Banner Portal
Paisagens narrativas
PDF

Palavras-chave

Antropologia da Literatura
Ficção especulativa
Paisagem narrativa

Como Citar

LIMA, G. C. de. Paisagens narrativas: tempo e memória na ficção de J.G Ballard . Tematicas, Campinas, SP, v. 29, n. 57, p. 328–346, 2021. DOI: 10.20396/tematicas.v29i57.15260. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tematicas/article/view/15260. Acesso em: 25 fev. 2024.

Resumo

A escrita de J.G. Ballard (1930-2009) abre-se a um conjunto de discussões que são fundamentais para os campos da Antropologia e da Literatura. Considerado um dos grandes nomes da literatura inglesa, o autor se divide entre os gêneros da escrita autobiográfica e ficção científica. Neste artigo, analiso um conjunto diverso de obras que se conectam pelo que se denominou paisagem narrativa, conceito inspirado nas teorias do antropólogo Tim Ingold (2015). A análise pormenorizada das obras, do contexto histórico e pessoal do autor trazem à baila discussões referentes à memória, trauma e modernidade, ensejando em um mapeamento das principais questões da civilização ocidental na segunda metade do século XX. Os objetivos consistem em produzir, através das narrativas ficcionais, imagens e leituras do mundo social, tomando a obra literária como elemento em constante relação com este. Conclui-se que as ficções ballardianas são experimentos com as dimensões sociais e individuais da memória, observando a leitura crítica sobre o período pós-guerra e os efeitos colaterais do projeto burguês de civilização capitalista.

https://doi.org/10.20396/tematicas.v29i57.15260
PDF

Referências

ARENDT, Hannah. As Origens do Totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

BAKHTIN, Mikhail. Teoria do Romance II. As formas do tempo e do cronotopo. São Paulo: Editora 34, 2018.

BALLARD, James G. The crystal world. Picador USA, 2018.

BALLARD, James G. The Drowned World: A Novel. W.W. Norton & Company, 2012.

BALLARD, James. G. O Império do Sol. Rio de Janeiro: Editora Record: BestBolso, 2007.

BALLARD, James. G. Time, memory and Inner Space. The Woman Journalist Magazine, 1963. Disponível em: https://www.jgballard.ca/non_fiction/jgb_time_memory_innerspace.html. Acesso em:

nov. 2020.

BATESON, Gregory. Steps to an ecology of mind: Collected essays in anthropology, psychiatry, evolution, and epistemology. University of Chicago Press, 2000.

CHO, Grace. Haunting the Korean diaspora: Shame, secrecy, and the forgotten war. University of Minnesotta Press, 2008.

CRAPANZANO, V. Imaginative horizons. University of Chicago press, 2010.

DE LIMA, Gabriel C. A flor do futuro: cosmo-especulação e antropologia do tempo na obra de Philip K. Dick. Dissertação de mestrado: Museu Nacional, PPGAS/UFRJ, 2020.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

INGOLD, Tim. Estar vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Editora Vozes Limitada, 2015.

INGOLD, Tim. The perception of the environment: essays on livelihood, dwelling and skill. Psychology Press, 2000.

KWON, Heonik. Ghosts of war in Vietnam. Cambridge: Cambridge University Press, 2008.

LEVI, Pierre. Os afogados e os sobreviventes: Os delitos, as penas, os castigos, as impunidades. São Paulo: Paz e Terra, 2004.

LÖWY, Michael; SAYRE, Robert. Revolta e melancolia: o romantismo na contracorrente da modernidade. Boitempo Editorial, 2015.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Revista estudos históricos, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa. Campinas: Papirus, 1994.

ROCHA, Gilmar. A imaginação e a cultura. Teoria e Culturav. 11, n. 2, p. 167-187, 2016.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Narrar o trauma: a questão dos testemunhos de catástrofes históricas. Psicologia clínica, v. 20, n. 1, p. 65-82, 2008.

WUNENBURGER, Jean-Jacques. Imaginário (O). Edições Loyola, 2008.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Gabriel Cardozo de Lima

Downloads

Não há dados estatísticos.