Rachel de Queiroz, egrégia escritora, na aridez do solo textual sertanejo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/tematicas.v30i59.15894

Palavras-chave:

Raquel de Queiroz, Mulher, Livro, Seca, Crítica

Resumo

Este trabalho versa sobre a exímia escritora da literatura brasileira, Rachel de Queiroz e a crítica literária relativa a ela e ao romance O Quinze, publicado na década de 30, evidenciando a seca de 1915. Na obra literária, destaca-se a seguinte conjuntura: a seca, fenômeno natural; e, as consequências desse, tanto para o Vaqueiro Chico Bento e sua família como para Vicente e Conceição, moça culta da capital. A narrativa O Quinze destacou a autora na literatura brasileira, dado que ela foi a primeira mulher a integrar a Academia Brasileira de Letras (ABL), com isso, objetivamos analisar alguns pontos da crítica no que tange à obra, expressando o mérito desta e da escritora na literatura brasileira. Para isso, utiliza-se como abordagem, a pesquisa qualitativa; quanto à técnica, a bibliográfica. Para fundamentar este estudo, perscrutamos os teóricos: Monteiro (1977), Filho (1977), Moisés (1975), Cândido (2006), dentre outros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Josefa Lieuza Leite, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Doutoranda em Letras pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte.

Maria Edileuza da Costa, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Pós-doutoramento pela Universidade Estadual do Piauí. Professora visitante da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte.

Referências

ABREU, Laile Ribeiro. O texto queiroziano e seu percurso crítico. Em Tese, v.18, n.1, 2012. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/emtese/article/view/3797/3744. Acesso em: 08 mar. 2020.

BANDEIRA, Manuel. Rachel de Queiroz. In: BANDEIRA, Manuel. Estrela da vida inteira. Rio de Janeiro: José Olympio, 1986. p. 236-237.

BARROS, Aidil Jesus Paes & LEHFELD, Neide Aparecida de Sousa. Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Macron Barros, 2007.

BOSI, Alfredo. História concisa da Literatura Brasileira. São Paulo: Cultrix, 1994.

CALVINO, Italo. Por que ler os clássicos. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

CANDIDO, Antônio. Literatura e sociedade. Rio de janeiro: Ouro sobre azul, 2006.

CANDIDO, Antônio. Vários escritos. 4. ed. Duas Cidades: Ouro sobre azul, 2004.

CONFORTIN, Helena. Discurso e gênero: a mulher em foco. In: GHILARDI-LUCENA, Maria Inês. (Org.). Representações do feminino. Campinas: Átomo, 2003.

COUTINHO, Afrânio. Introdução a Literatura no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1975.

DEMO, Pedro. Introdução à metodologia da ciência. São Paulo: Atlas, 1987.

DUARTE, Constância Lima. Feminismo e literatura no Brasil. Estudos Avançados, v.49, n.23, 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ea/a/6fB3CFy89Kx6wLpwCwKnqfS/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 23 fev. 2020.

DUARTE, Eduardo de Assis. Rachel de Queiroz – literatura e política no feminino. In: DUARTE, Constância Lima. (Org.). Anais do V seminário Nacional Mulher e Literatura. Natal, UFRN.

DURÃO, Fábio Akcelrud. O que é crítica literária? São Paulo: Nankin Editorial, Parábola Editorial, 2016.

FANINI, Michele Asmar. Fardos e fardões: mulheres na Academia Brasileira de Letras (1987-2003). Orientadora: Maria Arminda do Nascimento Arruda. 2009. 387 f. Tese (Doutorado em Sociologia) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8132/tde-19022010-173143/publico/MICHELE_ASMAR_FANINI.pdf . Acesso em: 28 dez. 2021.

FILHO, Adonisas. O Romance O Quinze. In: QUEIROZ, Rachel de. O Quinze. Rio de Janeiro: José Olympio, 1977.

FLICK, Uwe. Introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

JACOMEL, Mirele Carolina Werneque & PAGOTO, Cristian Pagoto. Cultura patriarcal e representação da mulher na literatura. Revista do Centro de educação e Letras. v. 11, n. 1, p. 09-23, 2009. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/ideacao/article/view/4936/3746. Acesso em: 22 fev. 2020.

MOISÉS, Massaud. A literatura brasileira através dos textos. São Paulo: Cultrix, 1975.

MONTEIRO, Adolfo Casais. Um romance que não envelheceu. In: QUEIROZ, Rachel de. O Quinze. Rio de Janeiro: José Olympio, 1977.

OLIVA, Osmar Pereira. Rachel de Queiroz e o romance de 30: ressonâncias do socialismo e do feminismo. Cadernos Pagu [online], n. 43, p. 385-415, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332014000200385. Acesso em: 20 fev. 2020.

SCOTT, Joan. A invisibilidade da experiência. Projeto História, n. 16, p. 297-325, 1998. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/view/11183/8194. Acesso em: 05 jan. 2021.

SODRÉ, Nelson Werneck. História da Literatura Brasileira. Rio de Janeiro: Bertrand, 1995.

SPIVAK, Gayatri. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: UFMG, 2010.

Downloads

Publicado

2022-06-10

Como Citar

LEITE, J. L.; COSTA, M. E. da. Rachel de Queiroz, egrégia escritora, na aridez do solo textual sertanejo . Tematicas, Campinas, SP, v. 30, n. 59, p. 144–164, 2022. DOI: 10.20396/tematicas.v30i59.15894. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tematicas/article/view/15894. Acesso em: 5 dez. 2022.