Do mais recente ao mais antigo – In Memoriam Francisco Laranjo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/visuais.v8i2.17450

Palavras-chave:

Francisco Laranjo, Pintura portuguesa, Arte contemporânea

Resumo

Este artigo se relaciona com a poética do pintor Francisco Laranjo artista que cumpre uma exigência de rigor e depuração da própria linguagem pictural organizando as duas componentes direccionais da sua fundamentação estética: o caminho de dentro e os caminhos do exterior., através de uma resolução aguda e profundamente adequada ao seu desígnio estético e às condições de práxis artística. Regulariza a convergência opcional da sua via enquanto responde ao encaminhamento volcado para a sabedoria.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria de Fátima Lambert, Instituto Politécnico do Porto

Doutorada em Filosofia Moderna e Contemporânea – Estética na  Faculdade de Filosofia Braga. Professora Coordenadora em Estética e Educação na Escola Superior de Educação, Instituto Politécnico do Porto.

Referências

ECO, Umberto Eco, Arte y Belleza en la Estetica Medieval, Barcelona, Ed. Lumen, 1999.

DAIDÔ, Hôgen. No Caminho Aberto, Lisboa, Assírio & Alvim, 1993.

MING, Sin Sin “Inscrição sobre a Fé no Espírito” in Jacques Brosse, Os Mestres Zen, Lisboa, Pergaminho, 1999, pp.38-39.

LAMBERT, Marie Thèrese. Le Tao, Paris, Seghers, 1988, p.36

CIORAN, E. M. A tentação de Existir, Lisboa, Relógio d'Água, 1988.

Downloads

Publicado

2022-12-06

Como Citar

LAMBERT, M. de F. Do mais recente ao mais antigo – In Memoriam Francisco Laranjo. Revista Visuais, Campinas, SP, v. 8, n. 2, p. 125–141, 2022. DOI: 10.20396/visuais.v8i2.17450. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/visuais/article/view/17450. Acesso em: 3 fev. 2023.