Banner Portal
Relações familiares, gênero e o grande contrário
PDF

Palavras-chave

Conflito
Estigma
Redes de poder
Performatividade
Massas

Como Citar

SECHINATO, Juliana Spagnol; SEGA, Rodrigo Fessel. Relações familiares, gênero e o grande contrário: tonalidades totalitárias no Brasil da crise. Tematicas, Campinas, SP, v. 24, n. 47, p. 201–222, 2016. DOI: 10.20396/tematicas.v24i47/48.11121. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tematicas/article/view/11121. Acesso em: 18 jun. 2024.

Resumo

O recente processo deimpeachmentda presidenta Dilma Rousseff e a tomada presidencial de Michel Temer, em 2016, não foi consenso entre os brasileiros. Participando cotidianamente do debate político marcado por forte estigmatizações sociais, por vezes, tratávamos e tratamos o outro como um rival. Neste ambiente polarizado, muitas vezes, a estratégia dos sujeitos foi de ridicularizar, excluir e/ou negar o outro. Nesse sentido, este artigo é um esforço em compreender este período de atropelamentos políticos que estamos vivenciando e sentindo no cotidiano quando dentro da família temos que conviver com um “grande contrário” em tempos de crise; em revelar um conflito latente com aqueles que amamos e que esse cenário de crise não poupou. Partimos de experiências e dos relatos cotidianos para entender essas tensões políticas com tonalidades autoritárias que se acomodaram no ambiente familiar quando hostilidade e amor, enfim, se confundiram. Destacamos, ainda, as assimetrias de gênero no seio e no conflito familiar em que os estereótipos emergem do conflito político, para pensar como a negação do outro, ao mesmo tempo em que pode representar o salvamento de si, não o faz sem causar sofrimento no deslocamento e na suspensão destatus na cédula familiar.

https://doi.org/10.20396/tematicas.v24i47/48.11121
PDF

Referências

ARENDT, Hannah. Origens do totalitarismo. São Paulo Companhia das Letras, 2013.

BUTLER, J. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do sexo. In: LOURO, G. L. (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2001, p. 151-172.

BUTLER, Judith. Quadros de guerra:quando a vida é passível de luto. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: a vontade de saber. 13ª ed., Rio de Janeiro: Edições Graal, 1993.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

GABACCIA, Donna. Seeking Common Ground: multidisciplinary studies of immigrant women in the United States. Westport, Connecticut/London: Praeger. 1992.

GOFFMAN, Erving. ESTIGMA:notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Trad. Mathias Lanbert. Versão digitalizada: 2004.

HIRATA, Helena; KERGOAT, Danièle. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 132, p. 595-609, 2007.

MOROKVASIC, M.; EREL, U.; SHINOZAKI, K. (Ed.) Crossing Borders and shifting boundaries. Vol I, Gender on the move. Opladen: Springer, 2003.

PEDRO, Joana Maria. Traduzindo o debate:o uso da categoria gênero na pesquisa histórica. História, v. 24, n. 1, p. 77-98, 2005.

SCOTT, Joan W. Gênero: Uma Categoria Útil para a Análise Histórica. São Paulo: Columbia University Press, n 4, 1989.

SOUZA, Érica R. de. Construindo “masculinidades femininas”: educação, corpo e violência na pré-adolescência. In: ALMEIDA, H.B., Costa, R. G., Ramirez, M.C. e Souza, E. (Org.) Gênero em Matizes. Bragança Paulista: EDUSF, 2002.

THORNE, Barrie. Feminist rethinking of the family: An overview. In: THORNE, Barrie; YALOM, Marilyn. Rethinking the family: Some feminist questions. New York: Longman, 1982, p. 1-24.

VALE DE ALMEIDA, Miguel. Senhores de Si.Uma Interpretação Antropológica da Masculinidade. Lisboa: Fim de Século. 1995.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2016 Juliana Spagnol Sechinato, Rodrigo Fessel Sega

Downloads

Não há dados estatísticos.