Política econômica, neoliberalismo e mercado de trabalho no Brasil (2015-2021)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbest.v4i00.16620

Palavras-chave:

Mercado de trabalho, Política econômica, Neoliberalismo

Resumo

Recentemente, a política econômica brasileira sofreu inflexão e o pensamento neoliberal voltou a ocupar as esferas decisórias do poder. Os impactos dessa mudança, consolidada nos mandatos de Michel Temer e Jair Bolsonaro, sobre o mundo do trabalho são a preocupação deste artigo. O texto defende que houve deterioração da estrutura ocupacional, expressa no crescimento da desocupação, na perda de qualidade das ocupações geradas e no avanço da inatividade indesejada. Destaca-se que os problemas causados pela Covid-19, um fato relevante, apenas agravaram o cenário pré-existente. Para tanto, o texto combina uma discussão da bibliografia recentemente produzida sobre o tema com uma análise de dados provenientes de pesquisas domiciliares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tiago Oliveira, Universidade de Coimbra

Doutorado em Desenvolvimento Econômico pela Universidade Estadual de Campinas, Brasil. Investigador do Observatório sobre Crises e Alternativas do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, Portugal.

Ricardo Luiz Chagas Amorim, Universidade Federal do ABC

Doutorado em Desenvolvimento Econômico pela Universidade Estadual de Campinas, Brasil. Pós-doutorado pelo Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, Portugal. Pesquisador do grupo Cadeias Globais de Valor da Universidade Federal do ABC, Brasil.

Referências

Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) (2015). Plano Brasil Maior: Balanço executivo 2011-2014. https://www.abdi.com.br/Estudo/PBM%20-%20Balan%C3%A7o_.pdf

Amorim, R. L. C. (2015, junho). O Plano Levy e seu previsível (in)sucesso. Le Monde Diplomatique Brasil, (95). https://diplomatique.org.br/o-plano-levy-e-seu-previsivel-insucesso/

Amorim, R. L. C. (2020, dezembro). O ciclo de crescimento brasileiro entre 2003 e 2014. [Anais do 48º Encontro Nacional de Economia, Área 3: História Econômica], ANPEC, Brasília. https://en.anpec.org.br/previous-editions.php?r=encontro-2020

Barbosa, N. (2019, maio). O problema das três regras fiscais. Le Monde Diplomatique Brasil, (142) [Observatório da Economia Contemporânea]. https://diplomatique.org.br/o-problema-das-tres-regras-fiscais/

Barbosa, N., & Souza, J. A. P. de (2010). A inflexão do governo Lula: política econômica, crescimento e distribuição de renda. In E. Sader & M. A. Garcia (Eds.), Brasil: entre o passado e o futuro. FPA e Boitempo.

Belluzzo, L. G., & Almeida, J. S. G. (Eds.). (2002). Depois da queda: a economia brasileira da crise da dívida aos impasses do real. Civilização Brasileira.

Bruno, M., & Caffe, R. (2018). Determinantes das taxas de lucro e de acumulação no Brasil: os fatores estruturais da deterioração conjuntural de 2014-2015. Brazilian Journal of Political Economy, 38(2), 237–260. https://doi.org/10.1590/0101-31572018v38n02a02

Caleiras, J., & Caldas, J. M. (2017). Emprego e desemprego: o que mostram e o que escondem as estatísticas? In M. C. da Silva, P. Hespanha, & J. C. Caldas (Coords.), Trabalho e políticas de emprego: Um retrocesso evitável (pp. 197-244). Actual Editora.

Carneiro, R. (2019). A agenda econômica anacrônica do Governo Bolsonaro. Brazilian Keynesian Review, 5(1), 154–173. https://doi.org/10.33834/bkr.v5i1.200

Carvalho, L. (2018). Valsa brasileira: do boom ao caos econômico. Todavia.

Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) (2014). Remessa de lucros e dividendos: setores e dinâmica da economia brasileira. [Nota Técnica n. 137]. http://www.dieese.org.br/notatecnica/2014/notaTec137RemessaLucros.pdf

Dweck, E., Oliveira, A. L. M., & Rossi, P. (Orgs.) (2020). Economia pós-pandemia: Desmontando os mitos da austeridade fiscal e construindo um novo paradigma econômico. Autonomia Literária. https://pedrorossi.org/economia-pos-pandemia-desmontando-os-mitos-da-austeridade-fiscal-e-construindo-um-novo-paradigma-economico-no-brasil/

Feijó, C., Araújo, E. C., & Bresser-Pereira, L. C. (2022). Política monetária no Brasil em tempos de pandemia. Revista de Economia Política, 42(1), 150–171. https://doi.org/10.1590/0101-31572022-3353

Filgueiras, L. A. M. (2000). História do Plano Real: fundamentos, impactos e contradições. Boitempo.

Fiori, J. L. (2003). O voo da coruja: para reler o desenvolvimentismo brasileiro. Record.

Franco, G. (1999). O desafio brasileiro: ensaios sobre desenvolvimento, globalização e moeda. Editora 34.

Gala, P. (2021, julho 22). Ascensão e queda da complexidade produtiva da economia brasileira: 1964-2016. Blog do Paulo Gala. https://www.paulogala.com.br/ascensao-e-queda-da-complexidade-da-economia-brasileira1964-2014

Gandra, A. (2014, set. 23). Brasil precisa “dar um salto” em ciência e tecnologia, diz presidente da Finep. Agência Brasil. https://agenciabrasil.ebc.com.br/pesquisa-e-inovacao/noticia/2014-09/brasil-precisa-dar-um-salto-na-area-de-cti-assegura-presidente

Gentil, D., & Araújo, V. (2021). O primeiro governo FHC (1995-1998): o neoliberalismo escancarado. In F. A. Mattos, & V. Araújo (Eds.), A economia brasileira de Getúlio a Dilma: novas interpretações. Hucitec.

Gentil, D., & Araújo, V. (2021). O segundo governo FHC: consolidação e crise do projeto neoliberal. In F. A. Mattos, & V. Araújo (Eds.), A economia brasileira de Getúlio a Dilma: novas interpretações. Hucitec.

Kerstenetzky, C. (2017). Foi um pássaro, foi um avião? Redistribuição no Brasil no século XXI. Novos Estudos CEBRAP, 36(2), 15–34. https://doi.org/10.25091/S0101-3300201700020002

Laplane, M., Coutinho, L., & Hiratuka, C. (Eds.) (2004). Internacionalização e desenvolvimento da indústria no Brasil. Editora da Unesp.

Lélis, M., Cunha, A., & Lima, M. (2012). The performance of Chinese and Brazilian exports to Latin America, 1994-2009. CEPAL Review, 106, 55–73. https://doi.org/10.18356/d4de1911-en

Marquetti, A., & Porsse, M. (2014). Patrones de progreso técnico en la economía brasileña, 1952-2008. Revista CEPAL, 113, 57–73. https://doi.org/10.18356/aef91620-en

Megale, C., & Barbosa, F. (2014, setembro 26). Dólar segue se valorizando. A Semana em Revista. Banco Itaú. https://www.itau.com.br/_arquivosestaticos/itauBBA/contents/common/docs/Semana_em_revista_26set14.pdf

Miguel, L. F. (2018). A reemergência da direita brasileira. In E. S. Gallego (Ed.), O ódio como política: a reinvenção da direita no Brasil (pp. 17-26). Boitempo.

Ministério da Fazenda. (2015). Reequilíbrio fiscal e retomada da economia. https://www.conjur.com.br/dl/retomada-economia-ministerio-fazenda.pdf

Oliveira, F. (2003). Crítica à razão dualista: O ornitorrinco. Boitempo.

Oliveira, T. (2017). Trabalho e padrão de desenvolvimento: uma reflexão sobre a reconfiguração do mercado de trabalho brasileiro. Hucitec.

Orair, R. (2014). A dinâmica recente dos gastos públicos brasileiros (iii): a retomada do investimento público no Brasil e os desafios do padrão de financiamento. In C. H. M. dos Santos, & R. R. Gouvêa (Eds.), Finanças públicas e macroeconomia no Brasil: um registro da reflexão do Ipea (2008-2014) (pp. 89-110). Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/3264/2/Finan%c3%a7as%20p%c3%bablicas%20e%20macroeconomia%20no%20Brasil%20-%20v.%202.pdf

Oreiro, J. L., & Paula, L. F. (2019). A economia brasileira no governo Temer e Bolsonaro: uma avaliação preliminar. [Texto para discussão]. http://rgdoi.net/10.13140/RG.2.2.28213.01766

Organização Internacional do Trabalho (OIT) (2011). Brasil: uma estratégia inovadora alavancada pela renda. (Estudos sobre crescimento com equidade). Instituto Internacional de Estudos do Trabalho. https://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/---dgreports/---dcomm/---publ/documents/publication/wcms_153770.pdf

Organização Internacional do Trabalho (OIT) (2013). Resolución I (Resolución sobre las estadísticas del trabajo, la ocupación y la subutilización de la fuerza de trabajo). 19ª Conferencia Internacional de Estadísticos del Trabajo, Ginebra. https://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/---dgreports/---stat/documents/normativeinstrument/wcms_234036.pdf

Paulani, L. (2008). Brasil delivery: Servidão financeira e estado de emergência econômico. Boitempo.

Paula, L. F., Modenesi, A. M., & Pires, M. (2015). The tale of the contagion of two crises and policy responses in Brazil: a case of (Keynesian) policy coordination? Journal of Post Keynesian Economics, 37(3), 408–435. https://doi.org/10.1080/01603477.2015.1000118

Pereira, L. C. B., Oreiro, J. L., & Marconi, N. (2016). Macroeconomia desenvolvimentista: Teoria e política econômica do novo desenvolvimentismo. Campus. https://www.sciencedirect.com/science/book/9788535263206

Pires, M. C., Borges, B., & Borça Jr., G. (2019). Por que a recuperação tem sido a mais lenta de nossa história? Brazilian Keynesian Review, 5(1), 174–202. https://doi.org/10.33834/bkr.v5i1.204

Prates, D., & Cunha, A. (2012). Medidas macroprudenciais e a evolução do crédito em 2011. Indicadores Econômicos FEE, 39(4), 117–128. https://revistas.planejamento.rs.gov.br/index.php/indicadores/article/view/2726

Saboia, J., & Hallack Neto, J. (2018). Salário mínimo e distribuição de renda no Brasil a partir dos anos 2000. Economia e Sociedade, 27(1), 265–285. http://dx.doi.org/10.1590/1982-3533.2017v27n1art9

Serrano, F., & Summa, R. (2015). Aggregate demand and the slowdown of Brazilian economic growth in 2011-2014. Nova Economia, 25(esp.), 803–833. http://dx.doi.org/10.1590/0103-6351/3549

Singer, A. (2018). O lulismo em crise: um quebra-cabeça do período Dilma (2011-2016). Companhia das Letras.

Tavares, M. C. (1997). A retomada da hegemonia norte-americana. In M. C. Tavares, & J. L. Fiori (Eds.), Poder e dinheiro: uma economia política da globalização. Vozes.

Thirlwall, A. (2005). A natureza do crescimento econômico: um referencial alternativo para compreender o desempenho das nações. Instituto de Pesquisa Econômico Aplicada (IPEA).

Tregenna, F. (2016). Deindustrialisation: an issue for both developed and developing countries. In J. Weiss, & M. A. Tribe (Eds.), Routledge handbook of industry and development (pp. 97-115). Routledge.

Downloads

Publicado

2022-11-10

Como Citar

Oliveira, T., & Amorim, R. L. C. . (2022). Política econômica, neoliberalismo e mercado de trabalho no Brasil (2015-2021). RBEST Revista Brasileira De Economia Social E Do Trabalho, 4(00), e022009. https://doi.org/10.20396/rbest.v4i00.16620