Metadados de preservação digital e os registros digitais arquivísticos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rebpred.v2i00.15890

Palavras-chave:

Metadados, Preservação Digital, Registros digitais arquivísticos

Resumo

A intensa utilização de plataformas eletrônicas, especialmente no contexto da pandemia do Covid-19, provocou um aumento significativo dos registros digitais, que documentam os mais variados tipos de atividades pessoais e profissionais. Isto evidenciou a necessidade de descrever e contextualizar estes registros, a fim de contribuir para sua preservação e acesso a longo prazo. Assim, este artigo objetiva fazer uma reflexão acerca das condições que tornam um registro digital, arquivístico e a importância de se considerar os metadados destes registros para a sua preservação. As discussões foram desenvolvidas com base em uma revisão sistemática de literatura, fazendo uso do método PRISMA. Constatou-se que, a partir do instante que o metadado passa a fazer parte do registro digital arquivístico, os cuidados para a gestão desses metadados passam a ser tão importantes quanto os cuidados para a gestão do documento ou registro, isoladamente. Já que é impossível realizar a preservação de longo prazo destes materiais sem o efetivo gerenciamento dos metadados que o compõem. Conclui-se que é premente, por parte dos Arquivistas, ampliar a compreensão dos registros digitais arquivísticos como um constructo teórico com desafios conceituais e pragmáticos diferentes, mas não excludentes, daqueles existentes no documento arquivístico digital

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Felipy Cunha da Silva, Universidade Federal da Paraíba

Mestre em Ciência da Informação pela Universidade Federal da Paraíba.

Wagner Junqueira de Araújo, Universidade Federal da Paraíba

Doutor em Ciência da Informação pela Universidade de Brasília. Professo Adjunto III da Universidade Federal da Paraíba. 

Sandra de Albuquerque Siebra, Universidade Federal de Pernambuco

Doutora em Ciência da Computação da Universidade Federal de Pernambuco. Professora da Universidade Federal de Pernambuco.

Referências

ACKER, A. Quando é um registro? Estrutura de pesquisa para localização de registros eletrônicos na infraestrutura. GILLILAND, A. J.; MCKEMISH, S.; LAU, A. J. (org.). Pesquisa no multiverso arquivístico. Tradução de Ana C. Rodrigues. Salvador: 9Bravos, 2019.

ADU, K. K.; NGULUBE, P. Preserving the digital heritage of public institutions in Ghana in the wake of electronic government. LIBRARY HI TECH, ENGLAND, v. 34, n. 4, p. 748–763, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1108/LHT-07-2016-0077. Acesso em: 07 ago. 2021.

ARAÚJO, C. A. A. O que é ciência da informação. Belo Horizonte: KMA, 2018.

ARQUIVO NACIONAL (Brasil). Dicionário Brasileiro de Terminologia Arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005.

BARON, J. R.; THURSTON, A. What lessons can be learned from the US archivist’s digital mandate for 2019 and is there potential for applying them in lower resource countries? Records Management Journal, [s.l.], v. 26, no 2, p. 206–217, 2016.

BRINDLEY, G.; MUIR, A.; PROBETS, S. Provision of digital preservation metadata: A role for ONIX? Program, [S. l.], v. 38, n. 4, p. 240–250, 2004. Disponível em: https://doi.org/10.1108/00330330410699883. Acesso em: 07 ago. 2021.

CÂMARA TÉCNICA DE DOCUMENTOS ELETRÔNICOS (CTDE). Glossário. Disponível em: http://www.documentoseletronicos.arquivonacional.gov.br/media/2008ctdeglossariov5.pdf. Acesso em: 12 ago. 2021.

CANTARA, L. Long-term preservation of digital humanities scholarship. OCLC Systems and Services, [S. l.], v. 22, n. 1, p. 38–42, 2006. Disponível em: https://doi.org/10.1108/10650750610640793. Acesso em: 07 ago. 2021.

CASTELLS, M. A sociedade em rede: a era da informação: economia, sociedade e cultura. Tradução Roneide Venâncio Majer. 6. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

CCSDS – Consultative Committee for Space Data System. Reference Model for an Open Archival Information System (OAIS). Blue book (CCSDS 650.0-B-1). Washington, DC: CCSDS, 2002. Disponível em http://public.ccsds.org/publications/archive/650x0b1.pdf. Acesso em: 06 ago. 2021.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS (BRASIL). Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos. e-ARQ Brasil: Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2011. Disponível em: http://www.siga.arquivonacional.gov.br/images/publicacoes/e-arq.pdf. Acesso em: 26 jul. 2021.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS (BRASIL). Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos. Resolução nº. 43, de 4 de setembro de 2015. Estabelece diretrizes para a implementação de repositórios arquivísticos digitais confiáveis para o arquivamento e manutenção de documentos arquivísticos digitais em suas fases corrente, intermediária e permanente, dos órgãos e entidades integrantes do Sistema Nacional de Arquivos - SINAR. Disponível em: http://conarq.gov.br/resolucoes-do-conarq/281-resolucao-n-39-de-29-de-abril-de-2014.html. Acesso em: 26 jul. 2021.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS (BRASIL). Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos (CTDE). Glossário documentos arquivísticos digitais. 2020. Disponível em: http://antigo.conarq.gov.br/images/ctde/Glossario/glosctde_2020_08_07.pdf. Acesso em: 20 jul. 2021.

DAPPERT, A. et al. Describing and preserving digital object environments. New Review of Information Networking, [s. l.], v. 18, n. 2, p. 106–173, 2013. Disponível em: https://doi.org/10.1080/13614576.2013.842494. Acesso em: 07 ago. 2021.

DAY, M. Preservation metadata. UKOLN, University of Bath, 2003. Disponível em: http://www.ukoln.ac.uk/metadata/publications/iylim-2003/. Acesso em: 07 ago. 2021.

DIGITAL PRESERVATION WORKING GROUP, UNIVERSITY LIBRARY, GLASGOW UNIVERSITY. Glasgow University Digital Preservation Policy - Version 3.8. Glasgow: [s. n.], 2020. Disponível em: https://www.gla.ac.uk/media/Media_598622_smxx.pdf. Acesso em: 07 ago. 2021.

FENG, H. Identity and archives: return and expansion of the social value of archives. Archival Science, v. 17, no 2, p. 97–112, 2017.

FORMENTON, D. et al. Metadata standards as a technological resource to guarantee digital preservation. Biblios – Revista de bibliotecologia y Ciencias de la Informacion, USA, n. 68, p. 82–95, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.5195/biblios.2017.414. Acesso em: 07 ago. 2021.

HENTTONEN, P. Privacy as an archival problem and a solution. Archival Science, v. 17, no 3, p. 285–303, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1007/s10502-017-9277-0. Acesso em: 07 ago. 2021.

KATUU, S. Managing digital records in a global environment. The Electronic Library, [s.l.], v. 34, no 5, p. 869–894, 2016, DOI: 10.1108/EL-04-2015-0064. Acesso em: 07 ago. 2021.

LAVOIE, B.; GARTNER, R. Preservation Metadata. OCLC, September 2005. Disponível em: http://www.dpconline.org/docs/reports/dpctw05-01.pdf. Acesso em: 05 ago. 2021.

LE COADIC, Y. F. A Ciência da Informação. Tradução Maria Yeda S. F. de Filgueiras Gomes. Brasília: Briquet de Lemos, 1996.

LEVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999. Disponível em: https://mundonativodigital.files.wordpress.com/2016/03/cibercultura-pierre-levy.pdf. Acesso em: 12 ago. 2021.

LI, C.; SUGIMOTO, S. Provenance description of metadata using PROV with PREMIS for long-term use of metadata. Proceedings of the International Conference on Dublin Core and Metadata Applications. Dublin Core metadata initiative, 2014. p. 147–156. Disponível em: https://www.scopus.com/inward/record.uri?eid=2-s2.0-85013660318&partnerID=40&md5=ca8571fafb61e76760ff385b7df0097f. Acesso em: 07 ago. 2021.

MATTERLART, A. História da sociedade da informação. Ed. Loyola: São Paulo, 2006.

MOHER, D. et al. Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta-Analyses: The PRISMA Statement. PLOS Medicine, v. 6, n. 4, p. 1-6, 2009. Disponível em: http://journals.plos.org/plosmedicine/article/file?id=10.1371/journal.pmed.1000097&type=printable. Acesso em: 18 jul. 2021.

RAMALHO, J. C. et al. RODA-in A generic tool for the mass creation of Submission Information Packages. In: 12th Iberian Conference on Information Systems and Technologies (CISTI). Nova Iorque, Estados Unidos, 2017. Disponível em: https://dx.doi.org/10.23919/CISTI.2017.7975761. Acesso em: 07 set. 2020.

RIES, T. The rationale of the born-digital dossier genetique: Digital forensics and the writing process: With examples from the Thomas Kling Archive. DIGITAL SCHOLARSHIP IN THE HUMANITIES, ENGLAND, v. 33, n. 2, p. 391–424, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1093/llc/fqx049. Acesso em: 07 ago. 2021.

ROGERS, C. Diplomatics of born digital documents - considering documentary form in a digital environment. Records Management Journal, [s.l.], v. 25, no 1, p. 6–20, 2015. ISSN: 09565698, DOI: 10.1108/RMJ-03-2014-0021. Acesso em: 07 ago. 2021.

SAYÃO, L. F. Uma outra face dos metadados: informações para a gestão da preservação digital. Encontros Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, [S. l.], p. 1–31, 2010. Disponível em: https://doi.org/10.5007/1518-2924.2010v15n30p1. Acesso em: 07 ago. 2021.

SCHWAITZER, L. de B. da S. O arquivista na aurora digital: diálogo com Bruno Delmas. Revista do Arquivo, n. 6, p. 9-15, Abr. 2018. ISSN: 2447-908X. Disponível em: http://www.arquivoestado.sp.gov.br/revista_do_arquivo/06/ensaio.php#inicio_artigo. Acesso em: 10 ago. 2021.

SPENCE, A. et al. Case study: the University of Glasgow’s digital preservation journey 2017-2019. Insights, Research Information Administrator: digital preservation University, v. 32, p. 1–9, 2019. Disponível em: https://search.proquest.com/docview/2203049840?accountid=149610. Acesso em: 07 ago. 2021.

SVÄRD, P. The woes of Swedish private archival institutions. Records Management Journal, [s.l.], v. 27, no 3, p. 275–285, 2017. ISSN: 09565698, DOI: 10.1108/RMJ-01-2016-0003. Acesso em: 13 ago. 2021.

Downloads

Publicado

2021-10-25

Como Citar

SILVA, P. F. C. da; ARAÚJO, W. J. de .; SIEBRA, S. de A. Metadados de preservação digital e os registros digitais arquivísticos . Revista Brasileira de Preservação Digital, Campinas, SP, v. 2, n. 00, p. e021003, 2021. DOI: 10.20396/rebpred.v2i00.15890. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/rebpred/article/view/15890. Acesso em: 20 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigo de Revisão