A casa de Fraga

Autores

  • Diego Amoedo Martínez Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/tematicas.v21i42.11034

Palavras-chave:

Casa, Parentesco, Família, Vizinhança, Transformação

Resumo

Este artigo tem como objetivo discutir certos aspectos da vida social de uma pequena aldeia rural da Galiza, chamada Cortellas. Com uma comparação entre as diferentes definições da categoria analítica “Casa” e valendo-nos de exemplos etnográficos da Casa da Fraga ou dos Xulians, tentaremos mostrar algumas mudanças e persistências na organização social da aldeia e da família. Para tanto, num primeiro movimento localizaremos a aldeia e daí partiremos para a discussão de natureza teórica, trazendo as contribuições de autores como Lévi-Strauss, Pierre Bourdieu e Carmelo Lisón Tolosana, que fizeram importantes aportes para essa categoria analítica. Para finalizar, tentaremos fazer uma articulação entre teoria e campo, perpassando diferentes processos a partir de dois eventos centrais da vida social da aldeia: a matança do porco e a festa de San Francisco. Através da descrição das funções que se desenvolvem nesses eventos descreveremos as relações de parentesco e de vizinhança, suas atividades e posições.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diego Amoedo Martínez , Universidade Estadual de Campinas

Mestrando do Programa de Antropologia Social pela Universidade Estadual de Campinas.

Referências

ALMEIDA, M. W. B. de. Redescobrindo A Família Rural Brasileira. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 66-83, 1986.

BESTARD, J. El método comparativo: el caso de la família y el parentesco en Europa. In: GARCÍA GONZÁLEZ, F. (coord.). La historia de la familia en la Península Ibérica. Balance regional y perspectivas. Homenaje a Peter Laslett. Cuenca: Edición de la Universidad de Castilla la Mancha, p. 473-493, 2008.

BOURDIEU, P. El Baile de los solteros. La crisis de la sociedad campesina en el Bearne. Barcelona: Anagrama, 2004.

CARNEIRO DA CUNHA, M. Pontos de vista sobre a floresta amazônica: xamanismo e tradução. Mana [online], v. 4, n. 1. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-93131998000100001&script=sci_arttext. 1998.

FERNÁNDEZ DE ROTA Y MONTER, J. A. Antropología de un viejo paisajegallego. Madrid: CIS-Siglo XXI, 1984.

FERNÁNDEZ DE ROTA Y MONTER, J. A. Cooperación Tradicional en Monfero. O marco parroquial coma horizonte da ‘axuda’ veciñal. In: Traballos Comunais no mundo rural. Boletin Auriense, Anexo 7, Museo Arqueolóxico Provincial, Ourense, 1987.

FIDALGO SANTAMARINA, J. A. Antropología de uma parroquia rural. Ourense: Caixa Rural,1988.

GONDAR, M. Crítica da razón galega. Vigo: A Nosa Terra, 1993.

GORDON JR., C. About the house: Lévi-Strauss and Beyond. Mana, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, Oct.. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93131996000200010&lng=en&nrm=iso. Acesso em 15 jul. de 2011. 1996.

ITURRA, R. Continuidad y cambio: transición campesina en una parroquia gallega. Revista Internacional de Ciencias Sociales, n. 114, p. 9-61, 1987.

ITURRA, R. Antropología Económica de la Galicia Rural. Santiago de Compostela: Xunta de Galicia, 1988.

ITURRA, R. Campesiñado e identidade. In: GONDAR, M. (coord.). O Feito Diferencial Galego na Antropoloxía. Santiago de Compostela: Museo do Pobo Galego, 1999.

LÉVI-STRAUSS, C., A noção de Casa. In: ______. Minhas Palavras. São Paulo: Brasiliense, 1986.

LISÓN TOLOSANA, C. La Casa en Galicia. In: ______. Ensayos de Antropología Social. Madrid: Ayuso, p. 109-164, 1973.

LISÓN TOLOSANA, C. Antropología Cultural de Galicia. Madrid: Siglo Veintiuno de España, 1971.

PÉREZ GARCÍA, J.M. Familias y hogares en Galicia y en la Cornisa Cantábrica durante el antiguo régimen. In: GARCÍA GONZÁLEZ, Francisco (Coord.). La historia de la familia en la Península Ibérica, balance regional y perspectivas: homenaje a Peter Laslett. Cuenca: Universidad de Castilla-La Mancha, p. 57-84, 2008.

PEREIRO PÉREZ, X. Espacio, tempo e historia nunha vila galega: Palas de Rei, 2002. Texto revisado (1997 – 2002) da tese de doutoramento en Antropoloxía Social, Setembro. Universidade de Santiago de Compostela. Texto cedido pelo autor.

PINA-CABRAL, J. Agnatas, Vizinhos e Amigos: Variantes da vicinalidade em África, Europa e América. Versão preliminar apresentada na ANPOCS. Texto cedido pelo autor. 2011

PINA-CABRAL, J & LIMA, A.P. Como fazer uma história de família: um exercício de contextualização social. Etnográfica: Lisboa, v. IX (2), p. 355-388. Disponível em: http://ceas.iscte.pt/etnografica/docs/vol_09/N2/Vol_ix_N2_JPCabral&APLima.pdf. Acesso em: 27 jul. de 2011. 2005.

PITT-RIVERS, J. The kith and the kin. In: GOODY, Jack (Org.). The Character of Kinship. Cambridge: Cambridge University Press1973, p. 89-105.

RIVERS, W. H. R. O método genealógico na pesquisa antropológica. In: CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto (Org.). A antropologia de Rivers. Campinas: Unicamp, 1991, p. 51-71.

RODRIGUES, W.E. A festa cá nos chama: Dinâmica emigratória em uma aldeia camponês do nordeste português. Texto apresentado na UFSCar. Cedido pelo autor. 2012.

ROSEMAN, S. O Santiaguiño de Carreira. O rexurdimento dunha base rural no concello de Zas. La Coruña: Baía, 2008.

VARELA, J. A Ulfe. Socioloxía dunha comunidade rural galega. Santiago de Compostela: Sotelo Blanco, 2004.

WOORTMANN, K. Migração, família e campesinato. In WELCH, Clifford Andrew et al. (Orgs.). Camponeses Brasileiros: leituras e interpretações clássicas. São Paulo: Unesp; Brasília: Nead, v. 1, p. 217-238, 1990.

WOORTMANN, K. A Etnologia (quase) esquecida de Bourdieu, ou o que fazer.

Downloads

Publicado

2013-12-30

Como Citar

MARTÍNEZ , D. A. . A casa de Fraga. Tematicas, Campinas, SP, v. 21, n. 42, p. 173–203, 2013. DOI: 10.20396/tematicas.v21i42.11034. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tematicas/article/view/11034. Acesso em: 25 jan. 2022.

Edição

Seção

Dossiê