Interpretações do Brasil e dilemas contemporâneos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/tematicas.v29i57.15652

Palavras-chave:

Interpretações do Brasil, Brasil contemporâneo, Pensamento social no Brasil

Resumo

Nessa apresentação, procuramos discutir, em dois momentos, algumas questões suscitadas ao longo do processo de construção do dossiê “Interpretações do Brasil e dilemas contemporâneos”. O primeiro se refere à noção de “interpretações do Brasil”, de modo a ressaltar sua relevância teórica na contemporaneidade e discutir o estatuto da área de Pensamento Social no Brasil na atualidade. Em um segundo momento, tratamos mais diretamente alguns dilemas da contemporaneidade, tendo em vista o desafio de articulação de questões contemporâneas a autores considerados clássicos, que pensam o capitalismo e a modernidade a partir da periferia. Após essas considerações de ordem mais geral, realizamos uma breve apresentação dos artigos que compõem o presente dossiê.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karim Helayel, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Pesquisador de pós-doutorado no Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGSA/UFRJ). 

Beatriz Malcher, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Pesquisadora de pós-doutorado no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Literatura da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Maria Caroline Marmerolli Tresoldi, Universidade Estadual de Campinas

Mestre em Sociologia pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Estadual de Campinas. Bacharela e Licenciada em Ciências Sociais pela mesma universidade. Editora da revista Temáticas.

Referências

ADORNO, Theodor W. Dialética Negativa. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

BASTOS, Elide Rugai. A questão racial e a revolução burguesa. In: D’INCAO, Maria Ângela (Org.). O saber militante: ensaios sobre Florestan Fernandes. Rio de Janeiro: Paz e Terra; São Paulo: UNESP, 1987, p. 140-150.

BASTOS, Elide Rugai. Pensamento social da escola sociológica paulista. In: MICELI, Sérgio (org). O que ler na ciência social brasileira, 1970-2002. São Paulo/Brasília: Anpocs/Sumaré, 2002, p. 183-232.

BASTOS, Elide Rugai. As criaturas de Prometeu: Gilberto Freyre e a formação da sociedade brasileira. São Paulo: Global, 2006.

BASTOS, Elide Rugai. Atualidade do pensamento social brasileiro. Revista Sociedade e Estado. Brasília, v.26, n.2, p. 51-70, maio/agosto 2011.

BASTOS, Elide Rugai. A história nunca se fecha. Sociologia & Antropologia. Rio de Janeiro, v.10, n. 2, p. 677-694, maio-agosto 2020.

BASTOS, Elide Rugai; BOTELHO, André. Horizontes das ciências sociais: pensamento social brasileiro. In: MARTINS, Carlos Benedito; MARTINS, Maria Helena de Souza (orgs.). Horizontes das ciências sociais no Brasil: sociologia. São Paulo: ANPOCS, 2010, p. 475-496.

BENTES, Ivana. Redes colaborativas e o pensamento P2P: a dobra brasileira. P2P & inovação. Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, setembro-dezembro 2014.

BOLTANSKI, Luc. On Critique: a sociology of emancipation. Cambridge: Polity Press, 2011.

BOLTANSKI, Luc. Sociologia da crítica, instituições e o novo modo de dominação gestionária. Sociologia & Antropologia. Rio de Janeiro, v. 3, n. 6, p. 441 – 463, nov. 2013.

BOTELHO, André. O retorno da sociedade: política e interpretações do Brasil. Petrópolis: Vozes, 2019a.

BOTELHO, André. Patrimonialismo brasileiro. In: SCHWARCZ, Lilia; STARLING, Heloisa (Orgs.). Dicionário da República: 51 textos críticos. São Paulo: Companhia das Letras, 2019b, p. 276-282.

BOTELHO, André; SCHWARCZ, Lilia. Esse enigma chamado Brasil: apresentação. In: BOTELHO, André; SCHWARCZ, Lilia (orgs.). Um enigma chamado Brasil: 29 intérpretes e um país. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, p. 11-17.

BOTELHO, André; BRASIL JR., Antonio. A revolução burguesa no Brasil: cosmopolitismo sociológico e autocracia burguesa. In: FERNANDES, Florestan. A revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. São Paulo: Editora Contracorrente, 2020, p. 7-19.

BRANDÃO, Gildo Marçal. Linhagens do pensamento político brasileiro. São Paulo: Editora Hucitec, 2007.

BRASIL JR., Antonio. As ideias como forças sociais: sobre uma agenda de pesquisa. Sociologia & Antropologia. Rio de Janeiro, v. 5, n. 2, p. 553-574, agosto 2015.

BRASIL JR., Antonio; JACKSON, Luiz Carlos; PAIVA, Marcelo. Pensamento Social no Brasil: um pequeno grande mundo. In.: CAMPOS, Luiz Augusto; CHAGURI, Mariana; FLEURY, Lorena. Ciências sociais hoje: sociologia. São Paulo: Zeppelini Publishers, 2020, p. 221-257.

BROWN, Wendy. Edegework: critical essays on knowledge and politics. Princeton, Oxford: Princeton University Press, 2011.

CANDIDO, Antonio. O significado de Raízes do Brasil. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995, p. 9-21.

CANDIDO, Marcia Rangel; CAMPOS, Luiz Augusto. Pandemia reduz submissões de artigos acadêmicos assinados por mulheres. Blog DADOS, 2020. Disponível em: http://dados.iesp.uerj.br/pandemia-reduz-submissoes-de-mulheres/. Acesso em: 01 jun. 2021.

