“Que letra bonita! Continue assim!”: registros de professoras alfabetizadoras em cadernos de alunos sobre o ensino e o uso dos tipos de letras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20888/ridpher.v6i00.14026

Palavras-chave:

cadernos de alunos, alfabetização, tipos de letras

Resumo

Este artigo analisa os registros de professoras em cadernos de alfabetização que apresentam orientações, indicações e sugestões no que tange ao ensino e ao uso dos diferentes tipos de letras. A análise realizada em 200 cadernos, de 2000 a 2015, salvaguardados em um Centro de Memória brasileiro, permitiu identificar diferentes registros que foram organizados em duas categorias: “Elogios e Incentivos sobre as letras” e “Solicitações e Recomendações sobre as letras”. Na primeira, observaram-se registros que demonstram o contentamento das professoras com os avanços e progressos dos alunos quanto ao traçado das letras. Na segunda, identificou-se um conjunto de atividades e recursos utilizados para o treino e aperfeiçoamento das letras, por ainda não apresentarem um ‘traçado ideal’.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandra Amaral da Silveira, Universidade Federal do Rio Grande

Graduação em Pedagogia (Universidade Federal do Rio Grande/FURG), Doutorado Educação (Universidade Federal de Pelotas/UFPel). Professora substituta Universidade Federal do Rio Grande/FURG.

Caroline Braga Michel, Universidade Federal do Rio Grande

Doutora em Educação (Universidade Federal de Pelotas/UFPel). Professora da Universidade Federal do Rio Grande/FURG, campus Santo Antônio da Patrulha/RS. 

Referências

ANDRÉS, Maria del Mar del Poso; ZAMORA, Sara Ramos. Representação da escola e da cultura escolar nos cadernos infantis (Espanha, 1922-1942). In: MIGNOT, Ana Chrystina (Org.). Cadernos à vista: escola, memória e cultura escrita. Rio de Janeiro: Ed. EdUERJ, 2008.

BRASIL/MEC. Pró-Letramento: Programa de Formação Continuada de Professores dos Anos/Séries Iniciais do Ensino Fundamental: alfabetização e linguagem. – Ed. rev. e ampl. incluindo SAEB/Prova Brasil matriz de referência/ Secretaria de Educação Básica – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2008.

BRASIL/MEC. Lei nº. 11.274, de 6 e fevereiro de 2006. Altera a redação dos artigos 29, 30,32 e 87 da Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, dispondo sobre a duração de 9 (nove) anos para o ensino fundamental, com matrícula obrigatória a partir dos 6 anos de idade. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2006.

BRASIL/MEC. Manual do pacto: Pacto pela Alfabetização na Idade Certa: o Brasil do futuro com o começo que ele merece. Brasília, DF, 2012.

CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetização sem o Bá-Bé-Bi-Bo-Bu. São Paulo: Scipione, 2009.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano. 22. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2014.

CHARTIER, Roger. Formas e sentido. Cultura escrita: entre distinção e apropriação. Trad. Maria de Lourdes Meirelles Matendo. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2003. (Coleção História da Leitura)

CHARTIER, Anne-Marie. Um dispositivo sem autor: cadernos e fichários na escola primária. Revista Brasileira de História da Educação. Campinas, n. 3, p. 9-26, jan./jun. 2002.

CHARTIER, Anne-Marie. Exercícios escritos e cadernos de alunos: reflexões sobre práticas de longa duração. In: CHARTIER, Anne Marie. Práticas de leitura e escrita: história e atualidade. Belo Horizonte: Autêntica. CEALE, 2007. (Coleção Linguagem e educação)

CORDOVA, Tania. A escola normal em Lages (SC): lentes no presente e deslocamentos ao passado (2015-1933). 2017. 386 f. Tese (Doutorado em Educação) - Centro de Ciências Humanas e da Educação, Universidade do Estado de Santa Catarina, UDESC, Florianópolis, 2017.

GÓMEZ, Antonio Castillo. Educação e cultura escrita: a propósito dos cadernos e escritos escolares. Revista Educação, Porto Alegre, v. 35, n. 1, p. 66-72, jan./abr. 2012.

GÓMEZ, Antonio Castillo. Los Cuadernos escolares a la luz de la História de la cultura escrita. 2010. Disponível em: https://ebuah.uah.es/dspace/bitstream/handle/10017/6758/Cuadernos%20Escolares.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 12 mar. 2018.

GRAZZIOTINE, Luciana; GASTAUD, Carla. Nos traços de caligrafia, indícios de um tempo escolar. Revista História da Educação, v. 14, n. 30, p. 207-226, enero-abril, 2010.

GVIRTZ, Silvina. El discurso escolar a través de los cuadernos de clase: Argentina 1930 - 1970. Buenos Aires: Eudeba, 1996.

GVIRTZ, Silvina; LARRONDO, Marina. Os cadernos de classe como fonte primária de pesquisa: alcances e limites teóricos e metodológicos para sua abordagem. In: MIGNOT, Ana Chrystina Venâncio (Org.). Cadernos à vista: escola, memória e cultura escrita. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2008.

HÉBRARD, Jean. Por uma bibliografia material das escritas ordinárias: a escritura pessoal e seus suportes. In: Mignot, A. C.V; Bastos, M. H. C., Cunha, M. T. S. (Org.). Refúgios do eu: educação, história, escritas autobiográficas. Florianópolis: Mulheres, 2000.

HÉBRARD, Jean. Por uma bibliografia material das escritas ordinárias: o espaço gráfico do caderno escolar (França – séculos XIX-XX). Revista Brasileira de História da Educação. Campinas, n. 1, p. 115-141, jan./jun. 2001.

HÉBRARD, Jean. A lição e o exercício: algumas reflexões sobre a história das práticas escolares de leitura e escrita. Revista Educação Santa Maria, v. 32, n. 1, 2007.

FISCHER, Rosa. Maria. Foucault e a análise do discurso em educação. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 114, p. 197-223, nov. 2001.

FONTOURA, Afro de Amaral. A escola viva: metodologia do ensino primário. 9. ed. Rio de Janeiro: Aurora, 1963.

JACQUES, Alice Rigoni. As marcas de correção em cadernos escolares do curso primário do Colégio Farroupilha/RS 1948/1958. Dissertação (Mestrado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre/RS, 2011.

LOPES, Isa Cristina da Rocha. Memória e discurso em marcas de correção: um estudo de cadernos escolares. Dissertação (Mestrado em Memória Social) – Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro/RJ, 2006.

LOPES, Isa Cristina da Rocha. Cadernos escolares: memória e discurso em marcas de correção. In: MIGNOT, Ana Chrystina Venâncio (Org.). Cadernos à vista: escola, memória e cultura escrita. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2008.

MAGALHÃES, Justino. Escrita escolar e oficialização da escola Portuguesa. In: VIII Congreso Internacional História de la Cultura Escrita. Universidad de Alcalá, 5 a 8 de julio de 2005. Sección 3ª: Escrituras cotidianas em contextos educativos. 2005.

MIGNOT, Ana Chrystina. Um certo objeto-memória: apontamentos sobre cadernos escolares. In: III Seminário Internacional Redes de conhecimento e a tecnologia: imagem e cidadania, 2005, Rio de Janeiro. Anais do III Seminário Internacional Redes de conhecimento e a tecnologia: imagem e cidadania, 2005.

MIGNOT, Ana Chrystina. Um objeto quase invisível. In: MIGNOT, Ana Chrystina Mignot (Org.). Cadernos à vista: escola, memória e cultura escrita. Rio de Janeiro: Ed. EdUERJ, 2008a.

MIGNOT, Ana Chrystina. Não me esqueça num canto qualquer. Rio de Janeiro: Educação e Imagem, 2008b. CD-ROM.

MONKS, Joseane Cruz. Do artesanal ao digital: uma genealogia dos meios de produção e reprodução de folhinhas de atividades em cadernos de alunos. 2019. 152 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação/FaE, Universidade Federal de Pelotas/UFPel, Pelotas, 2019.

MORAES, Artur Gomes. Sistema de escrita alfabética. São Paulo: Melhoramentos, 2012.

NEUBERT, Caroline Guião Coelho. Os Sentidos Atribuídos pelas Crianças aos seus Cadernos Escolares. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis/SC, 2013.

PERES, Eliane; BARUM, Sylvia Tavares. O ditado escolar sob o enfoque histórico: um estudo a partir de cadernos de crianças em processo de alfbetização. In: IX Congresso Iberoamericano de História da Educação Latino-Americana, 2009, Rio de Janeiro. Anais do IX Congresso Iberoamericano de História da Educação Latino-Americana, 2009. v. 1. p. 1-8.

PERES, Eliane. A alfabetização vista através de cadernos escolares (1958-2009). In: XV ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino, 2010, Belo Horizonte. Anais do XV ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino. Belo Horizonte: UFMG, 2010.

PERES, Eliane. Um estudo da história da alfabetização através dos cadernos escolares (1943-2010). Cadernos de História da Educação. v.11, n. 1 – jan./jun. 2012.

RAZZINI, Marcia de Paula G. Instrumentos de escrita na escola elementar: tecnologias e práticas. In: MIGNOT, Ana Chrystina (Org.). Cadernos à vista: escola, memória e cultura escrita. Rio de Janeiro: Ed. EdUERJ, 2008.

VIÑAO, Antonio. Os cadernos escolares como fonte histórica: aspectos metodológicos e historiográficos. In: MIGNOT, Ana Chrystina (Org.). Cadernos à vista: escola, memória e cultura escrita. Rio de Janeiro: Ed. EdUERJ, 2008.

VIDAL, Diana. G.; ESTEVES, I.L. Modelos caligráficos concorrentes: as prescrições para a escrita na escola primária paulista (1910-1940). In: PERES, E., TAMBARA, E. (Org.). Livros escolares e ensino da leitura e da escrita no Brasil (séculos XIX - XX). Pelotas/RS: Seiva, 2003.

SANTOS, Vera Mendes dos. Caderno escolar: um dispositivo feito peça por peça para a produção de saberes e subjetividade. Anais: IV Reunião Científica Regional da ANPEd (ANPEd-Sul), Santa Catarina/SC, 2002.

SOARES, Magda. Aprender a escrever, ensinar a escrever. In: ZACCUR, E. (org.). A Magia da Linguagem. Rio de Janeiro: DP&A: SEPE, 2001.

STEPHANOU, Maria; BASTOS, Maria Helena Câmara. Da sensibilidade das mãos à harmonia da escrita: Memórias, artefatos e gestos da caligrafia na história da educação. In: TRINCHÃO, Gláucia Maria da Costa (Org.). Do desenho das belas letras à livre expressão do desenho da escrita. Salvador: EDUFBA, 2012.

Downloads

Publicado

2020-11-21

Como Citar

SILVEIRA, Alessandra Amaral da; MICHEL, Caroline Braga. “Que letra bonita! Continue assim!”: registros de professoras alfabetizadoras em cadernos de alunos sobre o ensino e o uso dos tipos de letras. RIDPHE_R Revista Iberoamericana do Patrimônio Histórico-Educativo, Campinas, SP, v. 6, n. 00, p. e020015, 2020. DOI: 10.20888/ridpher.v6i00.14026. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/ridphe/article/view/14026. Acesso em: 15 jul. 2024.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO