Guerreiro Ramos e a questão racial no Brasil

Autores

  • Ricardo Ramos Shiota Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/tematicas.v22i43.11417

Palavras-chave:

Questão racial, Preconceito de cor, Questão nacional, Pensamento social, Sociologia brasileira

Resumo

No início de sua trajetória de pesquisas sobre o Brasil, Guerreiro Ramos reconhece a especificidade da questão racial.  Desenvolve uma percepção e atividade crítica sobre ela no Brasil. Ao recusar as teorias raciais vigentes, pois estas, segundo ele, lidavam com pessoas, agentes sociais e não meros “objetos” do conhecimento, ele constrói uma visão emancipatória, voltada para a realização de uma democracia racial efetiva, autêntica e preocupada com a emancipação econômica nacional, quando ainda estava em disputa a internacionalização da economia brasileira nos anos 1950. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Ramos Shiota, Universidade Estadual de Campinas

Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Estadual de Campinas.

Referências

AZEVEDO, Ariston. A sociologia antropocêntrica de Alberto Guerreiro Ramos. Tese (Doutorado em sociologia política). Florianópolis, UFSC, 2006.

BARBOSA, Muryatan Satana. Guerreiro Ramos: O personalismo negro. Tempo Social, revista de sociologia da USP, v. 18, n. 2.

BARIANI Jr., Edson. Guerreiro Ramos e a redenção sociológica: Capitalismo e sociologia no Brasil. Tese (Doutorado em sociologia). Araraquara: UNESP FCLAR, 2008.

GUIMARAES, Antonio Sérgio Alfredo; MACEDO, Márcio. Diário Trabalhista e democracia racial negra dos anos 1940. Dados. 2008, vol. 51, n. 1, p. 143182.

GUIMARAES, Antônio Sérgio Alfredo. Preconceito de cor e racismo no Brasil. Rev. Antropol. 2004, vol.47, n. 1, p. 943.

IANNI, Octávio. Florestan Fernandes e a formação da sociologia brasileira. In:_____. Florestan Fernandes: sociologia crítica e militante. São Paulo: Expressão Popular, 2004. p. 15-76.

MAIO, Marcos Chor. A história do Projeto Unesco. Estudos raciais e ciências sociais no Brasil. Tese (Doutorado em Ciência Política). IUPERJ: Rio de Janeiro, 1997. p. 345.

MAIA, João Marcelo E. Reputações à brasileira: o caso de Guerreiro Ramos. Sociologia&Antropologia |v. 02.04: 265 –291, 2012.

MAIA, João Marcelo E. Pensamento brasileiro e teoria social. Notas para uma agenda de pesquisa. RBCS Vol. 24 n. 71 outubro/2009.

MAUÊS, Maria Angélica da Matta. Entre o branquemento e a negritude. O TEN e o debate da questão racial. In: MULLER, Ricardo Gaspar (Org.) Dionysos. Brasília: Imprensa Nacional/Minc, 1989.

MULLER, Ricardo Gaspar (Org.). Identidade e cidadania: O teatro experimental do negro. In:____. (org.) Dionysos. Brasília: Imprensa Nacional/Minc, 1989.

MUNANGA, Kabengele. Negritude. Usos e sentidos. São Paulo: Ática, 1986.

NASCIMENTO, Abdias do. Teatro experimental do negro: trajetória e reflexões. Estud. av. 2004, vol. 18, n. 50.

NASCIMENTO, Abdias do. Quilombo: Edição em fac-símile do jornal dirigido por Abdias do Nascimento. São Paulo: Editora 34, 2003.

NASCIMENTO, Abdias do. Quilombismo. Petrópolis: Editora Vozes, 1980.

NASCIMENTO, Abdias do. Cristo negro: atentado à religião católica. In:____. Quilombismo. Petrópolis: editora Vozes, 1980.

NASCIMENTO, Abdias do. O negro revoltado. Rio de Janeiro: Edições GRD, 1968.

NASCIMENTO, Abdias do. Et al. Relações de raça no Brasil. Rio de Janeiro: Edições Quilombo, 1950.

OLIVEIRA, Lúcia Lippi. A sociologia do Guerreiro. Rio de Janeiro: UFRJ, 1995.

RAMOS, Alberto Guerreiro; GARCIA, Everaldo da Silva. Notícia sobre as pesquisas e os estudos sociológicos no Brasil (1940-1949). Rio de Janeiro: Conselho de Imigração e Colonização, 1949.

RAMOS, Alberto Guerreiro. Uma experiência de grupoterapia. In: NASCIMENTO, Abdias et al (Org.) Relações de raça no Brasil. Rio de Janeiro: Edições Quilombo, 1950. p. 2126.

RAMOS, Alberto Guerreiro. O negro no Brasil e um exame de consciência. In: NASCIMENTO, Abdias et al (org.) Relações de raça no Brasil. Rio de Janeiro: Edições Quilombo, 1950. p. 33-46.

RAMOS, Alberto Guerreiro. O museu como sucedâneo da violência. In: NASCIMENTO, Abdias et al (org.) Relações de raça no Brasil. Rio de Janeiro: Edições Quilombo, 1950. p. 47-50.

RAMOS, Alberto. Guerreiro. O processo da sociologia no Brasil. Esquema de uma história das ideias. Rio de Janeiro, 1953.

RAMOS, Alberto. Um herói da negritude [1952]. In: NASCIMENTO, Abdias (Org.) Teatro experimental do negro. Testemunhos. Rio de Janeiro: Edições GRD, 1966. p. 104106.

RAMOS, Alberto. O negro desde dentro [1955]. In: NASCIMENTO, Abdias (org.) Teatro experimental do negro. Testemunhos. Rio de Janeiro: Edições GRD, 1966. p. 128135.

RAMOS, Alberto. A UNESCO e as relações de raça. In: NASCIMENTO, Abdias. O negro revoltado. Rio de Janeiro: Edições GRD, 1968. p. 153-159.

RAMOS, Alberto. Introdução crítica à sociologia brasileira. Rio de Janeiro: Editorial Andes Ltda, 1957.

RAMOS, Alberto. A redução sociológica. Introdução ao estudo da razão sociológica. 2 ed. Rio de Janeiro: Edições Tempo Brasileiro Ltda, 1965.

SCHWARTZMAN, Simon. Simpósio Guerreiro Ramos: Resgatando uma obra. In: Revista de Administração Pública, RJ, 17 (2), 1983, p. 3034.

SCHWARTZMAN, Simon (sel. e introd.). O pensamento nacionalista e os “Cadernos de Nosso Tempo”. Brasília: UNB/Câmara dos Deputados, 1979. (Biblioteca do pensamento político republicano).

TOLEDO, Caio Navarro. Iseb: Fábrica de ideologias. 2ed. São Paulo: Ática,1982.

ZAHAR, Renate. Colonialismo e alienação: Contribuição para a teoria política de Frantz Fanon. Lisboa: Terceiro mundo e revolução, 1976.

Downloads

Publicado

2014-07-31

Como Citar

SHIOTA, R. R. Guerreiro Ramos e a questão racial no Brasil. Tematicas, Campinas, SP, v. 22, n. 43, p. 73–102, 2014. DOI: 10.20396/tematicas.v22i43.11417. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tematicas/article/view/11417. Acesso em: 6 dez. 2022.