Estranhamento de si

o adoecimento como sintoma

Autores

  • Andreia Pagani Maranhão Centro Universitário INTA
  • Betânea Moreira Moraes Universidade Estadual do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.20396/tematicas.v28i55.14159

Palavras-chave:

Estranhamento, Psicossomatização, Adoecimento, Práticas integrativas, Vulnerabilidade

Resumo

O “Estranhamento de si” é apresentado como um híbrido entre a esfera psicossomática e político-econômica, na qual o adoecimento aparece como sintoma da exploração produtiva e disciplinamento dos sujeitos. Espera-se delinear a sociogênese do processo e sua etiologia funcional ao desenvolvimento do sistema. A partir dos dados encontrados, evidencia-se a estrutura social da psicossomatização e identificam-se possibilidades de reinvenção das praxis de cuidado nas racionalidades integrativas da saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andreia Pagani Maranhão, Centro Universitário INTA

Mestra em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco. Docente do Centro Universitário INTA.

Betânea Moreira Moraes, Universidade Estadual do Ceará

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Ceará. Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual do Ceará (PPGE/UECE).

Referências

ANDRADE, João Tadeu de; COSTA, Liduina Farias Almeida da. Medicina complementar no SUS: práticas integrativas sob a luz da Antropologia médica. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 19, n. 3, p. 497-508, Set. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902010000300003&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 13 jul. 2020.

ARAUJO, José Newton. Figuras de resistência. Cad. psicol. soc. trab., São Paulo, v.17, p. 33-42, jun. 2014.

BASTOS NETO, Osvaldo. O conceito de desvio na teoria social contemporânea: Modernidade e controle. Teoria e política social, ano 1 v.1, p. 1-36.

BRASIL, Ministério da Saúde. Ministério da Saúde inclui 10 novas práticas integrativas no SUS. Agência Saúde 12 de março de 2018. Disponível em: http://www.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/42737-ministerio-da-saude-inclui-10-novas-praticas-integrativas-no-sus. Acesso em: 13 jun. 2020.

COUTINHO NETO, Oscar Bandeira. Estudo sobre cargas de trabalho e processos de desgaste das auxiliares de enfermagem em um Hospital Universitário de Pernambuco. Dissertação de Mestrado, Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública, 1998.

DESCRITORES EM CIÊNCIAS DA SAÚDE: DeCS. Transtornos psicossomáticos. São Paulo: BIREME/OPAS/OMS, 2017. Disponível em: http://decs.bvsalud.org. Acesso em: 22 jun. 2019.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1987.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da biopolítica. Curso ministrado no Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FRIAS JUNIOR, Carlos Alberto. A saúde do trabalhador no Maranhão: uma visão atual e proposta de atuação. Dissertação de Mestrado, Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública, 1999.

GUATTARI, Félix. As três ecologias. Campinas: Papirus, 1990.

GONCALVES, Mariana Alves; PORTUGAL, Francisco Teixeira. Análise histórica da Psicologia Social Comunitária no Brasil. Psicol. Soc., Belo Horizonte, v. 28, n. 3, p. 562-571, dec. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822016000300562&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 06 fev. 2020.

HAN, Byung-Chul. Sociedade do cansaço. 2ª ed. Petrópolis: Vozes, 2017.

HELMAN, Cecil. Doença versus Enfermidade na Clínica Geral. Campos. N. 10, v. 1, p. 119-128, 2009.

JOUBERT, Michel. Perturbations sociales et santé mentale. In: JOUBERT, Michel. Santé mentale, ville et violences. 3ª ed. Toulouse: Érès, 2013.

JOUBERT, Michel [Entrevista] Abrasco - Associação Brasileira de Saúde Coletiva, 22 de outubro de 2014. Disponível em: https://www.abrasco.org.br/site/eventos/simposio-brasileiro-de-saude-e-ambiente/por-uma-metacritica-que-transforme-o-mundo/7412/. Acesso em: 13 jun. 2020.

LAURELL, Asa Cristina; NORIEGA, Mariano. Processo de Produção e Saúde: trabalho e desgaste operário. São Paulo: Hucitec, 1989.

LUSTOSA, Amanda Furtado; ROSA, Lúcia Cristina. Os limites do corpo: A construção de sentidos para o corpo em crise no contexto da saúde mental. In: ADAD, Shara; BARROS JR, Francisco (Orgs). Corpografia: Multiplicidades em fusão. Fortaleza: Edições UFC, 2012.

