Fluxus sob museu
PDF

Palavras-chave

Museu
Arte e vida
Grupo fluxus

Como Citar

LIMA , Ana Paula Felicissimo de Camargo. Fluxus sob museu: ainda há arte e vida nesta história?. Encontro de História da Arte, Campinas, SP, n. 3, p. 347–355, 2007. DOI: 10.20396/eha.3.2007.3718. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/eventos/index.php/eha/article/view/3718. Acesso em: 22 maio. 2024.

Resumo

Os festivais e performances do Grupo Fluxus, durante os anos de 1960 e 1970, promoviam Arte e Vida indissociáveis acreditando que toda atividade cotidiana poderia se tornar um ato Fluxus. Para tal, sob a batuta do lituano George Maciunas e influências do Dadaísmo, Futurismo, Marcel Duchamp, Zen Bubismo e Grupo Gutai, um coletivo de artistas realizou, em locais diferentes das instituições, galerias e museus com suas amarras legitimadoras, propostas embasadas em ações cotidianas que podiam ser
realizadas/ repetidas por qualquer pessoa chamando-as Fluxus.

https://doi.org/10.20396/eha.3.2007.3718
PDF

Referências

CRIMP, Douglas. Sobre as ruínas dos museus. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FREIRE, Cristina. Afasias na crítica de arte contemporânea. Os lugares da crítica de arte. São Paulo:ABCA/Imprensa Oficial do Estado, 2005. p.63 a 75.

HENDRICKS, Jon. O que é Fluxus? O que não é! O porquê. Rio de Janeiro: Centro Cultural do Banco do Brasil, 2002.

O’DOHERTY, Brian. No interior do Cubo Branco: a ideologia do espaço da arte. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

ZELLER, Ursula (org.). Fluxus in Germany 1962 – 1994. A long tale with many knots. (catálogo de exposição). Stuttgard: The Institut für Auslandsbeziehungen, 2005.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2007 Ana Paula Felicissimo de Camargo Lima

Downloads

Não há dados estatísticos.