Banner Portal
Rachel de Queiroz, egrégia escritora, na aridez do solo textual sertanejo
PDF

Palavras-chave

Raquel de Queiroz
Mulher
Livro
Seca
Crítica

Como Citar

LEITE, Josefa Lieuza; COSTA, Maria Edileuza da. Rachel de Queiroz, egrégia escritora, na aridez do solo textual sertanejo . Tematicas, Campinas, SP, v. 30, n. 59, p. 144–164, 2022. DOI: 10.20396/tematicas.v30i59.15894. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tematicas/article/view/15894. Acesso em: 30 maio. 2024.

Resumo

Este trabalho versa sobre a exímia escritora da literatura brasileira, Rachel de Queiroz e a crítica literária relativa a ela e ao romance O Quinze, publicado na década de 30, evidenciando a seca de 1915. Na obra literária, destaca-se a seguinte conjuntura: a seca, fenômeno natural; e, as consequências desse, tanto para o Vaqueiro Chico Bento e sua família como para Vicente e Conceição, moça culta da capital. A narrativa O Quinze destacou a autora na literatura brasileira, dado que ela foi a primeira mulher a integrar a Academia Brasileira de Letras (ABL), com isso, objetivamos analisar alguns pontos da crítica no que tange à obra, expressando o mérito desta e da escritora na literatura brasileira. Para isso, utiliza-se como abordagem, a pesquisa qualitativa; quanto à técnica, a bibliográfica. Para fundamentar este estudo, perscrutamos os teóricos: Monteiro (1977), Filho (1977), Moisés (1975), Cândido (2006), dentre outros.

https://doi.org/10.20396/tematicas.v30i59.15894
PDF

Referências

ABREU, Laile Ribeiro. O texto queiroziano e seu percurso crítico. Em Tese, v.18, n.1, 2012. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/emtese/article/view/3797/3744. Acesso em: 08 mar. 2020.

BANDEIRA, Manuel. Rachel de Queiroz. In: BANDEIRA, Manuel. Estrela da vida inteira. Rio de Janeiro: José Olympio, 1986. p. 236-237.

BARROS, Aidil Jesus Paes & LEHFELD, Neide Aparecida de Sousa. Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Macron Barros, 2007.

BOSI, Alfredo. História concisa da Literatura Brasileira. São Paulo: Cultrix, 1994.

CALVINO, Italo. Por que ler os clássicos. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

CANDIDO, Antônio. Literatura e sociedade. Rio de janeiro: Ouro sobre azul, 2006.

CANDIDO, Antônio. Vários escritos. 4. ed. Duas Cidades: Ouro sobre azul, 2004.

CONFORTIN, Helena. Discurso e gênero: a mulher em foco. In: GHILARDI-LUCENA, Maria Inês. (Org.). Representações do feminino. Campinas: Átomo, 2003.

COUTINHO, Afrânio. Introdução a Literatura no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1975.

DEMO, Pedro. Introdução à metodologia da ciência. São Paulo: Atlas, 1987.

DUARTE, Constância Lima. Feminismo e literatura no Brasil. Estudos Avançados, v.49, n.23, 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ea/a/6fB3CFy89Kx6wLpwCwKnqfS/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 23 fev. 2020.

DUARTE, Eduardo de Assis. Rachel de Queiroz – literatura e política no feminino. In: DUARTE, Constância Lima. (Org.). Anais do V seminário Nacional Mulher e Literatura. Natal, UFRN.

DURÃO, Fábio Akcelrud. O que é crítica literária? São Paulo: Nankin Editorial, Parábola Editorial, 2016.

FANINI, Michele Asmar. Fardos e fardões: mulheres na Academia Brasileira de Letras (1987-2003). Orientadora: Maria Arminda do Nascimento Arruda. 2009. 387 f. Tese (Doutorado em Sociologia) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8132/tde-19022010-173143/publico/MICHELE_ASMAR_FANINI.pdf . Acesso em: 28 dez. 2021.

FILHO, Adonisas. O Romance O Quinze. In: QUEIROZ, Rachel de. O Quinze. Rio de Janeiro: José Olympio, 1977.

FLICK, Uwe. Introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

JACOMEL, Mirele Carolina Werneque & PAGOTO, Cristian Pagoto. Cultura patriarcal e representação da mulher na literatura. Revista do Centro de educação e Letras. v. 11, n. 1, p. 09-23, 2009. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/ideacao/article/view/4936/3746. Acesso em: 22 fev. 2020.

MOISÉS, Massaud. A literatura brasileira através dos textos. São Paulo: Cultrix, 1975.

MONTEIRO, Adolfo Casais. Um romance que não envelheceu. In: QUEIROZ, Rachel de. O Quinze. Rio de Janeiro: José Olympio, 1977.

OLIVA, Osmar Pereira. Rachel de Queiroz e o romance de 30: ressonâncias do socialismo e do feminismo. Cadernos Pagu [online], n. 43, p. 385-415, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332014000200385. Acesso em: 20 fev. 2020.

SCOTT, Joan. A invisibilidade da experiência. Projeto História, n. 16, p. 297-325, 1998. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/view/11183/8194. Acesso em: 05 jan. 2021.

SODRÉ, Nelson Werneck. História da Literatura Brasileira. Rio de Janeiro: Bertrand, 1995.

SPIVAK, Gayatri. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: UFMG, 2010.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Josefa Lieuza Leite, Maria Edileuza da Costa

Downloads

Não há dados estatísticos.