., Ursu, T. M. & Roman, A. (2015). The symbolism of garden and orchard plants and their representation in paintings. Contribu?ii Botanice (Gr?dina Botanic? “Alexandru Borza” Cluj-Napoca), 50: 189-200.

Jung, K. G. (2008). Interpretação psicológica do dogma da Trindade (trad. Pe. Dom M. R. Rocha, OSB, 7ª edição). Petrópolis: Editora Vozes, p. 55.

Lentz, D. L., Pohl, M. D.-L., Alvarado, J. L., Tarighat, S. & Bye, R. (2008). Sunflower (Helianthus annuus L.) as a preColumbian domesticate in Mexico. Proceedings of the National Academy of Science of the United States of America, 105 (17): 6232–6237.

[de La Feuille, D.] (1705). Symbola et Emblemata Selecta. Amsterdã: Henricum Wetstenium.

Midraud, C. A. (2007). História e Tradição no Livro I de Tito Lívio. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Letras (Dissertação de Mestrado), p. 98

Meyenburg, B. von (1991). ?Saying it with flowers‘: The flower as an artistic motif from the late Middle Ages until the Baroque. In: Woldbye, V. (ed.). Flowers into art: Floral motifs in European painting and decorative arts. Haia: SDU Publishers, p. 37-56, p. 52

Impelluso, L. (2004). Nature and its symbols. Los Angeles: The Paul Getty Museum, p. 111

Tapié, A. (2000). Les sens caché des fleurs. Symbolique & botanique dans la peinture du XVIIe siècle. Paris: Adam Biro, p. 148.

Schama, S. (2009). O desconforto da riqueza: A cultura holandesa na Época de Ouro, uma interpretação. São Paulo: Companhia das Letras, p. 352.

Segal, S. (1990). Flowers and Nature: Netherlandish flower painting of four centuries. Amstelveen: Hijnk International b.v., p. 220.

Taylor, P. (1995). Dutch flower painting, 1600-1720. Londres: Yale University Press, p. 49.

Thompson, F. C. (compilado e redigido) (2002). Bíblia de Referência Thompson (trad. J. F. de Almeida, 1990; 15ª reimpressão). São Paulo: Editora Vida, p. 867.

Veen, O. van (1624). Emblemata sive Symbola. A Principibus, viris Eeclesiasticis, ac Militaribus, alijsque usurpanda. Bruxelas: Hubert Antoni, p. 11.

Visscher, R. (1614). Sinnepoppen. Amsterdã: VVillem Iansz, p. 5.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2017 Alcimar do Lago Carvalho

Downloads

Não há dados estatísticos.