Praia, mar e fósseis

o patrimônio paleontológico da Amazônia Paraense a partir das contribuições do pensamento complexo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20888/ridpher.v7i00.15556

Palavras-chave:

Patrimônio, Paleontologia, Amazônia

Resumo

Este trabalho pretende discutir como o pensamento complexo pode contribuir para a interpretação do patrimônio paleontológico da Praia do Atalaia, Salinópolis, Pará, Brasil. A localidade é um dos principais destinos turísticos do Estado e conta com um expressivo registro fóssil do Cenozoico marinho brasileiro, datando entre 23 a 25 m.a, Algumas indagações norteiam as reflexões propostas, tais quais: qual a problemática do paradigma da simplificação que envolve o patrimônio quando este se encontra no limiar da relação natureza e cultura? A forma como este foi intencionalmente construído, e, posteriormente, compartimentado, seguindo a lógica disciplinar das ciências modernas, gera limitações na interpretação, apropriação, proteção e conservação dos bens que compõem este patrimônio?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rayana Alexandra Sousa da Silva, Programa de pós Graduação em Ciências do Patrimônio Cultural, Universidade Federal do Pará, Brasil

Mestranda em Ciências do Patrimônio Cultural pelo Instituto de Tecnologia da Universidade Federal do Pará; Bacharel em Museologia pela Universidade Federal do Pará. Tem experiência na área de Museologia, com ênfase em Museologia aplicada as questões que envolvem o patrimônio paleontológico paraense, atuando principalmente nos seguintes temas: patrimônio fossilífero, formação pirabas, acervos, cultura e museus.

Sue Anne Regina Ferreira da Costa, Universidade Federal do Pará, Brasil

Doutorado em Geologia e Geoquímica, atualmente é professora do curso de Museologia/UFPA e atualmente coordenadora de Museologia do Museu Paraense Emílio Goeldi. Coordena o Grupo de Pesquisa Museu e Paleontologia (MUPA), além de integrar o Laboratório de Pesquisa em Reservas Técnicas (LAPRET) no curso de Museologia da UFPA. Desenvolvo pesquisas em Museus, Acervos e Patrimônios da História Natural, com enfoque nas especificidades da região amazônica.

Referências

ADRIÃO, D. Pescadores de Sonhos: um olhar sobre as mudanças nas relações de trabalho e na organização social entre as famílias dos pescadores diante do veraneio e do turismo balnear em Salinópolis, Pará. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Ciências Humanas, 1(2), p. 11-21, 2006. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1981-81222006000200002. Acesso em: 29 abr. 2021.

AGUILERA, O. A.; MORAES-SANTOS, H.; COSTA, S.; OHE, F.; JARAMILLO, C.; NOGUEIRA, A. Ariid sea catfishes from the coeval Pirabas (Northeastern Brazil), Cantaure, Castillo (Northwestern Venezuela), and Castilletes (North Colombia) formations (early Miocene), with description of three new species. Swiss Journal of Palaeontology, v. 1, p. 45-68, 2013.

ALVAREZ, A. M. S.; PHILIPPI JR, A.; ALVARENGA, A. T. O pensamento complexo e desafios aos processos investigativos. Revista brasileira de ciências ambientais, (18), p. 67-76, 2010.

ARRUDA, G. Da sustentabilidade ou insustentabilidade da natureza do patrimônio natural. Revista Confluências Culturais, v. 5, p. 177-189, 2016.

BEZERRA, O. G. O patrimônio natural no contexto da conservação integrada. Patrimônio e Memória (UNESP), 14, p. 51-68, 2018.

BRASIL. Decreto-Lei nº 4.146 de 4 de março de 1942. Dispõe sobre a proteção dos depósitos fossilíferos. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/1937-1946/Del4146.htm. Acesso em: 12, dez. 2021.

BRASIL. Portaria DNPM nº 155, Art. 296 a 320, de 12 de maio de 2016. Dispõe sobre a autorização e comunicação prévia para extração de fósseis. Disponível em: https://bityli.com/0nY1W8. Acesso em: 12, dez. 2021.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Centro Gráfico, 1988.

