Sociologia das revoluções catártico-messiânicas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/tematicas.v30i59.16047

Palavras-chave:

Teoria social, Pensamento social brasileiro, Movimentos messiânicos, Teoria antropológica

Resumo

Interessa ressaltar na teoria social e na teoria antropológica os autores que contribuíram para o estudo das revoluções. A intenção é traçar um contraponto entre as teorias nascidas no Ocidente e as teorias que tiveram lugar nos países periféricos ao capitalismo, como o Brasil, a fim de que se distinga o reformismo ocidental do comunismo-igualitário de base indígena e africano, cuja a base social são os movimentos messiânicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dora Vianna Vasconcellos, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Pós-doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Referências

ADORNO, Theodor. Introdução à sociologia. São Paulo: Unesp, 2008.

BALANDIER, Georges. Sociologia da África Negra. Dinâmica da mudança social na África central. São Paulo: Pedago, 2006.

BASTIDE, Roger. Les religions africaines au Brésil. Vers une sociologie des interpénétrations de civilisations. Paris: Press Universitaires de France, 1960.

BASTIDE, Roger. As Américas negras: as religiões africanas no novo mundo. São Paulo: Editora da universidade de São Paulo, 1974.

BASTIDE, Roger. Sociologia e psicanálise. São Paulo: Melhoramentos, Ed da Universidade de São Paulo, 1974.

BASTIDE, Roger. O sagrado selvagem e outros ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

BLOCH, Ernest. Thomas Münzer: teólogo da revolução. Rio de Janeiro: Biblioteca Tempo Universitário, 1973.

BRUHL, Levy. A mentalidade primitiva. Rio de Janeiro: Paulus Editora, 2008.

DOUGLAS, Mary. Pureza e perigo. Rio de Janeiro: Perspectiva, 2010.

DURKHEIM, Émile. As formas elementares da vida religiosa: o sistema totêmico na Austrália. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

EVANS-PRITCHARD, Edward. Bruxaria, oráculos e magia entre os Azande. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2005.

FACÓ, Rui. Cangaceiros e fanáticos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980.

FRANK, Adrew Günder. Capitalismo y Subdesarrollo en America Latina. Buenos Aires: Ediciones Signos, 1970.

FREYRE, Gilberto. Casa Grande & Senzala. Rio de Janeiro: Record, 2001.

FRY, Peter. Gallus africanus est, ou, como Roger Bastide se tornou africano no Brasil. In: VON SIMSOM, Olga R. de Moraes (Org.). Revisitando a terra de contrastes: a atualidade da obra de Roger Bastide. São Paulo: FFLCH/CERU, 1986.

FOUCAULT, Michel. A microfísica do poder. São Paulo: Paz e terra, 2014.

GODELIER, Maurice. O enigma do dom. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

GOLDMANN, Lucien. Ciências humanas e filosofia: o que é sociologia? Rio de Janeiro: Difel Editorial, 1978.

GUIMARÃES, Alberto Passos. Quatro séculos de latifúndio. São Paulo: Paz e terra, 1968.

GURVITCH, Georges. Dialética e Sociologia. São Paulo: Vértice, Editora Revista dos Tribunais, 1987.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2003.

LUXEMBURGO, Rosa. Reforma ou revolução. São Paulo: Unesp, 2005.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O pensamento selvagem. São Paulo: Papirus, 2012.

LÖWY, Michel. Romantismo e messianismo: ensaios sobre Lukács e Walter Benjamin. São Paulo: Editora Perspectiva, 1990.

LUKÁCS, Georg. Realismo crítico hoje. Brasília: Coordenada-Editora de Brasília, 1969.

LUKÁCS, Georg. Reboquismo e dialética: uma resposta para os críticos de História e Consciência de Classe. São Paulo: Boitempo, 2015.

LUKÁCS, Georg. História e consciência de classe. Porto: Publicações Escorpião, 1974.

MANIERI, Maria Rosaria. Fraternidade: releitura civil de uma ideia que pode mudar o mundo. Brasília: Fundação Astrojildo Pereira; Rio de Janeiro: Editora Contraponto, 2017.

MARCUSE, Herbert. O homem unidimensional. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1966.

MAUSS, Marcel. O ensaio sobre a dádiva: forma e razão da troca nas sociedades arcaicas. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

MONIZ, Edmundo. Canudos: a guerra social. Rio de Janeiro: Elo, 1987.

MORUS, Thomas. A utopia. Brasília: Instituto de Pesquisa de Relações Internacionais; Editora Universidade de Brasília, 2004.

MÜNSTER, Arno. Utopia, messianismo e apocalipse nas primeiras obras de Ernest Bloch. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1997.

MÜNSTER, Arno. Ernest Bloch: Filosofia da práxis e utopia concreta. São Paulo: Editora Unesp, 1993.

ORTIZ, Renato. A consciência fragmentada. Ensaios de cultura popular e religião. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1980.

PEIXOTO, Fernanda Arêas. Diálogos brasileiros: uma análise da obra de Roger Bastide. São Paulo: Edusp, 2000.

PRADO JÚNIOR, Caio. A questão agrária no Brasil. Rio de janeiro: Brasiliense, 1979.

QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. Uma nova interpretação do Brasil: A contribuição de Roger Bastide à sociologia brasileira. São Paulo: Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, USP, s/p., Nº 20, 1978.

QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. Historia y etnologia de los movimientos mesiánicos. Reforma y revolución em las sociedades tradicionales. México, Siglo XXI Editores, S.A, 1969.

QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. Images messianiques du Brésil. Guernavaca, México: SONDEOS (Una coleccion de studios sobre el fenômeno religioso en America Latina), Nº87, 1972.

QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. O messianismo no Brasil e no mundo [1965]. São Paulo: Alfa-Omega, 1976b.

QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. O campesinato brasileiro. Petrópolis: Editora Vozes, 1976.

QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. Uma categoria rural esquecida [1963]. In: WELCH, Clifford & MALAGODI, Edgard & CAVALCANTI, Josefa & WANDERLEY, Maria de Nazareth (Orgs). Leituras e interpretações clássicas, v. 1, São Paulo: Editora UNESP; Brasília, DF: Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento do Rural, 2009.

QUEIROZ, Maurício Vinhas de. Messianismo e conflito social: a guerra sertaneja do Contestado. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1966.

RAMOS, Arthur. O negro brasileiro: ethnografia religiosa e psycanalyse. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1934.

RAMOS, Arthur. Estudos do folk-lore. Definições e limites: teorias de interpretação. Rio de Janeiro: Livraria-Editora da Casa do estudante do Brasil, s/d.

RAMOS, Arthur. O negro na civilização brasileira. Rio de Janeiro: Livraria Editora da Casa do estudante do Brasil, s/d.

RODRIGUES, Nina. O animismo fetichista dos negros bahianos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1935.

ROTTERDAM, Erasmo. Elogio da loucura. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 1990.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Discurso sobre a origem e o fundamento das desigualdades entre os homens. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 2005.

Downloads

Publicado

2022-06-10

Como Citar

VASCONCELLOS, D. V. . Sociologia das revoluções catártico-messiânicas. Tematicas, Campinas, SP, v. 30, n. 59, p. 312–336, 2022. DOI: 10.20396/tematicas.v30i59.16047. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tematicas/article/view/16047. Acesso em: 5 dez. 2022.