Banner Portal
Italianidade como diferença
PDF

Palavras-chave

Italianidade
Identidade/diferença
Colonialidade
Eurocentrismo
Toledo
Paraná

Como Citar

BAO, Carlos Eduardo. Italianidade como diferença: identidade étnica, colonialidade e imaginário eurocêntrico. Tematicas, Campinas, SP, v. 23, n. 45, p. 209–230, 2015. DOI: 10.20396/tematicas.v23i45/46.11107. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tematicas/article/view/11107. Acesso em: 24 jun. 2024.

Resumo

O texto apresenta reflexões em torno da italianidade, com circunscrição empírica na cidade de Toledo, Paraná. O objetivo central consiste em evidenciar aspectos do imaginário eurocêntrico que lastreiam essa identidade étnica. Por meio das narrativas de sujeitos e da análise na perspectiva da colonialidade do poder, procurei revelar a relação entre a construção de uma identidade supostamente superior, a partir do estereótipo do Outro, e a invenção de uma etnicidade vinculada a fundamentos do imaginário Ocidental. Revelando, assim, o lado túrbido da italianidade.



https://doi.org/10.20396/tematicas.v23i45/46.11107
PDF

Referências

ALBUQUERQUE JÚNIOR, D. M. de. A invenção do Nordeste e outras artes.São Paulo, SP: Cortes, 1999.

BAO, C. E. Fronteiras da “italianidade”: representações entre gerações na cidade de Toledo/PR (1990-2014). Dissertação de Mestrado – PPG em Sociologia Política, UFSC, Florianópolis, SC: 2014.

BARBUJANI, Guido. A invenção das raças. São Paulo, SP: Contexto, 2007.

BARTH, F. Grupos étnicos e Suas Fronteiras. In POUTIGNAT, p.; STREIFF-FENART, J. Teorias da Etnicidade. São Paulo, SP: UNESP, 1998.

BÍSCOLI, R. Organização social e identidade étnica: a trajetória dos descendentes de italianos em Toledo PR. Dissertação de mestrado – PPG em Antropologia Social, UEL, Londrina, PR: 2004.

CHATTERJEE, P. La nación en tiempo heterogéneo: y otros estudios subalternos.Buenos Aires: Siglo XXI Editores Argentina, 2008.

COLOGNESE, S. A. Associações Étnicas de Italianos: Identidade e Globalização.São Paulo: Itália Nova Editora, 2004.

COLOGNESE, S. A.; ROSSI, D. Os Encontros de Parentelas Italianas. Cascavel, PR: Coluna do saber, 2007.

COLOGNESE, S. A.; ROSSI, D. Cidadania Italiana: Motivações e Expectativas.Porto Alegre, RS: Escritos, 2009.

DUSSEL, E. Europa, modernidade e eurocentrismo; In: Edgardo Lander (Org.). A colonialidade do saber. Eurocentrismo e Ciências Sociais. Perspectivas Latino-americanas. São Paulo: CLACSO, 2005. p. 55-69.

FERRO, M. História das colonizações: das conquistas às independências, séculos XIII a XX. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 1996.

FREITAG, L. da C. Fronteiras perigosas: migração e brasilidade no extremo-oeste paranaense (1937-1954). Cascavel, PR: EDUNIOESTE, 2001.

GOODY, J. O roubo da história: como os europeus se apropriaram das ideias e invenções do oriente. São Paulo, SP: Contexto, 2008.

GREGORY, V. Os Eurobrasileiros e o Espaço Colonial: Migrações no Oeste do Paraná. Cascavel, PR: Edunioeste, 2002.

HALL, S. A Identidade Cultural na Pós-modernidade. 4° Ed. Rio de Janeiro, RJ: DP&A, 2000.

HALL, S. Quem precisa de identidade? In: SILVA, T. T. da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014. p. 102.

IANNI, O. Raças e classes sociais no Brasil. São Paulo, SP: Brasiliense, 2004. p. 137-263.

IPARDES. Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social. Caderno estatístico do município de Toledo.Setembro de 2013. Disponível em: http://www.ipardes.gov.br/cadernos/Montapdf.php?Municipio=85900. Acesso em: 04/09/2013.

LANDER, E. (Org.). A colonialidade do saber. Eurocentrismo e Ciências Sociais.Perspectivas Latino-americanas. São Paulo: CLACSO, 2005. p. 21-54.

