Aqueles tempos do Julinho: práticas no cotidiano escolar da ditadura civil-militar (década de 1970)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20888/ridphe_r.v4i2.9670

Palavras-chave:

ditadura civil-militar, Colégio Estadual Julho de Castilhos, História oral

Resumo

O estudo situa-se no período da ditadura civil-militar e relaciona-se à história do Colégio Estadual Júlio de Castilhos, de Porto Alegre (RS). Foi produzido a partir de documentos escritos e da memória de quatro professoras que atuaram na Instituição. Objetiva identificar práticas pedagógicas e táticas cotidianas construídas no ambiente do Colégio na sua relação com um contexto de repressão política, vigente na época investigada. No cotidiano da escola, evidenciaram-se aspectos referentes a táticas construídas pelos professores e sua relação às situações impostas pelo governo ditatorial, as quais criaram, em certa medida, um estatuto próprio para o Júlio de Castilhos à época.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Vivian da Cunha, Prefeitura Municipal de Porto Alecre

Mestre em educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Professora da Rede Municipal de Ensino de Porto Alegre.

Luciane Sgarbi Santos Grazziotin, Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Doutorado em Educação, ênfase em História da Educação pela PUCRS, professora e pesquisadora na graduação e no Programa de Pós-Graduação em Educação da Escola de Humanidades da Universidade do Vale do Rio dos Sinos/UNISINOS. Atua na Linha de pesquisa 1: Educação, História e Políticas.Tem experiência nas áreas de História da Educação e Metodologia da Pesquisa. Pesquisa os seguintes temas relacionados à História da Educação: Memória e História Oral, Cultura Escolar e relações de Gênero.Bolsista produtividade CNPq.

Referências

ALBERTI, Verena. Manual de História Oral. Rio de Janeiro: FGV, 2005, 236 p.

AMADO, Janaína. O grande mentiroso: Tradição, veracidade e imaginação em História Oral. História, São Paulo, v. 14, p. 125-136, 1995.

BORNE, Dominique. Comunidade de memória e rigor crítico. In: BOUTIER, Jean; JULIA, Dominique (Orgs.). Passados Recompostos: campos e canteiros da História. Rio de Janeiro: UFRJ, 1998. p. 133-145.

BORTOT, Ivanir José; GUIMARAENS, Rafael. Abaixo a repressão: Movimento Estudantil e as Liberdades Democráticas. Porto Alegre: Libretos, 2008, 255 p.

BULHÕES, Ruth. Kaa-eté: Uma experiência em educação ambiental. In: COPSTEIN, Cora Schilling (Org.). Eu vivi esta história no Julinho. Porto Alegre: Didática Sul, 2000, 121 p.

BOSI, Ecléa. Memória e Sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: Companhia das Letras, 1995, 488 p.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: Artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1996, 320 p.

CHARTIER, Roger. A História Cultural: entre práticas e representações. Portugal: DIFEL, 2002, 236 p.

CHARTIER, Roger. O Mundo como representação. Revista Estudos Avançados, São Paulo, v. 5, n. 11, p. 173-191, 1991.

COPSTEIN, Cora Schilling; SCHÄFFER, Neiva Otero; SILVA, Márcia Ivana de Lima e (Orgs.). O Julinho sempre foi notícia. Porto Alegre: Suliani, 2001, 64 p.

COPSTEIN, Cora Schilling (Org.). Eu vivi esta história no Julinho. Porto Alegre: Didática Sul, 2000, 121 p.

DOSSE, François. A história à prova do tempo: da história em migalhas ao resgate do sentido. São Paulo: Unesp, 2001, 352 p.

EVAGELIDIS, José Esteves. O Colégio Canadá nos arquivos do DEOPS-SP. 2011. 119f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Católica dos Santos, Santos, 2011.

FICO, Carlos. Versões e controvérsias sobre 1964 e a ditadura militar. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 24, n. 47, p. 29-60, 2004.

GUILHERME, Karina Clecia da Silva. Ditadura militar e educação: uma análise do centro cívico escolar (1971 1986). 2011. 154f. Dissertação (Mestrado em Educação: História Política e Sociedade) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2011.

GUTIÉRREZ, Cláudio Antônio Weyne. A Guerrilha Brancaleone. Porto Alegre: Proletra, 1999, 105 p.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990, 222 p.

LIMA, Otávio Rojas (Org.). Memórias do “Julinho”. Porto Alegre: Sagra, 1990, 144 p.

MAGALHÃES, Justino Pereira de. Tecendo nexos: história de instituições educativas. Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco, 2004, 178 p.

PEREIRA, Devyson Carvalho Duarte. Memórias negociadas: o regime militar no livro didático de história do Ensino Médio (1967-1988). 2011. 150f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2011.

POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, 1992, p. 200-212.

QUINTANA, Mario. Caderno H. São Paulo: Editora Globo, 2009, 368 p.

ROLLEMBERG, Denise. Esquerdas revolucionárias e luta armada. In: FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucilia de Almeida N. (Orgs.). O Brasil republicano 3: o tempo da experiência democrática. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014. p. 41-91.

SARAMAGO, José. Recordações. Outros cadernos de Saramago, abr. 2009. Disponível em: <http://caderno.josesaramago.org/37891.html>. Acesso em: 25 out. 2017.

TIETBÖHL, José Nunes. O Julinho que eu vi. In: LIMA, Otávio Rojas (Org.). Memórias do “Julinho”. Porto Alegre: Sagra, 1990, 144 p.

Downloads

Publicado

2018-12-29

Como Citar

CUNHA, L. V. da; GRAZZIOTIN, L. S. S. Aqueles tempos do Julinho: práticas no cotidiano escolar da ditadura civil-militar (década de 1970). RIDPHE_R Revista Iberoamericana do Patrimônio Histórico-Educativo, Campinas, SP, v. 4, n. 2, p. 259–282, 2018. DOI: 10.20888/ridphe_r.v4i2.9670. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/ridphe/article/view/9670. Acesso em: 23 jul. 2021.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO