Paisagens narrativas

tempo e memória na ficção de J.G Ballard

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/tematicas.v29i57.15260

Palavras-chave:

Antropologia da Literatura, Ficção especulativa, Paisagem narrativa

Resumo

A escrita de J.G. Ballard (1930-2009) abre-se a um conjunto de discussões que são fundamentais para os campos da Antropologia e da Literatura. Considerado um dos grandes nomes da literatura inglesa, o autor se divide entre os gêneros da escrita autobiográfica e ficção científica. Neste artigo, analiso um conjunto diverso de obras que se conectam pelo que se denominou paisagem narrativa, conceito inspirado nas teorias do antropólogo Tim Ingold (2015). A análise pormenorizada das obras, do contexto histórico e pessoal do autor trazem à baila discussões referentes à memória, trauma e modernidade, ensejando em um mapeamento das principais questões da civilização ocidental na segunda metade do século XX. Os objetivos consistem em produzir, através das narrativas ficcionais, imagens e leituras do mundo social, tomando a obra literária como elemento em constante relação com este. Conclui-se que as ficções ballardianas são experimentos com as dimensões sociais e individuais da memória, observando a leitura crítica sobre o período pós-guerra e os efeitos colaterais do projeto burguês de civilização capitalista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriel Cardozo de Lima, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutorando em Antropologia Social no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Referências

ARENDT, Hannah. As Origens do Totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

BAKHTIN, Mikhail. Teoria do Romance II. As formas do tempo e do cronotopo. São Paulo: Editora 34, 2018.

BALLARD, James G. The crystal world. Picador USA, 2018.

BALLARD, James G. The Drowned World: A Novel. W.W. Norton & Company, 2012.

BALLARD, James. G. O Império do Sol. Rio de Janeiro: Editora Record: BestBolso, 2007.

BALLARD, James. G. Time, memory and Inner Space. The Woman Journalist Magazine, 1963. Disponível em: https://www.jgballard.ca/non_fiction/jgb_time_memory_innerspace.html. Acesso em:

nov. 2020.

BATESON, Gregory. Steps to an ecology of mind: Collected essays in anthropology, psychiatry, evolution, and epistemology. University of Chicago Press, 2000.

CHO, Grace. Haunting the Korean diaspora: Shame, secrecy, and the forgotten war. University of Minnesotta Press, 2008.

CRAPANZANO, V. Imaginative horizons. University of Chicago press, 2010.

DE LIMA, Gabriel C. A flor do futuro: cosmo-especulação e antropologia do tempo na obra de Philip K. Dick. Dissertação de mestrado: Museu Nacional, PPGAS/UFRJ, 2020.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

INGOLD, Tim. Estar vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Editora Vozes Limitada, 2015.

INGOLD, Tim. The perception of the environment: essays on livelihood, dwelling and skill. Psychology Press, 2000.

KWON, Heonik. Ghosts of war in Vietnam. Cambridge: Cambridge University Press, 2008.

LEVI, Pierre. Os afogados e os sobreviventes: Os delitos, as penas, os castigos, as impunidades. São Paulo: Paz e Terra, 2004.

LÖWY, Michael; SAYRE, Robert. Revolta e melancolia: o romantismo na contracorrente da modernidade. Boitempo Editorial, 2015.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Revista estudos históricos, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa. Campinas: Papirus, 1994.

ROCHA, Gilmar. A imaginação e a cultura. Teoria e Culturav. 11, n. 2, p. 167-187, 2016.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Narrar o trauma: a questão dos testemunhos de catástrofes históricas. Psicologia clínica, v. 20, n. 1, p. 65-82, 2008.

WUNENBURGER, Jean-Jacques. Imaginário (O). Edições Loyola, 2008.

Downloads

Publicado

2021-06-25

Como Citar

LIMA, G. C. de. Paisagens narrativas: tempo e memória na ficção de J.G Ballard . Tematicas, Campinas, SP, v. 29, n. 57, p. 328–346, 2021. DOI: 10.20396/tematicas.v29i57.15260. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tematicas/article/view/15260. Acesso em: 21 maio. 2022.