As histórias de estudantes cegos sobre o seu ingresso na educação básica

Palavras-chave: Inclusão, Cegueira, Narrativa

Resumo

Objetiva-se compreender a trajetória de estudantes cegos, sobretudo quando do seu ingresso na Educação Básica. São sujeitos desta pesquisa seis estudantes cegos que ingressaram no Ensino Superior nas últimas duas décadas. De natureza qualitativa, tem-se como instrumento de coleta de dados a entrevista de história oral, realizada individualmente e analisada por meio da Análise de Conteúdo. Como resultado verificou-se que a trajetória desses estudantes aponta elementos como os materiais usados pelos professores e pelas escolas que estudaram, a postura do professor durante as aulas, a existência ou não de algum acompanhante para o aluno e a forma da escola compreender o trabalho com a diversidade. As narrativas se configuraram em possibilidade de se rememorar as experiências, empoderar os sujeitos e refletir sobre as formas de se organizar as práticas educativas.

Biografia do Autor

Luciane Maria Molina Barbosa, Universidade de Taubaté
Mestranda em Educação pela Universidade de Taubaté.
Mariana Aranha de Souza, Universidade de Taubaté Centro Universitário UNIS
Doutora e Mestre em Educação (Currículo) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2011, 2006). Graduada em Pedagogia pela Faculdade Maria Augusta Ribeiro Daher (2001).  Atualmente é Professora Permanente do Mestrado Profissional em Educação eProfessora Colaboradora do Mestrado em Desenvolvimento Humano: Formação, Políticas e Práticas Sociais da Universidade de Taubaté. É pesquisadora do GEPI (Grupo de Estudos e Pesquisas em Interdisciplinaridade) da PUC/SP  e do Núcleo de Saberes e Práticas em Educação à Distância da UNITAU. Atua como Coordenadora do Setor de Objetos de Aprendizagem da Educação à Distância da UNITAU (Convênio EPTS/UNITAU) e é membro do NDE do Curso de Pedagogia da EAD-UNITAU.  Tem experiência como Administradora Escolar em Centros Educacionais de Educação Básica e Educação de Jovens e Adultos do SESI-SP, e como Professora Universitária e de Educação Básica.  Atua principalmente com os seguintes temas: Interdisciplinaridade, Formação de Professores, Currículo, Gestão Escolar, Educação à Distância, uso de Tecnologias e Metodologias Ativas de Aprendizagem.
Suelene Donola Mendonça, Universidade de Taubaté
Doutora em Educação: História, Política e Sociedade e Mestre em Psicologia da Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Graduada em Pedagogia. Atualmente é Professora Permanente do Mestrado Profissional em Educação da Universidade de Taubaté. 

Referências

ALMEIDA, J.R., AMORIM, M.A., BARBOSA, X. Performance e objeto biográfico: questões para a história oral de vida. Oralidades: revista de História Oral. Ano 1.n.º2.jul-dez.2007. pp.101-110.

AMIRALIAN, M. L. T. M. Compreendendo o cego: uma visão psicanalítica da cegueira por meio de Desenhos-Estórias. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1997.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70, LDA, 2011.

BAUMAN, Z. Comunidade: a busca por segurança no mundo atual. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2003.

BRASIL. Constituição Federal. 1988.

______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996.

______. ONU. Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. 29 de agosto de 2006. Brasília: 2006.

______. Lei Brasileira de Inclusão. 2015

BOURDIEU, P. Os excluídos no interior. In: NOGUEIRA.M.A.; CATANI.A. (Org.) Escritos da Educação. Petrópolis, RJ. Vozes, 1998, p.219-227.

BUENO, J.G.S. As Políticas de Inclusão Escolar: uma prerrogativa da Educação Especial? In: BUENO, J. G. S; MENDES, G. M. L.; SANTOS. R. A. dos (Org.). Deficiência e Escolarização: novas perspectivas de análise. Araraquara, São Paulo: Junqueira & Marrin; Brasilia, DF: Capes, 2008.

CAIADO, K. R. M. Aluno deficiente visual na escola: lembranças e depoimentos. Campinas: Autores Associados: PUC, 2003.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais. São Paulo: Cortez, 2008.

DUARTE, R. Pesquisa qualitativa: reflexões sobre o trabalho de campo. Cadernos de Pesquisa, n. 115, p. 139 – 154, março, 2015.

GOFFMAN, E. Estigma – notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 1988. – Alinhamentos Intragrupais e Alinhamentos Extragrupais (pp. 96-106) Desvios e comportamento desviante (pp 118 – 124).

MANTOAN, M. T. E. Pensando e fazendo educação de qualidade. São Paulo: Moderna, 2001.

______. O Direito de Ser, sendo diferente na escola. R. CEJ, Brasilia, n.6, p. 36-44, jul-set, 2004.

RIBEIRO, S.L.S. Visões e perspectivas: documento em história oral. Oralidades: revista de História Oral. Ano 1.n.º2.jul-dez.2007.pp.35-44

RICOEUR, P. O percurso do reconhecimento. São Paulo: Loyola, 2006.

SASSAKI, R.K. Construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA, 1997.

SASSAKI, R. K. Entrevista. In: Revista Integração. Brasília, v 8, n. 20, p. 8-10, ago. 1998.

UNESCO. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas Especiais. Brasília: CORDE, 1994.

VYGOTSKY, L. S. Fundamentos da defectologia. Havana: Pueblo y Education, 1995. (Obras completas, tomo 5).

Publicado
2019-04-30
Como Citar
Barbosa, L. M. M., de Souza, M. A., & Mendonça, S. D. (2019). As histórias de estudantes cegos sobre o seu ingresso na educação básica. RIDPHE_R Revista Iberoamericana Do Patrimônio Histórico-Educativo, 5, e019008. https://doi.org/10.20888/ridphe_r.v5i0.9705
Seção
Dossiê Temático