“Que letra bonita! Continue assim!”: registros de professoras alfabetizadoras em cadernos de alunos sobre o ensino e o uso dos tipos de letras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20888/ridpher.v6i00.14026

Palavras-chave:

cadernos de alunos, alfabetização, tipos de letras

Resumo

Este artigo analisa os registros de professoras em cadernos de alfabetização que apresentam orientações, indicações e sugestões no que tange ao ensino e ao uso dos diferentes tipos de letras. A análise realizada em 200 cadernos, de 2000 a 2015, salvaguardados em um Centro de Memória brasileiro, permitiu identificar diferentes registros que foram organizados em duas categorias: “Elogios e Incentivos sobre as letras” e “Solicitações e Recomendações sobre as letras”. Na primeira, observaram-se registros que demonstram o contentamento das professoras com os avanços e progressos dos alunos quanto ao traçado das letras. Na segunda, identificou-se um conjunto de atividades e recursos utilizados para o treino e aperfeiçoamento das letras, por ainda não apresentarem um ‘traçado ideal’.

Biografia do Autor

Alessandra Amaral da Silveira, Universidade Federal do Rio Grande

Graduação em Pedagogia (Universidade Federal do Rio Grande/FURG), Doutorado Educação (Universidade Federal de Pelotas/UFPel). Professora substituta Universidade Federal do Rio Grande/FURG.

Caroline Braga Michel, Universidade Federal do Rio Grande

Doutora em Educação (Universidade Federal de Pelotas/UFPel). Professora da Universidade Federal do Rio Grande/FURG, campus Santo Antônio da Patrulha/RS. 

Referências

ANDRÉS, Maria del Mar del Poso; ZAMORA, Sara Ramos. Representação da escola e da cultura escolar nos cadernos infantis (Espanha, 1922-1942). In: MIGNOT, Ana Chrystina (Org.). Cadernos à vista: escola, memória e cultura escrita. Rio de Janeiro: Ed. EdUERJ, 2008.

BRASIL/MEC. Pró-Letramento: Programa de Formação Continuada de Professores dos Anos/Séries Iniciais do Ensino Fundamental: alfabetização e linguagem. – Ed. rev. e ampl. incluindo SAEB/Prova Brasil matriz de referência/ Secretaria de Educação Básica – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2008.

BRASIL/MEC. Lei nº. 11.274, de 6 e fevereiro de 2006. Altera a redação dos artigos 29, 30,32 e 87 da Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, dispondo sobre a duração de 9 (nove) anos para o ensino fundamental, com matrícula obrigatória a partir dos 6 anos de idade. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2006.

BRASIL/MEC. Manual do pacto: Pacto pela Alfabetização na Idade Certa: o Brasil do futuro com o começo que ele merece. Brasília, DF, 2012.

CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetização sem o Bá-Bé-Bi-Bo-Bu. São Paulo: Scipione, 2009.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano. 22. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2014.

CHARTIER, Roger. Formas e sentido. Cultura escrita: entre distinção e apropriação. Trad. Maria de Lourdes Meirelles Matendo. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2003. (Coleção História da Leitura)

CHARTIER, Anne-Marie. Um dispositivo sem autor: cadernos e fichários na escola primária. Revista Brasileira de História da Educação. Campinas, n. 3, p. 9-26, jan./jun. 2002.

CHARTIER, Anne-Marie. Exercícios escritos e cadernos de alunos: reflexões sobre práticas de longa duração. In: CHARTIER, Anne Marie. Práticas de leitura e escrita: história e atualidade. Belo Horizonte: Autêntica. CEALE, 2007. (Coleção Linguagem e educação)

CORDOVA, Tania. A escola normal em Lages (SC): lentes no presente e deslocamentos ao passado (2015-1933). 2017. 386 f. Tese (Doutorado em Educação) - Centro de Ciências Humanas e da Educação, Universidade do Estado de Santa Catarina, UDESC, Florianópolis, 2017.

GÓMEZ, Antonio Castillo. Educação e cultura escrita: a propósito dos cadernos e escritos escolares. Revista Educação, Porto Alegre, v. 35, n. 1, p. 66-72, jan./abr. 2012.

GÓMEZ, Antonio Castillo. Los Cuadernos escolares a la luz de la História de la cultura escrita. 2010. Disponível em: https://ebuah.uah.es/dspace/bitstream/handle/10017/6758/Cuadernos%20Escolares.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 12 mar. 2018.

GRAZZIOTINE, Luciana; GASTAUD, Carla. Nos traços de caligrafia, indícios de um tempo escolar. Revista História da Educação, v. 14, n. 30, p. 207-226, enero-abril, 2010.

GVIRTZ, Silvina. El discurso escolar a través de los cuadernos de clase: Argentina 1930 - 1970. Buenos Aires: Eudeba, 1996.

GVIRTZ, Silvina; LARRONDO, Marina. Os cadernos de classe como fonte primária de pesquisa: alcances e limites teóricos e metodológicos para sua abordagem. In: MIGNOT, Ana Chrystina Venâncio (Org.). Cadernos à vista: escola, memória e cultura escrita. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2008.

HÉBRARD, Jean. Por uma bibliografia material das escritas ordinárias: a escritura pessoal e seus suportes. In: Mignot, A. C.V; Bastos, M. H. C., Cunha, M. T. S. (Org.). Refúgios do eu: educação, história, escritas autobiográficas. Florianópolis: Mulheres, 2000.

HÉBRARD, Jean. Por uma bibliografia material das escritas ordinárias: o espaço gráfico do caderno escolar (França – séculos XIX-XX). Revista Brasileira de História da Educação. Campinas, n. 1, p. 115-141, jan./jun. 2001.

