Banner Portal
Interpretações do Brasil e dilemas contemporâneos
PDF

Palavras-chave

Interpretações do Brasil
Brasil contemporâneo
Pensamento social no Brasil

Como Citar

HELAYEL, K.; MALCHER, B.; TRESOLDI, M. C. M. Interpretações do Brasil e dilemas contemporâneos. Tematicas, Campinas, SP, v. 29, n. 57, p. 9–37, 2021. DOI: 10.20396/tematicas.v29i57.15652. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tematicas/article/view/15652. Acesso em: 27 fev. 2024.

Resumo

Nessa apresentação, procuramos discutir, em dois momentos, algumas questões suscitadas ao longo do processo de construção do dossiê “Interpretações do Brasil e dilemas contemporâneos”. O primeiro se refere à noção de “interpretações do Brasil”, de modo a ressaltar sua relevância teórica na contemporaneidade e discutir o estatuto da área de Pensamento Social no Brasil na atualidade. Em um segundo momento, tratamos mais diretamente alguns dilemas da contemporaneidade, tendo em vista o desafio de articulação de questões contemporâneas a autores considerados clássicos, que pensam o capitalismo e a modernidade a partir da periferia. Após essas considerações de ordem mais geral, realizamos uma breve apresentação dos artigos que compõem o presente dossiê.

https://doi.org/10.20396/tematicas.v29i57.15652
PDF

Referências

ADORNO, Theodor W. Dialética Negativa. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

BASTOS, Elide Rugai. A questão racial e a revolução burguesa. In: D’INCAO, Maria Ângela (Org.). O saber militante: ensaios sobre Florestan Fernandes. Rio de Janeiro: Paz e Terra; São Paulo: UNESP, 1987, p. 140-150.

BASTOS, Elide Rugai. Pensamento social da escola sociológica paulista. In: MICELI, Sérgio (org). O que ler na ciência social brasileira, 1970-2002. São Paulo/Brasília: Anpocs/Sumaré, 2002, p. 183-232.

BASTOS, Elide Rugai. As criaturas de Prometeu: Gilberto Freyre e a formação da sociedade brasileira. São Paulo: Global, 2006.

BASTOS, Elide Rugai. Atualidade do pensamento social brasileiro. Revista Sociedade e Estado. Brasília, v.26, n.2, p. 51-70, maio/agosto 2011.

BASTOS, Elide Rugai. A história nunca se fecha. Sociologia & Antropologia. Rio de Janeiro, v.10, n. 2, p. 677-694, maio-agosto 2020.

BASTOS, Elide Rugai; BOTELHO, André. Horizontes das ciências sociais: pensamento social brasileiro. In: MARTINS, Carlos Benedito; MARTINS, Maria Helena de Souza (orgs.). Horizontes das ciências sociais no Brasil: sociologia. São Paulo: ANPOCS, 2010, p. 475-496.

BENTES, Ivana. Redes colaborativas e o pensamento P2P: a dobra brasileira. P2P & inovação. Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, setembro-dezembro 2014.

BOLTANSKI, Luc. On Critique: a sociology of emancipation. Cambridge: Polity Press, 2011.

BOLTANSKI, Luc. Sociologia da crítica, instituições e o novo modo de dominação gestionária. Sociologia & Antropologia. Rio de Janeiro, v. 3, n. 6, p. 441 – 463, nov. 2013.

BOTELHO, André. O retorno da sociedade: política e interpretações do Brasil. Petrópolis: Vozes, 2019a.

BOTELHO, André. Patrimonialismo brasileiro. In: SCHWARCZ, Lilia; STARLING, Heloisa (Orgs.). Dicionário da República: 51 textos críticos. São Paulo: Companhia das Letras, 2019b, p. 276-282.

BOTELHO, André; SCHWARCZ, Lilia. Esse enigma chamado Brasil: apresentação. In: BOTELHO, André; SCHWARCZ, Lilia (orgs.). Um enigma chamado Brasil: 29 intérpretes e um país. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, p. 11-17.

BOTELHO, André; BRASIL JR., Antonio. A revolução burguesa no Brasil: cosmopolitismo sociológico e autocracia burguesa. In: FERNANDES, Florestan. A revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. São Paulo: Editora Contracorrente, 2020, p. 7-19.

BRANDÃO, Gildo Marçal. Linhagens do pensamento político brasileiro. São Paulo: Editora Hucitec, 2007.

BRASIL JR., Antonio. As ideias como forças sociais: sobre uma agenda de pesquisa. Sociologia & Antropologia. Rio de Janeiro, v. 5, n. 2, p. 553-574, agosto 2015.

BRASIL JR., Antonio; JACKSON, Luiz Carlos; PAIVA, Marcelo. Pensamento Social no Brasil: um pequeno grande mundo. In.: CAMPOS, Luiz Augusto; CHAGURI, Mariana; FLEURY, Lorena. Ciências sociais hoje: sociologia. São Paulo: Zeppelini Publishers, 2020, p. 221-257.

BROWN, Wendy. Edegework: critical essays on knowledge and politics. Princeton, Oxford: Princeton University Press, 2011.

CANDIDO, Antonio. O significado de Raízes do Brasil. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995, p. 9-21.

CANDIDO, Marcia Rangel; CAMPOS, Luiz Augusto. Pandemia reduz submissões de artigos acadêmicos assinados por mulheres. Blog DADOS, 2020. Disponível em: http://dados.iesp.uerj.br/pandemia-reduz-submissoes-de-mulheres/. Acesso em: 01 jun. 2021.

CARDOSO, Fernando Henrique. Pensadores que inventaram o Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

CARVALHO, Lucas; BRASIL Jr. Antonio. Mapeando a área de pensamento social no Brasil: uma análise preliminar de sua produção em artigos. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde, v. 14, n.3, p. 597-618, 2020.

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

CAMPOS, Luiz Augusto; GOMES, Ingrid. Relações raciais no Brasil contemporâneo: uma análise preliminar da produção em artigos acadêmicos dos últimos vinte anos (1994-2013). Revista Sinais Sociais, v. 11, p. 85-116, 2017.

CHALOUB, Jorge; LIMA, Pedro Luiz. Interpretações do Brasil contemporâneo. Mediações. Londrina, v. 23, n. 2, p. 14-39, maio-agosto 2018.

DANTAS, Marcos et al. Trabalho gratuito nas redes: de como o ativismo de 99% pode gerar ainda mais lucros para 1%. Liinc em Revista, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, p. 22-43, maio 2014.

FISHER, Mark. Capitalist realism. Washington: O Books, 2009.

FLAHERTY, Colleen. No Room of One’s Own. Inside Higher Ed. Abril, 2020. Disponível em: https://www.insidehighered.com/news/2020/04/21/early-journal-submission-data-suggest-covid-19-tanking-womens-research-productivity. Acesso em: 10 jun. 2021.

JOSIOWICZ, Alejandra; BRASIL JR., Antonio. Pensamento social e pesquisa informacional: o caso da Biblioteca Virtual do Pensamento Social (BVPS). Revista Brasileira de Sociologia, v.7, n.16, p. 5-28, maio-agosto 2019.

KITCHENER, Caroline. Women academics seem to be submitting fewer papers during coronavirus. “Never seen anything like it,” says one editor. The Lilly. 2020. Disponível em: https://www.thelily.com/women-academics-seem-to-be-submitting-fewer-papers-during-coronavirus-never-seen-anything-like-it-says-one-editor/. Acesso em: 10 jun. 2021.

LANGIN, Katie. Pandemic hit academic mothers hard, data show. Science, v.371, issue 6530, 2021.

LIMA, Márcia; CAMPOS, Luiz Augusto. Inclusão racial no Ensino Superior: impactos, consequências e desafios. Novos Estudos Cebrap (online), v. 39, p. 245-254, 2020.

MAIA, João Marcelo E. Ao sul da teoria: A atualidade teórica do pensamento social brasileiro. Sociedade e Estado. Brasília, v. 26, n. 2, p. 71-94, 2011.

MAIA, João Marcelo E. Os sentidos da tradição: um estudo de caso no Pensamento Social Brasileiro. Sociologia & Antropologia. Rio de Janeiro, v. 5, n. 2, p. 535-551, maio/agosto 2015.

MAIA, João Marcelo E. Qual é a relevância teórica do pensamento social no Brasil? In: CHAGURI, Mariana; MEDEIROS, Mário (org). Rumos do Sul: periferia e pensamento social. São Paulo: Alameda, 2018, p. 77-88.

RICUPERO, Bernardo. Sete lições sobre as interpretações do Brasil. São Paulo: Alameda, 2008.

RICUPERO, Bernardo. Patrimonialismo: usos de um conceito. In: BOTELHO, André; STARLING, Heloisa. (orgs.). República e democracia: impasses do Brasil contemporâneo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2017, p. 263-275.

SCHWARCZ, Lilia; BOTELHO, André. Simpósio: cinco questões sobre o pensamento social brasileiro. Lua Nova, v.82, p. 139-159, 2011.

STANISCUASKI, Fernanda et al. Impact of COVID-19 on academic mothers. Science, v. 368, Issue 6492, p. 724, May, 2020.

TEELE, Dawn Langan; THELEN, Kathleen. Gender in the Journals: Publication Patterns in Political Science. PS: Political Science & Politics, v. 50, Issue 2, p. 433-447, april 2017.

TRAVERSO, Enzo. Melancolia de esquerda: marxismo, história e memória. Belo Horizonte: Editora Âyiné, 2018.

TRAVERSO, Enzo. Onde foram parar os intelectuais? Belo Horizonte: Editora Âyiné, 2020.

WERNECK VIANNA, Luiz. Weber e a interpretação do Brasil. In: SOUZA, Jessé. (Org.). O malandro e o protestante: a tese weberiana e a singularidade cultural brasileira. Brasília: Editora UnB, 1999, p. 173-194.

WERNECK VIANNA, Luiz. Raymundo Faoro e a difícil busca do moderno no país da modernização. In: BOTELHO, André; SCHWARCZ, Lilia. (Orgs). Um enigma chamado Brasil: 29 intérpretes e um país. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, p. 364-377.

ŽIŽEK, Slavoj. Bem-vindo ao deserto do real!. São Paulo: Boitempo Editorial, 2003.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Karim Helayel, Beatriz Malcher, Maria Caroline Marmerolli Tresoldi

Downloads

Não há dados estatísticos.