Cativeiro estrutural na era da covid-19

"a vida é assim mesmo... não tem outro jeito!"

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/tematicas.v30i59.15831

Palavras-chave:

Mulher negra, Brasil contemporâneo, Trabalhadora doméstica

Resumo

O presente artigo apresenta uma breve reflexão sobre a mulher negra, trabalhadora e doméstica no Brasil, em meio a pandemia do novo coronavírus. Analisamos esta situação por meio de dois exemplos atuais, tendo como fio condutor as obras da autora Carolina Maria de Jesus. Para desenvolver a análise, utilizamos reportagens jornalísticas e uma entrevista individual, com o intuito de traçarmos um paralelo entre dois estudos de caso: um trabalho doméstico realizado em condições análogas à escravidão X um trabalho doméstico “legalizado”, ambos balizados por uma estrutura de desigualdade social que nos permitiu concluir que cativeiro, enquanto entendido como um fenômeno social, possui raízes bem mais profundas e de caráter multifacetado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Costa Normandia, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Mestranda em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. 

Referências

BRASIL. Lei nº 6.514, de 22 de dezembro de 1977. Altera o Capítulo V do Título II da Consolidação das Leis do Trabalho, relativa à Segurança e Medicina do Trabalho. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6514.htm. Acesso em: 07 fev. 2022.

BRASIL. Portaria nº 3214 de 08 de junho de 1978. Aprova as Normas Regulamentadoras do Ministério de Estado do Trabalho, no uso de suas atribuições legais, considerando o disposto no art. 200, da Consolidação das Leis do Trabalho, com redação dada pela Lei nº 6.514, de 22 de dezembro de 1977. Brasília, 1978. Disponível em: http://www.jacoby.pro.br/diversos/nr_16_perigosas.pdf. Acesso em: 21 jun. 2021.

BRASIL. Decreto-Lei 5.859, de 11 de dezembro de 1972. Revogada pela Lei Complementar 150 de 1º de junho de 2015, dispõe sobre a profissão de empregado doméstico e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L5859.htm. Acesso em: 07 fev. 2022.

CARVALHO, Marcus. J. M. Liberdade: rotinas e rupturas do escravismo no Recife, 1822- 1850. Recife: Editora Universitária da UFPE, 1998.

EVARISTO, Conceição. Becos da memória. Belo Horizonte: Mazza, 2006.

EVARISTO, Conceição. Ponciá Vicêncio. Belo Horizonte: Mazza, 2003.

HASENBALG, Carlos. Os Números da Cor. Rio de Janeiro: Centro de Estudos Afro-Asiáticos, 1996.

JESUS, Carolina Maria de. Quarto de Despejo: diário de uma favelada. São Paulo: Francisco Alves, 1960.

JESUS, Carolina Maria de. Diário de Bitita. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

JESUS, Carolina Maria de. Casa de alvenaria: diário de uma ex-favelada. Rio de Janeiro: Editora Paulo de Azevedo, 1961.

LOPES, Felix. Repertórios sobre as razões das desigualdades no Brasil. In: Classes Sociais, Estado e Desigualdade - IPEA, p. 57-68, 2020.

NATALINO, Marco & LOPES, Felix. Introdução à edição temática classes sociais, estado e desigualdades. In: Classes Sociais, Estado e Desigualdade - IPEA, n.23, p. 7-16, 2020.

OLIVEIRA, Ana Luíza Matos de. Enfrentando a pandemia na América Latina: uma análise de vulnerabilidades após 30 anos de neoliberalismo. Informe Especial da Internacional de Serviços Públicos, 2020. Disponível em: http://www.confetam.com.br/system/uploads/ck/files/5aee5ae5-9744-4aaa-8579-c80a0addd94bArtigoISP-EnfrentandoapandemianaAmricaLatinaPT.pdf. Acesso em: 15 fev. 2021.

PINTO, Ana Flávia. A escravidão não oferece resposta para tudo. Revista Galedés, 2020. Disponível em: https://www.geledes.org.br/a-escravidao-nao-oferece-resposta-para-tudo/. Acesso em: 01 dez. 2020.

PREUSS, Miriam Raja. Patroas e Empregadas: Relações de Proximidade e Oposição. In: Coletâneas da ANPEPP: Mulher: cultura e subjetividade, v. 1, n. 07., p. 53-65, 1997.

SALATI, Paula. Recessão gerada pela pandemia impacta mais mulheres e negros no mercado de trabalho. Revista Geledes, 2020. Disponível em: https://www.geledes.org.br/recessao-gerada-pela-pandemia-impacta-mais-mulheres-e-negros-no-mercado-de-trabalho/. Acesso em: 31 jul. 2021.

SANTOS, Boaventura de Souza. A cruel pedagogia do vírus. Coimbra: Almedina, 2020.

SORJ, Bila & FONTES, Adriana. "O care como regime estratificado: implicações de gênero e classe social". In: HIRATA, Helena; GUIMARÃES, Nadya Araujo. Cuidado e cuidadores: as várias faces do trabalho do Care. São Paulo: Atlas, 2012, p. 103-116.

Downloads

Publicado

2022-06-10

Como Citar

NORMANDIA, L. C. Cativeiro estrutural na era da covid-19: "a vida é assim mesmo... não tem outro jeito!". Tematicas, Campinas, SP, v. 30, n. 59, p. 261–281, 2022. DOI: 10.20396/tematicas.v30i59.15831. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tematicas/article/view/15831. Acesso em: 5 dez. 2022.