Negros degenerados, índios não civilizados

cientificismo e sociedade amazônica na obra Motins Políticos

Autores

  • Luciano Demetrius Barbosa Lima Universidade Federal do Pará

DOI:

https://doi.org/10.20396/tematicas.v20i39.11541

Palavras-chave:

Amazônia, Cabanagem, Cientificismo

Resumo

Este artigo pretende analisar as referências sobre populações negras e indígenas na narrativa intitulada Motins Políticos ou história dos principais acontecimentos políticos na Província do Pará desde o ano de 1821 até 1835. Elaborado em finais do século XIX pelo historiador e político Domingos Antônio Raiol (Barão de Guajará), esse estudo caracterizado pela descrição de uma série de conflitos políticos e sociais ocorridos no Grão-Pará, entre as décadas de 1820 e 1830, e transformado, ao longo do século XX, em fonte central para a história da Cabanagem, também foi marcado por inúmeras referências cientificistas direcionadas aos índios e negros. Ao analisar essas percepções, valorizadoras de concepções raciais e civilizatórias, esse estudo objetiva adentrar em um caminho pouco conhecido e instigante do presente livro e do pensamento de seu autor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciano Demetrius Barbosa Lima, Universidade Federal do Pará

Mestrando em História Social da Amazônia pela Universidade Federal do Pará.

Referências

AQUINO, R. S. L. (et ali).Sociedade Brasileira: uma história através dos movimentos sociais da crise do escravismo ao apogeu do neoliberalismo. Rio de Janeiro: Record, 1999.

AZEVEDO, C. M. M.Onda negra medo branco: o negro no imaginário das elites século XIX. 3ª Edição. São Paulo: Annablume, 2004.

BASTOS, A. C. T. O Valle do Amazonas: Estudo sobre a livre navegação do Amazonas, estatísticas, producções, commercio, questões fiscaes do valle do Amazonas. Rio de Janeiro: B. L. Garnier, 1866. p. 293.

BRASIL, T. P. S. Compendio elementar de geographia geral do Brasil. 4ª ed. Rio de Janeiro: H. Laemmert. 1864.

BROCA, B. Românticos, pré-românticos, ultra-românticos: vida literária e romantismo brasileiro. São Paulo: Polis, 1979.

BROCA, B. Machado de Assis e a Política: mais outros estudos. São Paulo: Polis, Brasília: INL, Fundação Pró-Memória, 1983.

CUNHA, M. C. (Org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

DELAGE, Y. GOLDSMITH, M. As teorias da evolução. Trad. Armando Cortesão. Lisboa: Tipografia A Editora Limitada, 1909.

DIAS, M. O. L. S. A interiorização da metrópole e outros estudos. São Paulo: Alameda, 2005.

ELIAS, N. O Processo civilizador. Trad. Ruy Jungmann. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.

HECKEL, E. Maravilhas da vida. Trad. João de Meyra. Porto: Livraria Chardron, de Lello & Irmão. 1910. p. 83.

KAORI, K. Os Índios no Império do Brasil: a etnografia do IHGB entre as décadas de 1840 e 1860. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ; São Paulo: EDUSP, 2009.

KOTHE, F. R. O cânone imperial. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2000.

MOISÉS, M. Dicionário de termos literários. São Paulo: Cultrix, 2004.

MALLATO, H. A explicação científica. IN: CARVALHO, M. C. M. (Org.). Construindoosaber– metodologia científica, fundamentosetécnicas. 18ed. Campinas (SP): Papirus, 2007.

NAXARA, M. R. C. Cientificismo e Sensibilidade Romântica: em busca de um sentido explicativo para o Brasil no século XIX. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2004.

NEEDELL, J. Belle époque tropical: sociedade e cultura de elite no Rio de Janeiro na virada do século. Trad. Celso Nogueira. São Paulo: Cia das Letras, 1993.

NETO, E. F. História e Etnia. IN: CARDOSO, C. F. C. & VAINFAS, R. (Orgs.), Domínios da História: ensaios de teoria e metodologia. Rio de janeiro: Elsevier, 1997.

ORTIZ, R. Cultura brasileira e identidade nacional. São Paulo: Brasiliense, 1985.

RAIOL, D. A. Motins Políticos ou História dos Principais Acontecimentos Políticos na Província do Pará desde o ano de 1821 até 1835. 2ª Ed. Coleção Amazônica, Série José Veríssimo, Belém, Universidade Federal do Pará, 1970a. Original em 5 v. 1865-1890.

RAIOL, D. A. Obras de Domingos Antônio Raiol – Barão de Guajará. Belém, GRAFISA. 1970b.

REIS, J. C. As identidades do Brasil: de Varnhagen a FHC. 2ª ed. Rio de Janeiro. Editora FGV, 1999.

Revista do instituto historico e geographico do Brazil. Rio de Janeiro: Typ. Universal de Laemmert. 1856.

RICCI, M. História amotinada: memórias da cabanagem. Cadernos do CFCH, v. 12, n. 1-2. Belém: 1993, pp. 13-28.

RICCI, M. O Império Lê a Colônia: Um Barão e a história da civilização na Amazônia. In: BEZERRA NETO, J. M. & GUZMÁN, D. A. (Orgs.). Terra Matura: historiografia e história social na Amazônia. Belém: Paka-Tatu, 2002.

ROMERO, S. História da literatura brasileira. 7ª Ed. Vol. I. Rio de Janeiro: José Olímpio, 1980.

SANTOS, G. A. A invenção do ser negro: um percurso das idéias que naturalizaram a inferioridade dos negros. São Paulo/Rio de Janeiro:. Pallas/EDUC/Fapesp, 2001.

SCHWARCZ, L. K. M. O Espetáculo das raças. Cientistas, instituições e questão racial no Brasil, 1870-1930. São Paulo, Companhia das Letras. 1993.

SCHWARCZ, L. K. M. As barbas do imperador: D. Pedro II, um monarca nos trópicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

SCHULZ, J. O exército na política: origens da intervenção militar 1850-1894. São Paulo: EDUSP, 1994. p. 98.

SILVA, J. M. P. Historia da fundação do imperio brazileiro. Tomo II, Rio de janeiro: B. L. Garnier Editor. 1865.

VAINFAS, R. (Org.). Dicionário do Brasil imperial. Rio de Janeiro: Objetiva, 2002.

VARNHAGEN, F. A. Historia geral do Brazil. Tomo II, Rio de Janeiro: H. Laemmert. 1857.

VENTURA, R. Estilo Tropical: história cultural e polêmicas literárias no Brasil, 1870-1914. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

Downloads

Publicado

2012-07-31

Como Citar

LIMA, L. D. B. Negros degenerados, índios não civilizados: cientificismo e sociedade amazônica na obra Motins Políticos. Tematicas, Campinas, SP, v. 20, n. 39, p. 31–62, 2012. DOI: 10.20396/tematicas.v20i39.11541. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tematicas/article/view/11541. Acesso em: 23 maio. 2022.