BRILHA, J. Inventory and Quantitative Assessment of Geosites and Geodiversity Sites: a Review. Geoheritage, v. 8, n. 2, p.119-134, 2015.

CACHÃO, M.; SILVA, C. M. Introdução ao Património Paleontológico Português: definições e critérios de classificação. Genovas, p. 13-19, 2004.

CARTA DA TERRA, 1991. Disponível em: http://www.cartadaterrabrasil.com.br/prt/Principios_Carta_da_Terra.pdf. Acesso em: 29 abr. 2021.

CARTA DE ATENAS, 1933. Disponível em: https://bityli.com/4UDNQk. Acesso em: 12 dez 2021.

CHOAY, F. A alegoria do patrimônio. São Paulo: Editora Unesp, 2001. p. 95-124.

DESVALLÉES, A.; MAIRESSE, F. Conceitos-chave de Museologia. Tradução: Bruno Brulon Soares, Marília Xavier Cury. ICOM: São Paulo, 2013. p.73.

DUARTE, A. S. As faces da Cultura no âmbito da Constituição Federal de 1988. In: CUNHA FILHO, F. H.; BOTELHO, I.; SEVERINO, J. R. (org.). Direitos Culturais. Salvador: EDUFBA, 2018. p. 57-77.

FERREIRA C.S.; CUNHA R. O. Notas sobre a Formação Pirabas com descrições de novos invertebrados fósseis. Contribuição à Paleontologia do Estado do Pará. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Geologia, 1937.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa. 62. ed. Rio de Janeiro: Paz e terra, 2019.

GÓES, A. M.; ROSSETTI, D. F; NOGUEIRA, A. C. R.; TOLEDO, P. M. Modelo deposicional preliminar para a Formação Pirabas, nordeste do Estado do Pará. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, 2, p. 3-15, 1990.

GONÇALVES, J. R. S. As transformações do patrimônio: da retórica da perda à reconstrução permanente. In: TAMASO I.; LIMA M. F. (Org.). Antropologia e Patrimônio Cultural: trajetórias e conceitos, 1. 2012. p. 59-74.

GONÇALVES, J. R. S. O Patrimônio como Categoria de Pensamento. In: ABREU, R; CHAGAS, M. (Org.). Memória e Patrimônio: ensaios contemporâneos, 2. Rio de Janeiro: Lamparina, 2009. p. 21-29.

HARTOG, F. Tempo e patrimônio. Varia Historia, 2006, 22 (36), p. 261-273. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-87752006000200002. Acesso em: 29 abr. 2021.

HORTA, M.L.P.; GRUNBERG, E.; MONTEIRO, A.Q. Guia Básico de Educação Patrimonial. Brasília, IPHAN, Museu Imperial, 1999. 65 p.

KRENAK, A. O amanhã não está à venda. São Paulo: Editora Shwarcz AS, 2020.

KUNZLER, J.; MACHADO, D. M. C. Questões basilares para um novo movimento teórico-prático do patrimônio paleontológico: reflexões a partir da Museologia e da Antropologia. In: CÂNDIDO, M. M. D.; WICHERS, C. A. M., COLLAÇO, J. H. L. (Org.). Patrimônios culturais: entre memórias, processos e expressões museais. Goiânia: Editora Imprensa Universitária/UFG, 2017. p. 179-190.

KUNZLER, J.; MACHADO, D.M.C. Fósseis e Patrimônio Paleontológico: um retorno ao integral. Museologia e Patrimônio,12, p. 64-96, 2019.

LIMA, D. F. C. Museologia, Museu, Patrimônio, Patrimonialização e Musealização: ambiência de comunhão. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Ciências Humanas, 7, p. 31-50, 2012.

LIMA, F. F.; BRILHA, J.B.R.; SALAMUNI, E. Inventorying geological heritage in large territories: a methodological proposal applied to Brazil. Geoheritage, 2, p. 91-99, 2010.