LEÓN-PORTILLA, M. A conquista da América Latina vista pelos índios: relatos astecas, maias e incas. Petrópolis, RJ: Vozes, 1987.

MACIEL, M. E. de S. A eugenia no Brasil. Revista Anos 90, n° 11. Porto Alegre, RS: julho, 1999.

MIGNOLO, W. Histórias locais/Projetos globais. Colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

MIGNOLO, W. A colonialidade de cabo a rabo: o hemisfério ocidental no horizonte conceitual da modernidade. In: LANDER E. (Org.). A colonialidade do saber. Eurocentrismo e Ciências Sociais. Perspectivas Latino-americanas. São Paulo: CLACSO, 2005. p. 71-105.

MIGNOLO, W. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política.Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Literatura, língua e identidade, n. 34, p. 287-324, 2008.

MIGNOLO, W. El lado más oscuro del Renacimiento. Universitas Humanística, n. 67, janeiro-junho. Bogotá, Colombia: Pontificia Universidad Javeriana, 2009.

MOCELLIN, M. C. Trajetórias em Rede: representações da italianidade entre empresários e intelectuais da região de Caxias do Sul. In: Anais da 26° Reunião Brasileira de Antropologia. Porto Seguro, BA: 2008.

NOPES, A. Eurocentrismo e o projeto de modernização do Brasil: uma análise sociológica a partir da fala dos Engenheiros Professores da UFSC (1960-1980). Tese de doutorado – PPG em Sociologia Política, UFSC, Florianópolis, SC: 2013.

OLIVEIRA, R. C. de. Identidade, etnia e estrutura social. São Paulo, SP: Pioneira, 1976.

PARANÁ. Instituto Comunità Italiana La Svolta. Estatuto da Associação. Toledo, PR: 2004.

PORTO-GONÇALVES, C. W. Apresentação da edição em português. In: LANDER, E. (Org.). A colonialidade do saber. Eurocentrismo e Ciências Sociais. Perspectivas Latino-americanas. São Paulo, SP: CLACSO, 2005. p. 09-16.

POUTIGNAT, P.; STREIFF-FENART, J.. Teorias da Etnicidade seguido de grupos étnicos e suas fronteiras de Fredrik Barth. São Paulo, SP: Fundação Editora da UNESP, 1998.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e américa latina. In: LANDER, E. (Org.). A colonialidade do saber. Eurocentrismo e Ciências Sociais. Perspectivas Latino-americanas. São Paulo, SP: CLACSO, 2005. p. 227-278.

QUIJANO, A. Cuestiones y horizontes: de la dependencia histórico-estructural a la colonialidad/descolonialidad del poder. Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina: CLACSO, 2014. p. 285-330, 777-832.

QUIJANO, A.; WALLERSTEIN, I. Americanity as a concept, or the Americas in the modern world-system. International social science journal, n. 134. Paris, França: UNESCO, 1992. Acesso em: 07 set. 2015. Disponível em: http://www.javeriana.edu.co/blogs/syie/files/Quijano-and-Wallerstein-Americanity-as-a-Concept.pdf

RIBEIRO, D. O povo brasileiro: evolução e o sentido do Brasil. 2° Edição. 10° reimpressão. São Paulo, SP: Companhia das letras, 1995.

SILVA, E. F. da; NOPES, A.; VILELA, C. O. C. Modernidade, Modernização e Educação: apontamentos sobre a categoria modernidade e possibilidades de crítica. In: ARAÚJO, J. C. S.; RIBEIRO, B. de O. L.; SOUZA, Sauloéber Társio de. Grupos escolares na modernidade mineira: Triângulo e Alto Paranaíba. Campinas, SP: Editora Alínea, 2012. p. 43-64.

SILVA, T. T. da. A produção social da identidade e da diferença. In SILVA, T. T. da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014. p. 73-102.

TOLEDO, PARANÁ, BRASIL. Portal eletrônico do Município. Disponível em: http://www.toledo.pr.gov.br. Acessado em: 12/07/2012.

WACHOWICZ, R. C. Obrageros, Mensus e Colonos: história do Oeste paranaense.Curitiba, PR: Ed. Vicentina, 1982.

WALLERSTEIN, I. O universalismo europeu: a retórica do poder. São Paulo, SP: Boitempo, 2007.

WOODWARD, K. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In SILVA, T. T. da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014. p. 07-72.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2015 Carlos Eduardo Bao

Downloads

Não há dados estatísticos.