Soldados privados na América Latina

operações e recrutamento

Autores

  • Marianna Braghini Deus Deu Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/tematicas.v28i56.13179

Palavras-chave:

Globalização, Desenvolvimento Capitalista, Empresas Militares Privadas, Contractors, América Latina

Resumo

O avanço do neoliberalismo trouxe consigo tendências de racionalização das atividades empresariais, tipicamente pós-fordistas, manifestas no setor de Defesa, denominadas enquanto outsourcing militar, em que a busca por empresas militares e de segurança privadas para suporte à operações militares foi consolidada no mundo ocidental no reordenamento de aparatos bélicos estatais. A proposta do presente artigo é analisar o impacto deste outsourcing militar na América Latina e Central, onde empresas do setor se enraizaram a partir da década de 1990 e até os dias atuais encontram oportunidades de trabalho diversas, além de uma base local de mão de obra. O artigo conta com três sessões principais. Primeiramente, apresenta as condições que impulsionaram a reconfiguração estratégica dos aparatos militares com esta espécie de “terceirização” das atividades de forças armadas nacionais. A segunda seção tece comentários acerca destes agentes corporativos no cenário de segurança internacional. A terceira seção é dedicada a evidenciar os aspectos que possibilitaram a proliferação destas empresas na América Latina e Central, descrevendo as principais atividades conduzidas no continente nos anos 2000, utilizando, para tal, documentos do órgão da ONU responsável pelo monitoramento de empresas do setor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marianna Braghini Deus Deu, Universidade Estadual de Campinas

Mestranda em Desenvolvimento Econômico no Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas.

Referências

AVANT, Deborah; NEVERS, Renée. Military Contractors & the American Way of War. Daedalus. v. 140: 3. p.88-99. 2011.

BACEVICH, Andrew J. Gunboats and Gurkhas. In: American Empire: the realities and consequences of U.S. diplomacy. Massachusetts: Harvard University Press; 2002. p. 141-166.

BRUYÈRE-OSTELLS, Walter. História dos Mercenários: de 1789 aos nossos dias. São Paulo: Contexto, 2012.

DEL PRADO, José Gomez L. Mercenaries, private military and security companies and international law. ONU, 2008.

ESCUDÉ, Carlos. Mercenarios del fin del milenio: Estados Unidos, Europa y la proliferación de servicios militares privados. Editora: Universidad del Belgrano. Buenos Aires, 1999.

FALLAH, Katherine. Corporate actors: the legal status of mercenaries in armed conflict. International Review of the Red Cross, v. 88, n. 863, p. 599-611. 2006.

KING, Anthony. The Post Fordist Military. Journal of Political and Military Sociology, v. 34, n. 2, p. 359-374, 2006.

KLEIN, Naomy. A Doutrina do Choque: A ascensão do capitalismo de desastre. Tradução Vania Cury. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

LEVY, Yagil. The Essence of the “Market Army”. Public Administration Review, v. 70, n. 3, p. 378-389, 2010.

ONU. Assembleia Geral das Nações Unidas. Report of the Working Group on the use of mercenaries as a means of violating human rights and impeding the exercise of the right of peoples to self-determination: Mission to Chile. Human Rights Council, Seventh Session. 2007a. Disponível em: https://undocs.org/A/HRC/7/7/Add.4. Acesso em: 01/10/2019.

ONU. Assembleia Geral das Nações Unidas. Report of the Working Group on the use of mercenaries as a means of violating human rights and impeding the exercise of the right of peoples to self-determination: Mission to Ecuador. Human Rights Council, Fourth Session. 2007b. Disponível em: https://undocs.org/A/HRC/4/42/Add.2. Acesso: 01/10/2019.

ONU. Assembleia Geral das Nações Unidas. Report of the Working Group on the use of mercenaries as a means of violating human rights and impeding the exercise of the right of peoples to self-determination: Mission to Honduras. Human Rights Council, Fourth Session. 2007c. Disponível em: https://undocs.org/A/HRC/4/42/Add.1. Acesso: 01/10/2019.

ONU. Assembleia Geral das Nações Unidas. Report of the Working Group on the use of mercenaries as a means of violating human rights and impeding the exercise of the right of peoples to self-determination: Mission to Peru. Human Rights Council, Seventh Session. 2007d. Disponível em: https://undocs.org/A/HRC/7/7/Add.2. Acesso: 01/10/2019.

PELTON, Robert Young. Licensed to Kill: Hired Guns in the War on Terror. Editora: Broadway Books. Nova York, 2007.

SCAHILL, Jeremy. Blackwater: A ascensão do exército mercenário mais poderoso do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

SINGER, Peter Warren. Corporate warriors: The rise of the privatized military industry. Editora: Cornell University Press. Nova York, 2011.

Downloads

Publicado

2020-12-13

Como Citar

DEU, M. B. D. Soldados privados na América Latina: operações e recrutamento. Tematicas, Campinas, SP, v. 28, n. 56, p. 281–308, 2020. DOI: 10.20396/tematicas.v28i56.13179. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tematicas/article/view/13179. Acesso em: 14 jun. 2021.