Banner Portal
Pensamento negro em debate
PDF

Palavras-chave

Raça
Negritude
Ronilso Pacheco
Emicida
Pensamento político

Como Citar

SOUZA, G. D. F. de; SILVA, T. C. da . Pensamento negro em debate: as ideias de Ronilso Pacheco e de Emicida. Tematicas, Campinas, SP, v. 29, n. 57, p. 183–207, 2021. DOI: 10.20396/tematicas.v29i57.13813. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tematicas/article/view/13813. Acesso em: 1 mar. 2024.

Resumo

O artigo tem como objetivo identificar se as ideias do pastor Ronilso Pacheco e do rapper Emicida dialogam com as chaves interpretativas do pensamento social negro. Para tal, serão mobilizados livros do pastor, assim como entrevistas concedidas por Emicida ao jornal Le Monde Diplomatique Brasil em 2018 e ao programa “Roda Viva”, da TV Cultura, em 27 de julho de 2020, buscando identificar a relação que ambos estabelecem com o pensamento negro brasileiro e suas reflexões sobre o Brasil contemporâneo. Quanto à metodologia adotada, serão realizadas discussões bibliográficas nos dois segmentos iniciais do trabalho, além de uma análise de discurso para as entrevistas de Emicida. Com isso, visa-se destacar novos horizontes de interpretação da realidade, contribuindo para a formulação de diferentes possibilidades analíticas e investigativas sobre a sociedade brasileira, fazendo emergir e ressoar as vozes de sujeitos historicamente invisibilizados e marginalizados pelas narrativas oficiais e hegemônicas. Procuramos demonstrar as interlocuções entre os autores selecionados e o fazer social, entendendo a necessidade de “enegrecer” as políticas públicas e de pautar a compreensão do mundo social a partir de perspectivas descolonizadas e fundadas na e a partir da experiência negra.

https://doi.org/10.20396/tematicas.v29i57.13813
PDF

Referências

ALMEIDA, Sílvio. Racismo Estrutural. São Paulo: Pólen Livros, 2019.

BRANDÃO, Gildo Marçal. Linhagens do pensamento político brasileiro. Dados, v. 48, n.2, p. 231-269, 2005.

CARNEIRO, Sueli. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

BERNARDINO-COSTA, Joaze; GROSFOGUEL, Ramón. Decolonialidade e perspectiva negra. Sociedade e Estado, v.31, n.1, p. 15-24, 2016.

BOTELHO, André. Intérpretes do Brasil, nosso antepassados? In: RICUPERO, Bernardo. Sete lições sobre as interpretações do Brasil. São Paulo: Alameda, 2007, p. 7-19.

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

DOMINGUES, Petrônio. Cultura popular: as construções de um conceito na produção historiográfica. História, v. 30, n.2, p. 401-419, 2011.

EMICIDA. Vídeo (1h 35min 49seg). Roda Viva | Emicida | 27/07/2020. Publicado pelo canal Roda Viva, 2020. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=pDV3SGzV3m4. Acesso em: 07 ago. 2020.

EMICIDA. Vídeo (22min e 42seg). Emicida: Livre, emocional e selvagem | Entrevista completa. Publicado pelo canal Le Monde Diplomatique Brasil, 2018. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=Wk2TE2Yvjlk. Acesso em: 07 ago. 2020.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e Mudança Social. 2. ed. Brasília: Editora UnB, 2019.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

GILROY, Paul. O Atlântico negro: modernidade e dupla consciência. Rio de Janeiro: Universidade Cândido Mendes, Centro de Estudos Afro-Asiáticos, 2001.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação - episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

MARIANO, Ricardo. Neopentecostais: Sociologia do Novo Pentecostalismo no Brasil. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. São Paulo: n-1 edições, 2018a.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. São Paulo: n-1 edições, 2018b.

MOURA, Clóvis. Dialética radical do Brasil Negro. São Paulo: Editora Anita, 1994.

MOURA, Clóvis. Brasil: raízes do protesto negro. São Paulo: Global Ed., 1983.

NASCIMENTO, Abdias do. O Quilombismo: Documentos de uma militância Pan-Africanista. Rio de Janeiro: Perspectiva, 2019.

PACHECO, Ronilso. A Teologia Negra no Brasil é decolonial e marginal. Cross Currents, v. 67, p. 233-242, 2017.

PACHECO, Ronilso. Profetismo: Utopia & Insurgência. São Paulo: Recriar, 2019.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

RAMOS, Alberto Guerreiro. O problema do negro na sociologia brasileira. Transcrito de Cadernos de Nosso Tempo, v. 2, n. 2, p. 189-220, 1954.

RAMOS, Alberto Guerreiro. O problema nacional do Brasil. Rio de Janeiro: Ed. Saga, 1960.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record, 2015.

SINGER, André. O Lulismo em Crise: Um quebra-cabeça do período Dilma (2011-2016). São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

SPIVAK, Gayatri. Pode o subalterno falar?. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Gabriel Delphino Fernandes de Souza, Thiago Campos da Silva

Downloads

Não há dados estatísticos.