Revista Visuais https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/visuais <p><strong>Escopo</strong>: A revista Visuais é o periódico do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da Unicamp desde 2015. A revista publica textos relacionados às pesquisas nas linhas de teoria, crítica e história da arte, das poéticas visuais, estendendo-se ao amplo domínio dos campos híbridos e transdisciplinares que se articulam nesta área de conhecimento.A revista recebe proposições para elaboração de dossiês, artigos, traduções, e também publica ensaios visuais. As proposições para a publicação na revista são arbitradas pelo seu comitê editorial.<br /><strong>Qualis</strong>: B1 (ARTES)<br /><strong>Área do conhecimento</strong>: Artes<br /><strong>Ano de fundação</strong>: 2015<br /><strong>ISSN</strong>: 2447-1313<br /><strong>Título abreviado</strong>: Rev. Visuais<br /><strong>E-mail</strong>: rvisuais@unicamp.br<br /><strong>Unidade</strong>: <a title="IA" href="https://www.iar.unicamp.br/pos-graduacao-em-artes-visuais" target="_blank" rel="noopener">IA</a><br /><strong>Prefixo DOI</strong>: 10.20396<br /><a title="CC BY NC ND" href="http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/" target="_blank" rel="noopener"><img src="https://i.creativecommons.org/l/by-nc-nd/4.0/80x15.png" alt="Licença Creative Commons" /></a></p> pt-BR rvisuais@unicamp.br (Prof. Dr. Mauricius Martins Farina) ppec@unicamp.br (Gildenir Carolino Santos) Fri, 17 Jun 2022 00:22:32 +0000 OJS 3.3.0.9 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 Património. Cultura. Web https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/visuais/article/view/16571 <p style="font-weight: 400;">Procurou-se neste artigo fazer uma abordagem heterodoxa do património, uma área do conhecimento humano vasta e complexa que reúne múltiplos saberes, práticas de investigação heterogéneas e uma pluralidade de sistemas de pensamento. O património é habitualmente considerado um território de referência indiscutível para a história, a arqueologia, a arquitectura e o urbanismo nas áreas da conservação, recuperação e restauro, tendo assumido ultimamente bastante relevo no âmbito do ensino e do turismo cultural e religioso. A nossa abordagem optou por uma visão do património que incidisse sobretudo nas suas vertentes cultural, humanista, artística e civilizacional tendo, por outro lado, feito recair o foco da análise em áreas que compreendem a filosofia, a arte, a teoria da cultura e a técnica (Web). Nesse sentido, convém ainda destacar nesta abordagem o contributo de alguns pensadores, cujos conceitos e problemáticas permitiram abrir novas pistas sobre a interacção entre património, arte, cultura e técnica. </p> Carlos França Copyright (c) 2022 Revista Visuais https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/visuais/article/view/16571 Fri, 17 Jun 2022 00:00:00 +0000 Muñoz e Shiota https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/visuais/article/view/16572 <p>Este artigo examina o modo como as instalações artísticas de Juan Muñoz e Chiharu Shiota utilizam a potencialidade das narrativas próximas e das numerosas e influentes metáforas espaciais para estabelecer pontos de partida que induzem reflexões sistemáticas e frutíferas. Como resultado do texto Estética de la Instalaciones (2018) de Rebentisch, observa-se também a eficácia das encenações imponentes e ousadas de ambos os autores como exemplos de uma expressão plástica que transgride os limites das categorias tradicionais e contemporâneas da arte.</p> Maria del Mar Garcia-Jimenez Copyright (c) 2022 Revista Visuais https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/visuais/article/view/16572 Fri, 17 Jun 2022 00:00:00 +0000 A planaridade na teoria modernista de Greenberg e seu paralelismo com a produção artística de Piet Mondrian e Lygia Clark https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/visuais/article/view/16157 <p>Segundo Clement Greenberg (1960), é inerente à modernidade a realização de uma autocrítica pelo viés do interior, utilizando-se dos próprios meios do que está sendo criticado. O objetivo central do ensaio é correlacionar os conceitos desenvolvidos no artigo “Pintura Modernista”, de Greenberg, com a obra de Piet Mondrian e sua reverberação nos trabalhos da primeira fase de Lygia Clark. Através da ênfase na planaridade, presente tanto nas pinturas e teorias neoplásticas de Mondrian quanto nos quadros concretos de Clark, a arte pictórica utilizou seus próprios mecanismos para se alcançar uma “pureza” universal e refletir sobre a sua razão de existir. &nbsp;&nbsp;</p> Bruno Henrique Fernandes Gontijo Copyright (c) 2022 Revista Visuais https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/visuais/article/view/16157 Fri, 17 Jun 2022 00:00:00 +0000 Uma reconciliação com a arte contemporânea https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/visuais/article/view/16618 <p style="font-weight: 400;">Esta pesquisa parte de uma experiência direta de reconciliação com a arte contemporânea por meio de discursos gráficos capazes de fazer a sociedade refletir sobre seu desenvolvimento e avanço. Através de conversas na primeira pessoa entre artistas graças a uma estadia de investigação em Lisboa durante 2021, postulam-se teorias e conceitos que fomentam a produção artística de um conjunto de trabalhos atuais sobre a pandemia e como esta afeta a humanidade. Concluindo, a arte contemporânea ainda é possível, assim como sua comunhão com a sociedade, portanto, é uma escolha de artistas e espectadores confiarem novamente uns nos outros.</p> Ramon Blanco-Barrera, Ilídio Salteiro Copyright (c) 2022 Revista Visuais https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/visuais/article/view/16618 Fri, 17 Jun 2022 00:00:00 +0000 Porto de encontro https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/visuais/article/view/16208 <p>Neste artigo analisam-se duas intervenções artísticas realizadas em espaço público na cidade do Porto, que coincidiram cronologicamente mas, na sua diversidade, apresentam pontos comuns tais como a abertura à participação e à inclusão e a coexistência de pólos opostos de sinal + e – numa tensão entre a paisagem selvagem e o urbano ± selvático. Ambos, nas suas especificidades, convocaram o carácter comunitário, o pensamento crítico e a capacidade de acção e realização. No cruzamento destes projectos a mediação posta em prática pela ESE.</p> António Fernando Monteiro Pereira da Silva Copyright (c) 2022 Revista Visuais https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/visuais/article/view/16208 Fri, 17 Jun 2022 00:00:00 +0000 A mulher que criou van Gogh https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/visuais/article/view/16619 <p style="font-weight: 400;">Este artigo estuda a vida de Johanna van Gogh-Bonger e sua participação na construção da popularidade do seu cunhado, o pintor holandês Vincent van Gogh. Por meio do descobrimento de um objeto de pesquisa inédito - uma série de diários escritos por Johanna van Gogh-Bonger -, Russel Shorto relata a soma de desafios de Johanna no masculino mundo da arte do século XIX enquanto buscava o reconhecimento póstumo de Vincent van Gogh. Através de pesquisadores da história da arte como Hans Luijten e Emilie Gordenker, Shorto descreve a jornada de Johanna desde sua infância até seu legado, enquanto introduz o contexto moderno de como essa história teve sua pesquisa realizada e recebida nas nos últimos anos. Artigo originalmente publicado na The New York Times Magazine.</p> Lucca di Liberato Reis; Russell Shorto Copyright (c) 2022 Revista Visuais https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/visuais/article/view/16619 Fri, 17 Jun 2022 00:00:00 +0000