LUZ, Madel Therezinha; BARROS, Nelson Filici. Racionalidades Médicas e Práticas integrativas em Saúde: Estudos teóricos e empíricos. Rio de Janeiro: UERJ/IMS/LAPPIS, 2012.

LUZ, Madel Therezinha. Cultura contemporânea e medicinas alternativas: novos paradigmas em saúde no fim do século XX. Physis – Revista de Saúde Coletiva, v. 15 (suplemento), p. 145-176, Rio de Janeiro, 2005.

MARX, Karl. Manuscritos econômico-filosóficos. 2ª reimp. São Paulo: Boitempo, 2008.

MARX, Karl. O Capital. Livro 1. São Paulo: Boitempo, 2011.

MASSÉ, Raymond. Culture et Santé Publique. Montréal: Gaëtan Morin,1995.

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. Lisboa: Antígona, 2014.

MENÉNDEZ, Eduardo. Modelos de atención de los padecimietos: de exclusions teóricas y aticulaciones practices. Ciência & saúde coletiva. v. 8, n. 01, p. 185-208, 2003.

MESQUITA, Ana Cláudia Mesquita; CARVALHO, Emilia. A Escuta Terapêutica como estratégia de intervenção em saúde: uma revisão integrativa. Revista da Escola de Enfermagem USP, 2014; n. 48, v. 6, p. 1127-3.

MERSKEY, Harold; BOGDUK, Nicolai. Pain Terms – A Current List with Definitions and Notes on Usage. In: MERSKEY, Harold; BOGDUK, Nicolai (Eds.). Classification of Chronic Pain. 2. ed. International Association for the Study of Pain – IASP, Task Force on Taxonomy. Seatle: IASP Press, 1994. Disponível em: https://www.iasp-pain.org/PublicationsNews/Content.aspx?ItemNumber=1673&navItemNumber=677. Acesso em: 13 jun. 2020.

NISHIDA, Silvia Mitiko. Sentindo o mundo através da somestesia – o tato. Como funciona o corpo humano, s/ ano. Disponível em: https://www2.ibb.unesp.br/Museu_Escola/2_qualidade_vida_humana/Museu2_qualidade_corpo_sensorial_somestesia1.htm. Acesso em: 13 jun. 2020.

OLIVEIRA, Regina Márcia Rangel. A abordagem das lesões por esforços repetitivos/distúrbios osteomoleculares relacionados ao trabalho - LER/DORT no Centro de Referência em Saúde do Trabalhador do Espírito Santo - CRST/ES. Dissertação de Mestrado, Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública; 2001.

PETROVIC, Gajo. Alienação. In: BOTTOMORE, Tom (Ed.). Dicionário do pensamento marxista. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

RANIERI, Jesus. Alienação e estranhamento – atualidade de Marx na crítica contemporânea do capital. In: Conferência Internacional Karl Marx y los desafios del siglo XXI, 3., 2006, Havana. Disponível em: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/cuba/if/marx/documentos/22/Alienacao%20e%20estranhamento....pdf. Acesso em: 22 jul. 2019.

SIQUEIRA, José Tadeu. Porque a dor é uma questão também de saúde pública, Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor, 2014. Disponível em: http://www.sbed.org.br/materias.php?cd_secao=74. Acesso em: 17 jun. 2018.

SOUZA, Eduardo; LUZ, Madel Therezinha. Bases socioculturais das práticas terapêuticas alternativas. História, Ciências, Saúde, v.16, n.2, Rio de Janeiro, abr.-jun. 2009.

SOUZA, Luciano Klostermann. A influência da massagem terapêutica na imagem corporal – estudo em idosos do sexo feminino. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Fisica, Universidade do Porto, 2003.

VAPIANA, Vitória Nassar; GOMES, Rogério Miranda; ALBUQUERQUE, Guilherme Souza. Adoecimento psíquico na sociedade contemporânea: notas conceituais da teoria da determinação social do processo saúde-doença. Saúde debate. Rio de Janeiro, v. 42, n. 4, p. 175-186, dec. 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-11042018000800175&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 27 jun. 2019.

Downloads

Publicado

2020-08-18

Como Citar

MARANHÃO, A. P.; MORAES, B. M. Estranhamento de si : o adoecimento como sintoma. Tematicas, Campinas, SP, v. 28, n. 55, p. 163–194, 2020. DOI: 10.20396/tematicas.v28i55.14159. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tematicas/article/view/14159. Acesso em: 4 jul. 2022.