MAURY, C. J. Fósseis terciários do Brasil, com descripção de novas formas cretaceas. Monografia do Serviço Geológico e Mineralógico, Rio de Janeiro, 4: I-V, 1-705, 24, 1924.

MORIN, E. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. 25. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2020.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. 5. ed. Porto Alegre: Sulina, 2015.

MORIN, E. Sociologia. Tradução de Jaime Tortella. Madri: Tecnos, 2010.

MORIN, E.; TERENA, M. Saberes globais e saberes locais: O olhar transdisciplinar. Rio de Janeiro: Garamond, 2010. 75p.

PIEPER, D. S.; BEHLING, G.; DOMINGUEs, G. P. Pertencimento, patrimônio e meio ambiente: um diálogo necessário para a sustentabilidade? DELOS: Desarrollo Local Sostenible, v. 07, p. 01-11, 2014.

ROCHA, L. M. G. M. Patrimônio, meio ambiente e museologia de relações: reflexões sobre um patrimônio no devir. Revista Museologia & Interdisciplinaridade, v. 4, p. 107-128, 2015.

SALLES, V. O.; AVILA DE MATOS, E. A. S. A Teoria da Complexidade de Edgar Morin e o Ensino de Ciência e Tecnologia. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, v. 10, p. 116-127, 2017.

SANTOS, H.; BOCQUETIN, V.; RICHTER, M.; TOLEDO, P. M. New remains of a gavialoid crocodilan from the late Oligocene-early Miocene of the Pirabas Formation, Brazil. Zoological Journal of the Linnean Society, v. 163, p. S132-S139, 2012.

SOUZA, G. B. N.; ROCHA, G. M. Ordenamento territorial na Ilha do Atalaia, Salinópolis (PA): uma análise a partir dos diferentes trechos de ocupação. Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, v. 5, p. 137-151, 2018.

SOUZA, G. B. N.; ROCHA, G. M. VASCONCELLOS, M. S. O público e o privado na apropriação do espaço na zona costeira da Amazônia brasileira: o caso da Ilha do Atalaia, estado do Pará. GeoTextos (Online), v. 12, p. 105, 2016.

SILVA, L. S.; COSTA, S. A. R. F. Uma proposta de fomento à salvaguarda do patrimônio paleontológico da Praia do Atalaia, Pará, Brasil. RIDPHE_R Revista Iberoamericana do Patrimônio Histórico-Educativo, v. 5, 2019.

TÁVORA, V. A.; NOGUEIRA NETO, I. L. A.; MACIEL, L. M. Geologia e paleontologia do biohermito da Formação Pirabas (Mioceno Inferior). Geologia USP, Série Científica, v. 13, p. 23-40, 2013.

TÁVORA, V. A.; SANTOS, A. A. R.; ARAUJO, R. N. Localidades Fossilíferas da Formação Pirabas (Mioceno Inferior). Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Ciências Naturais, v. 5, p. 207-224, 2010.

VARINE, H. As raízes do futuro: o patrimônio a serviço do desenvolvimento local. Porto Alegre: Medianiz, 2013.

ZUGLIANI, L. F. Direitos e modelos institucionais na lógica do acesso à Cultura. In: CUNHA Filho, F. H.; BOTELHO, I.; SEVERINO, J. R. (Org.). Direitos Culturais. Salvador: Editora Da Universidade Federal Da Bahia - EDUFBA, 2018. v. 1, p. 141-162.

Downloads

Publicado

2021-11-19

Como Citar

SILVA, R. A. S. da .; COSTA, S. A. R. F. da. Praia, mar e fósseis: o patrimônio paleontológico da Amazônia Paraense a partir das contribuições do pensamento complexo. RIDPHE_R Revista Iberoamericana do Patrimônio Histórico-Educativo, Campinas, SP, v. 7, n. 00, p. e021019, 2021. DOI: 10.20888/ridpher.v7i00.15556. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/ridphe/article/view/15556. Acesso em: 2 out. 2022.