HÉBRARD, Jean. A lição e o exercício: algumas reflexões sobre a história das práticas escolares de leitura e escrita. Revista Educação Santa Maria, v. 32, n. 1, 2007.

FISCHER, Rosa. Maria. Foucault e a análise do discurso em educação. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 114, p. 197-223, nov. 2001.

FONTOURA, Afro de Amaral. A escola viva: metodologia do ensino primário. 9. ed. Rio de Janeiro: Aurora, 1963.

JACQUES, Alice Rigoni. As marcas de correção em cadernos escolares do curso primário do Colégio Farroupilha/RS 1948/1958. Dissertação (Mestrado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre/RS, 2011.

LOPES, Isa Cristina da Rocha. Memória e discurso em marcas de correção: um estudo de cadernos escolares. Dissertação (Mestrado em Memória Social) – Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro/RJ, 2006.

LOPES, Isa Cristina da Rocha. Cadernos escolares: memória e discurso em marcas de correção. In: MIGNOT, Ana Chrystina Venâncio (Org.). Cadernos à vista: escola, memória e cultura escrita. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2008.

MAGALHÃES, Justino. Escrita escolar e oficialização da escola Portuguesa. In: VIII Congreso Internacional História de la Cultura Escrita. Universidad de Alcalá, 5 a 8 de julio de 2005. Sección 3ª: Escrituras cotidianas em contextos educativos. 2005.

MIGNOT, Ana Chrystina. Um certo objeto-memória: apontamentos sobre cadernos escolares. In: III Seminário Internacional Redes de conhecimento e a tecnologia: imagem e cidadania, 2005, Rio de Janeiro. Anais do III Seminário Internacional Redes de conhecimento e a tecnologia: imagem e cidadania, 2005.

MIGNOT, Ana Chrystina. Um objeto quase invisível. In: MIGNOT, Ana Chrystina Mignot (Org.). Cadernos à vista: escola, memória e cultura escrita. Rio de Janeiro: Ed. EdUERJ, 2008a.

MIGNOT, Ana Chrystina. Não me esqueça num canto qualquer. Rio de Janeiro: Educação e Imagem, 2008b. CD-ROM.

MONKS, Joseane Cruz. Do artesanal ao digital: uma genealogia dos meios de produção e reprodução de folhinhas de atividades em cadernos de alunos. 2019. 152 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação/FaE, Universidade Federal de Pelotas/UFPel, Pelotas, 2019.

MORAES, Artur Gomes. Sistema de escrita alfabética. São Paulo: Melhoramentos, 2012.

NEUBERT, Caroline Guião Coelho. Os Sentidos Atribuídos pelas Crianças aos seus Cadernos Escolares. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis/SC, 2013.

PERES, Eliane; BARUM, Sylvia Tavares. O ditado escolar sob o enfoque histórico: um estudo a partir de cadernos de crianças em processo de alfbetização. In: IX Congresso Iberoamericano de História da Educação Latino-Americana, 2009, Rio de Janeiro. Anais do IX Congresso Iberoamericano de História da Educação Latino-Americana, 2009. v. 1. p. 1-8.

PERES, Eliane. A alfabetização vista através de cadernos escolares (1958-2009). In: XV ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino, 2010, Belo Horizonte. Anais do XV ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino. Belo Horizonte: UFMG, 2010.

PERES, Eliane. Um estudo da história da alfabetização através dos cadernos escolares (1943-2010). Cadernos de História da Educação. v.11, n. 1 – jan./jun. 2012.

RAZZINI, Marcia de Paula G. Instrumentos de escrita na escola elementar: tecnologias e práticas. In: MIGNOT, Ana Chrystina (Org.). Cadernos à vista: escola, memória e cultura escrita. Rio de Janeiro: Ed. EdUERJ, 2008.

VIÑAO, Antonio. Os cadernos escolares como fonte histórica: aspectos metodológicos e historiográficos. In: MIGNOT, Ana Chrystina (Org.). Cadernos à vista: escola, memória e cultura escrita. Rio de Janeiro: Ed. EdUERJ, 2008.

VIDAL, Diana. G.; ESTEVES, I.L. Modelos caligráficos concorrentes: as prescrições para a escrita na escola primária paulista (1910-1940). In: PERES, E., TAMBARA, E. (Org.). Livros escolares e ensino da leitura e da escrita no Brasil (séculos XIX - XX). Pelotas/RS: Seiva, 2003.

SANTOS, Vera Mendes dos. Caderno escolar: um dispositivo feito peça por peça para a produção de saberes e subjetividade. Anais: IV Reunião Científica Regional da ANPEd (ANPEd-Sul), Santa Catarina/SC, 2002.

SOARES, Magda. Aprender a escrever, ensinar a escrever. In: ZACCUR, E. (org.). A Magia da Linguagem. Rio de Janeiro: DP&A: SEPE, 2001.

STEPHANOU, Maria; BASTOS, Maria Helena Câmara. Da sensibilidade das mãos à harmonia da escrita: Memórias, artefatos e gestos da caligrafia na história da educação. In: TRINCHÃO, Gláucia Maria da Costa (Org.). Do desenho das belas letras à livre expressão do desenho da escrita. Salvador: EDUFBA, 2012.

Downloads

Publicado

2020-11-21

Como Citar

SILVEIRA, A. A. da; MICHEL, C. B. “Que letra bonita! Continue assim!”: registros de professoras alfabetizadoras em cadernos de alunos sobre o ensino e o uso dos tipos de letras. RIDPHE_R Revista Iberoamericana do Patrimônio Histórico-Educativo, Campinas, SP, v. 6, n. 00, p. e020015, 2020. DOI: 10.20888/ridpher.v6i00.14026. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/ridphe/article/view/14026. Acesso em: 22 jan. 2021.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO