Temos um jeito de se viver aqui

a identificação quilombola pelas crianças abacataenses

Autores

  • Maria do Socorro Rayol Amoras Universidade Federal do Pará

DOI:

https://doi.org/10.20396/tematicas.v26i51.11617

Palavras-chave:

Antropologia da criança, Infância, Quilombola, Identidade, Etnografia

Resumo

Este artigo discute a identificação quilombola dos abacataenses a partir da etnografia sobre/com as crianças. Abacatal é uma comunidade quilombola localizada na área rural de Ananindeua, município integrante da região metropolitana de Belém-PA, remonta ao início do século XVIII com o projeto escravocrata de africanos na colonização da Amazônia. A metodologia orientou-se pelos estudos contemporâneos da antropologia da criança para compreendê-las como como agentes da construção e determinação de sua vida social, daqueles que as rodeiam e, bem como, da sociedade na qual vivem. Nesse sentido, as crianças influenciam e são influenciadas pela cultura, logo, tanto quanto os adultos participam da produção de sentidos e significados, imprimindo-lhes uma dinâmica nas relações entre estabilidade e mudança em Abacatal. O estudo possibilitou compreender a contribuição criativa das crianças abacataenses para o repensar dos esquemas convencionais que envolvem as experiências infantis com as referências e os processos identitários e, no caso de Abacatal, particularmente, evidenciou a participação ativa delas na luta pelo território.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria do Socorro Rayol Amoras, Universidade Federal do Pará

Antropóloga e professora efetiva do curso de Serviço Social pela Universidade Federal do Pará.

Referências

ACEVEDO, R. M.; CASTRO, E. No caminho de pedras do Abacatal:experiência social de grupos negros no Pará. Belém: NAEA/UFPA, 2004.

ALMEIDA, A. W. B. Antropologia dos arquivos da Amazônia. Rio de Janeiro: Casa 8/ Fundação Universidade da Amazônia, 2008.

ALMEIDA, A. W. B. Os quilombos e as novas etnias. In: O’DWYER, E. C. (Org.). Quilombos: identidade étnica e territorialidade. Rio de Janeiro: FGV, 2002.

AMADOR DE DEUS, Z. Herdeiros de Ananse: movimento negro, ações afirmativas, cotas para negros. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Pará. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, área de Antropologia. Belém-PA, 2008.

AMORAS, M. R. “No Abacatal (também), uma Flor”: um estudo antropológico sobre a relação criança & trabalho. Belém-PA, 2014. Tese (doutorado em Antropologia). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia – PPGSA, Universidade Federal do Pará-UFPA.

Downloads

Publicado

2018-10-09

Como Citar

AMORAS, M. do S. R. Temos um jeito de se viver aqui: a identificação quilombola pelas crianças abacataenses. Tematicas, Campinas, SP, v. 26, n. 51, p. 53–86, 2018. DOI: 10.20396/tematicas.v26i51.11617. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tematicas/article/view/11617. Acesso em: 25 jan. 2022.