A democracia racial no pensamento de Guerreiro Ramos

um balanço dos comentadores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/tematicas.v29i57.13921

Palavras-chave:

Democracia racial, Guerreiro Ramos, Movimento negro

Resumo

O objetivo deste artigo é o de realizar um balanço crítico das interpretações acerca do significado, do lugar e da função do conceito de democracia racial no pensamento do sociólogo Alberto Guerreiro Ramos. Partindo do levantamento crítico de alguns comentadores (Marcos Chor Maio, Antonio Sérgio Alfredo Guimarães, Muryatan Santana Barbosa e Luiz Augusto Campos), pretendemos mostrar que o conceito de democracia racial foi apropriado da intelectualidade acadêmica pelos intelectuais militantes negros dos anos de 1940 e 1950 e transformado em: a) um projeto político e social de integração das populações negras à estrutura social competitiva em emergência; e b) numa terapêutica das subjetividades colonizadas a partir da estética da negritude. Por fim, faremos uma síntese das continuidades e rupturas entre a democracia racial segundo seus intérpretes tradicionais e conforme os militantes negros dos anos de 1940 e 1950, sobretudo a partir da obra de Guerreiro Ramos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alan Caldas, Universidade Federal de São Carlos

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de São Carlos.

Nikolas Gustavo Pallisser Silva, Universidade Federal de São Carlos

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Sociologia pela Universidade Federal de São Carlos.

Referências

ABRANCHES, Aparecida Maria. Nacionalismo e democracia no pensamento de Guerreiro Ramos. Tese (Doutorado) - Curso de Doutorado em Ciência Política, Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

ANDREWS, George Reid. Visões afro-americanas sobre o Brasil, 1900-200. Revista de Ciências Sociais, v. 48, n. 2, p. 20-52, 2017.

AZEVÊDO, Ariston. A sociologia antropocêntrica de Alberto Guerreiro Ramos. 2006. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

BARBOSA, Muryatan Santana. Guerreiro Ramos e o personalismo negro. Dissertação (Mestrado) – Sociologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

BARBOSA, Muryatan Santana. O TEN e a negritude francófona no Brasil: recepção e inovações. Revista brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 28, n. 81, p. 171-184, fev. 2013.

BARIANI JR., Edison. Guerreiro e a redenção sociológica: capitalismo e sociologia no Brasil. São Paulo: Editora da Unesp, 2011.

CAMPOS, Luiz Augusto. “O negro é povo no Brasil”: afirmação da negritude e democracia racial em Alberto Guerreiros Ramos (1948-1955). Caderno CRH, Salvador, v. 28, n. 73, p. 91-110, abr. 2015.

CAMPOS, Maria José. Versões modernistas do mito da democracia racial em movimento: estudo sobre as trajetórias e as obras de Menotti Del Piccha e Cassiano Ricardo. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, São Paulo, 2007.

COSTA, Sérgio. Dois Atlânticos: teoria social, anti-racismo e cosmopolitismo. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2006.

FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes: volume 1. São Paulo: Ática, 1978.

GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo. Democracia racial: o ideal, o pacto e o mito. Novos Estudos Cebrap, São Paulo, n. 61, p. 147-162, 2001.

GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo. Intelectuais negros e modernidade no Brasil. Oxford: Centre for Brazilian Studies; University of Oxford, 2003.

GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo. Intelectuais negros e formas de integração nacional. Estudos Avançados, v. 18, n. 50, p. 271-284, 2004.

GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo. Racismo e antirracismo no Brasil. São Paulo: Editora 34, 2009.

HECKSHER, Mário Henrique. Guerreiro Ramos: sociólogo da sociologia nacional (um diálogo com Florestan Fernandes). Tese (Doutorado) - Curso de Serviço Social, Programa de Pós-Graduação em Serviço Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004.

LOPES, Thiago da Costa. Sociologia e puericultura no pensamento de Guerreiro Ramos: diálogos com a escola de Chicago (1943-1948). Dissertação (Mestrado) - Curso de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde, Fiocruz, Rio de Janeiro, 2012.

LYNCH, Christian Edward Cyril. Teoria pós-colonial e pensamento brasileiro na obra de Guerreiro Ramos: o pensamento sociológico (1953-1955). Caderno CRH, Salvador, v. 28, n. 73, p. 27-45, abr. 2015.

MACEDO, Márcio José de. Abdias do Nascimento: A trajetória de um negro revoltado (1914-1968). Dissertação (Mestrado) – Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, São Paulo, 2005.

MAIO, Marcos Chor. A questão racial no pensamento de Guerreiro Ramos. In: MAIO, Marcos Chor; SANTOS, Ricardo Ventura (orgs.). Raça, ciência e sociedade. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ; CCBB, 1996, p. 179-193.

MARTINS, Tatiana Gomes. Florestan Fernandes e Guerreiro Ramos: para além de um debate. Tese (Doutorado) - Sociologia, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

OLIVEIRA, Lucia Lippi. A sociologia do Guerreiro. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1995.

QUILOMBO: Vida, problema e aspirações do negro. Rio de Janeiro, v. 1, n. 3, jun. 1949.

QUILOMBO: Vida, problema e aspirações do negro. Rio de Janeiro, v. 2, n. 9, maio 1950.

RAMOS, Alberto Guerreiro. Uma opinião: mais sociologia e menos política. A Manhã. Rio de Janeiro, pp. 3-6. 17 jun. 1945.

RAMOS, Alberto Guerreiro. Imigração e preconceito. A Manhã, Rio de Janeiro, p. 2, jul. 1948.

RAMOS, Alberto Guerreiro. Uma experiência de grupoterapia. Quilombo: vida, problemas e aspirações do negro, Rio de Janeiro, v. 1, n. 4, p. 7, jul. 1949.

RAMOS, Alberto Guerreiro. Apresentação do grupo-terapia. Quilombo: vida, problemas e aspirações do negro, Rio de Janeiro, v. 1, n. 5, p. 6, jan. 1950a.

RAMOS, Alberto Guerreiro. Apresentação da negritude. Quilombo: vida, problemas e aspirações do negro, Rio de Janeiro, v. 2, n. 10, jun./jul. 1950b.

RAMOS, Alberto Guerreiro. Teoria e prática do psicodrama. Quilombo: vida, problemas e aspirações do negro, Rio de Janeiro, v. 1, n. 6, p. 6-7, fev. 1950c.

RAMOS, Alberto Guerreiro. Notícia sôbre o I Congresso do negro brasileiro. A Manhã, Rio de Janeiro, p. 2, 1 out. 1950d.

RAMOS, Alberto Guerreiro. Os estudos sôbre o negro brasileiro. A Manhã, Rio de Janeiro, p. 1-2. 10 dez. 1950e.

RAMOS, Alberto Guerreiro. Cartilha brasileira do aprendiz de sociólogo: prefácio a uma sociologia nacional. Rio de Janeiro: Editorial Andes, 1954.

RAMOS, Alberto Guerreiro. Introdução crítica à sociologia brasileira. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 1995.

RAMOS, Alberto Guerreiro. A redução sociológica. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1996.

SILVA, Isabela Oliveira Pereira da. De Chicago a São Paulo: Donald Pierson no mapa das ciências sociais (1930-1950). Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

SHIOTA, Ricardo Ramos. Os pressupostos do debate intelectual entre Florestan Fernandes e Guerreiro Ramos: duas versões de teoria crítica da sociedade brasileira? Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2010.

VIANNA, Luiz Werneck. Americanistas e iberistas: a polêmica de Oliveira Vianna com Tavares Bastos. Dados: Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 34, n. 2, p.145-149, 1991.

VILLAS BÔAS, Glaucia K. A recepção da sociologia alemã no Brasil. Rio de Janeiro: Topbooks, 2006.

Downloads

Publicado

2021-06-25

Como Citar

CALDAS, A.; SILVA, N. G. P. A democracia racial no pensamento de Guerreiro Ramos: um balanço dos comentadores. Tematicas, Campinas, SP, v. 29, n. 57, p. 88–116, 2021. DOI: 10.20396/tematicas.v29i57.13921. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tematicas/article/view/13921. Acesso em: 21 maio. 2022.