Caminhar no trilho das sombras

o percurso do ver até à ausência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/visuais.v7i2.15947

Palavras-chave:

Ver, Verdade, Concentração, Ausência

Resumo

A verdade visual, através do ver, está intimamente ligada ao desenho, especialmente pelo desígnio, que se apresenta de forma proposicional. O desenho, imanente à origem e âmago das artes visuais, não se esgota na função literal de designar, a sua atuação tem uma absoluta transversalidade formadora. A sua ação, que procede de um olhar concentrado, indica e indicia, também mostra e caracteriza, mas sobretudo cria potencial in-visual – aí percorre o seu caminho para a sua transcendência, aporta consigo seu especular e a sua sombra, o seu contido espectral. O desígnio, que se articula num exercício especulativo, na sua faceta de aparição, determina cargas de qualidades imiscuídas nos assuntos, tanto do conteúdo como da forma. Veicula ainda o ser-em-si do desenho, na sua autorreflexividade, que é a dimensão identitária e autónoma da sua concentração, na sua in-visualidade; este fator é inteiramente participativo numa subjacência sombria, no ganho do seu potencial de transcendência. Atinge-se o apogeu do hieratismo artístico quando essa transcendência se articula numa alteridade em duas vias, entre desenho e fruidor. Este caminho do desenho é um caminho para a sua verdade, onde está a sua sombra própria, interna, o que confirma a sua autonomia e também a sua existência como arte, mas essa sombra é também o que provém de ausências e descai para a ausência, a caminho da morte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jorge Abade, Universidade Católica Portuguesa

Doutorado em Ciência e Tecnologia das Artes (Processos criativos de arte - Pintura) pela Universidade Católica Portuguesa, Escola das Artes. Professor Assistente pela Universidade Católica Portuguesa, Escola das Artes.

Referências

Adorno, T. W. (2006). Teoria Estética. Lisboa: Edições 70.

Bourdieu, P. (1996). As Regras da Arte: Génese e Estrutura do Campo Literário. São Paulo: Companhia das letras.

Derrida, J. (2001). La Verdad en Pintura. Barcelona: Editorial Paidos.

Hegel, G. H. F. (1993). Estética. Lisboa: Guimarães Editores.

Heidegger, M. (2004). A Origem da Obra de Arte. Lisboa: Edições 70.

Heidegger, M. (2002). Que é uma Coisa?. Lisboa: Edições 70.

Lyotard, JF. (2003). A Condição Pós-Moderna. Lisboa: Gradiva.

Downloads

Publicado

2021-12-16

Como Citar

ABADE, J. Caminhar no trilho das sombras: o percurso do ver até à ausência. Revista Visuais, Campinas, SP, v. 7, n. 2, p. 124–136, 2021. DOI: 10.20396/visuais.v7i2.15947. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/visuais/article/view/15947. Acesso em: 7 dez. 2022.