CARDOSO, Fernando Henrique. Pensadores que inventaram o Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

CARVALHO, Lucas; BRASIL Jr. Antonio. Mapeando a área de pensamento social no Brasil: uma análise preliminar de sua produção em artigos. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde, v. 14, n.3, p. 597-618, 2020.

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

CAMPOS, Luiz Augusto; GOMES, Ingrid. Relações raciais no Brasil contemporâneo: uma análise preliminar da produção em artigos acadêmicos dos últimos vinte anos (1994-2013). Revista Sinais Sociais, v. 11, p. 85-116, 2017.

CHALOUB, Jorge; LIMA, Pedro Luiz. Interpretações do Brasil contemporâneo. Mediações. Londrina, v. 23, n. 2, p. 14-39, maio-agosto 2018.

DANTAS, Marcos et al. Trabalho gratuito nas redes: de como o ativismo de 99% pode gerar ainda mais lucros para 1%. Liinc em Revista, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, p. 22-43, maio 2014.

FISHER, Mark. Capitalist realism. Washington: O Books, 2009.

FLAHERTY, Colleen. No Room of One’s Own. Inside Higher Ed. Abril, 2020. Disponível em: https://www.insidehighered.com/news/2020/04/21/early-journal-submission-data-suggest-covid-19-tanking-womens-research-productivity. Acesso em: 10 jun. 2021.

JOSIOWICZ, Alejandra; BRASIL JR., Antonio. Pensamento social e pesquisa informacional: o caso da Biblioteca Virtual do Pensamento Social (BVPS). Revista Brasileira de Sociologia, v.7, n.16, p. 5-28, maio-agosto 2019.

KITCHENER, Caroline. Women academics seem to be submitting fewer papers during coronavirus. “Never seen anything like it,” says one editor. The Lilly. 2020. Disponível em: https://www.thelily.com/women-academics-seem-to-be-submitting-fewer-papers-during-coronavirus-never-seen-anything-like-it-says-one-editor/. Acesso em: 10 jun. 2021.

LANGIN, Katie. Pandemic hit academic mothers hard, data show. Science, v.371, issue 6530, 2021.

LIMA, Márcia; CAMPOS, Luiz Augusto. Inclusão racial no Ensino Superior: impactos, consequências e desafios. Novos Estudos Cebrap (online), v. 39, p. 245-254, 2020.

MAIA, João Marcelo E. Ao sul da teoria: A atualidade teórica do pensamento social brasileiro. Sociedade e Estado. Brasília, v. 26, n. 2, p. 71-94, 2011.

MAIA, João Marcelo E. Os sentidos da tradição: um estudo de caso no Pensamento Social Brasileiro. Sociologia & Antropologia. Rio de Janeiro, v. 5, n. 2, p. 535-551, maio/agosto 2015.

MAIA, João Marcelo E. Qual é a relevância teórica do pensamento social no Brasil? In: CHAGURI, Mariana; MEDEIROS, Mário (org). Rumos do Sul: periferia e pensamento social. São Paulo: Alameda, 2018, p. 77-88.

RICUPERO, Bernardo. Sete lições sobre as interpretações do Brasil. São Paulo: Alameda, 2008.

RICUPERO, Bernardo. Patrimonialismo: usos de um conceito. In: BOTELHO, André; STARLING, Heloisa. (orgs.). República e democracia: impasses do Brasil contemporâneo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2017, p. 263-275.

SCHWARCZ, Lilia; BOTELHO, André. Simpósio: cinco questões sobre o pensamento social brasileiro. Lua Nova, v.82, p. 139-159, 2011.

STANISCUASKI, Fernanda et al. Impact of COVID-19 on academic mothers. Science, v. 368, Issue 6492, p. 724, May, 2020.

TEELE, Dawn Langan; THELEN, Kathleen. Gender in the Journals: Publication Patterns in Political Science. PS: Political Science & Politics, v. 50, Issue 2, p. 433-447, april 2017.

TRAVERSO, Enzo. Melancolia de esquerda: marxismo, história e memória. Belo Horizonte: Editora Âyiné, 2018.

TRAVERSO, Enzo. Onde foram parar os intelectuais? Belo Horizonte: Editora Âyiné, 2020.

WERNECK VIANNA, Luiz. Weber e a interpretação do Brasil. In: SOUZA, Jessé. (Org.). O malandro e o protestante: a tese weberiana e a singularidade cultural brasileira. Brasília: Editora UnB, 1999, p. 173-194.

WERNECK VIANNA, Luiz. Raymundo Faoro e a difícil busca do moderno no país da modernização. In: BOTELHO, André; SCHWARCZ, Lilia. (Orgs). Um enigma chamado Brasil: 29 intérpretes e um país. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, p. 364-377.

ŽIŽEK, Slavoj. Bem-vindo ao deserto do real!. São Paulo: Boitempo Editorial, 2003.

Downloads

Publicado

2021-06-25

Como Citar

HELAYEL, K.; MALCHER, B.; TRESOLDI, M. C. M. Interpretações do Brasil e dilemas contemporâneos. Tematicas, Campinas, SP, v. 29, n. 57, p. 9–37, 2021. DOI: 10.20396/tematicas.v29i57.15652. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tematicas/article/view/15652. Acesso em: 20 maio. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)