A singularidade histórica do anarquismo em Portugal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20888/ridpher.v8i00.17491

Palavras-chave:

Anarquismo, História

Resumo

Por particularidades  subjacentes à história singular de Portugal, pode-se afirmar que a plasticidade social do anarquismo em Portugal foi, particularmente, evidente no período de finais do final do século XIX até ao início da década de 1920. Os fatores básicos  que estão na origem desse potencial residem num movimento social operário reivindicativo e revolucionário assente no anarco-sindicalismo.  Com a revolução russa de 1917 e o golpe militar de 1926 traduzido, mais tarde,  na ditadura salazarista em 1933, pode-se dizer que a pujança . demonstrada pela CGT (Confederação Geral do Trabalho)  anarco-sindicalista se sindicalista revolucionária soçobra na prisão e na clandestinidade. Por outro lado, é necessário ter presente que a validade heurística da revolução russa transformou muitos desses militantes anarco-sindicalistas em arautos da constituição de Partidos Comunistas nos seus países obedecendo aos imperativos das 21 condições da Internacional Comunista sedeada em Moscovo. Submetidos pela força da clandestinidade e as prisões da ditadura salazarista, o anarquismo em Portugal limitou-se a um processo de total atomização e pouca visibilidade social. Com a revolução de 25 de Abril de 1974 em Portugal ressurgiu com alguma pujança no meio editorial, com o ressurgimento do jornal “A Batalha” e dezenas de uma diversidade de publicações. O anarco-sindicalismo não emergiu e muitas das publicações criadas, entretanto, já desapareceram. Hoje, em Portugal, denota-se que o anarquismo tende a desenvolver-se fundamentalmente nos circuitos culturais e nos meios em que predomina utilização de meios virtuais analítico-simbólicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Maria Carvalho Ferreira, SOCIUS/ISEG-Ulisboa, Portugal

Atualmente é professor catedrático aposentado do SOCIUS/ISEG- ULISBOA. Nessa instituição durante vários anos esteve na formação de estudantes da graduação e da pós-graduação nas áreas científicas da economia, gestão, sociologia e psicossociologia. Publicou vários livros, capítulos de livros e artigos nos domínios da Sociologia Económica, Sociologia do Trabalho, Psicossociologia das Organizações, Terceiro Setor, Redes Sociais e Economia Social.

Referências

AQUINO, Acácio Tomás et al. O 18 de Janeiro de 1934 e alguns antecedentes. Lisboa: Regra do Jogo Edições, 1978.

AQUINO, Acácio Tomás de. O Segredo das Prisões Atlânticas. Lisboa: Regra do Jogo Edições, 1978.

AQUINO, Acácio Tomás et al. O 18 de Janeiro de 1934 e alguns antecedentes. Lisboa: Regra do Jogo, 1980.

CANDEIAS, António. A Subversão de Normas e Valores Sociais através de um Modelo Educativo: A Escola Oficina nº1, 1905-1930. In: Ciências da Educação em Portugal: situação atual e perspetivas. Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação. Porto: Afrontamento, 1991. p. 207-218.

CRUZEIRO, Maria Manuela. Vida e acção de José Fontana. Lisboa: Fundação José Fontana, 1990.

FERREIRA, José Maria Carvalho. Portugal no contexto da transição para o socialismo: história de um equívoco. Blumenau: Editora FURB, 1997.

FERREIRA, José Maria Carvalho; PINTO, Mário Rui. Que futuro para o Anarquismo. Revista Utopia, Lisboa, Associação Cultural A Vida, n. 17, 2004.

FREIRE, João. Anarquistas e operários, ideologia, ofício e práticas sociais: o anarquismo e o operariado em Portugal - 1900-1940. Porto: Afrontamento, 1992.

FUSCHINI, Augusto Maria. O presente e o futuro de Portugal. Lisboa: Companhia Typographica, 1899.

LIMA, Campos de. História do Movimento Operário. Porto: Afrontamento, 1972.

LIMA, Adolfo. Educação e Ensino – Ensino Integral. Lisboa: Guimarães e Cia. Editores, 1914.

MARTINS, Oliveira. Teoria do Socialismo. (Obras Completas). Lisboa: Guimarães Editores, 1952.

MENDES, José da Silva. Socialismo Libertário ou Anarquismo: história e doutrina. 1896.

OLIVEIRA, César. A criação da União Operária Nacional, Porto: Afrontamento, 1973.

QUENTAL, Antero. Causas da Decadência dos Povos Peninsulares nos Últimos Três Séculos. Porto: Tipografia Comercial, 1875.

QUEIROZ, Eça. Notas Contemporâneas. Porto: Editores Livraria Chardron de Lello e Irmão, 1909.

RODRIGUES, Edgar. O despertar operário em Portugal (1834-1911). Lisboa: Ed Sementeira, 1980.

RODRIGUES, Edgar. Os anarquistas e os sindicatos. (Portugal 1911-1922). Lisboa: Ed. Sementeira, 1981a.

RODRIGUES, Edgar. A resistência anarco-sindicalista à ditadura (Portugal 1922-1939). Lisboa: Ed. Sementeira, 1981b.

RODRIGUES, Edgar. A oposição libertária em Portugal (1939-1974). Lisboa: Ed. Sementeira, 1982.

SANTANA, Emídio. O atentado a Salazar. Lisboa: Europa-América, 1976.

SOUSA, Manuel Joaquim. O sindicalismo em Portugal, Porto: Afrontamento, 1974.

VENTURA, António. Anarquistas, Republicanos e Socialistas em Portugal. Lisboa: Cosmos, 2000.

VIANA, Eduardo. Da propriedade. Lisboa: Typographia do Futuro, 1873a.

VIANA, Eduardo. A Internacional, sua História, sua Organização e seus Fins. Lisboa: Typographia do Futuro, 1873b.

VIANA, José Martins Gonçalves. A Evolução Anarquista em Portugal. Porto: Typographia Rua Chã, 1894.

Downloads

Publicado

2022-12-22

Como Citar

FERREIRA, J. M. C. A singularidade histórica do anarquismo em Portugal. RIDPHE_R Revista Iberoamericana do Patrimônio Histórico-Educativo, Campinas, SP, v. 8, n. 00, p. e022022, 2022. DOI: 10.20888/ridpher.v8i00.17491. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/ridphe/article/view/17491. Acesso em: 25 fev. 2024.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO