Indústria 4.0 e desemprego tecnológico na manufatura brasileira

propostas de políticas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbest.v3i00.15973

Palavras-chave:

Organização Industrial, Inovação tecnológica, Indústria brasileira, Desemprego

Resumo

A transição digital nas primeiras décadas do século XXI atinge a indústria brasileira em meio a um processo de fragilização de longo prazo, no qual a progressiva perda de competitividade do sistema industrial se soma à perda de participação dos setores intensivos em tecnologia na produção manufatureira nacional. Nesse contexto de especialização em setores e tarefas de baixa complexidade, a indústria brasileira deverá sofrer severamente com os efeitos da nova onda de automação ao longo da década atual. O artigo busca visualizar possíveis cenários, discutir os prováveis impactos do desemprego tecnológico na indústria brasileira e estimular o debate sobre políticas para o enfrentamento do problema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marco Antônio Rocha, Universidade Estadual de Campinas

Doutor em Teoria Econômica pela Universidade Estadual de Campinas. Concentra seus estudo na área de Economia Industrial e História do Pensamento Econômico. Pesquisador do Núcleo de Economia Industrial e Tecnológia e professor do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas.

Referências

Borghi, R. A. Z., & Bacic, M. J. (2021). Evolução do emprego formal e do número de estabelecimentos por porte e setor no Brasil: uma avalição da indústria no período 2002-2017. In A. C. Diegues, & F. Sarti (Orgs.), Brasil: Indústria e desenvolvimento em um cenário de transformação do paradigma tecnoprodutivo (pp. 89-114). CRV; Unicamp. IE.

Castro, A. B. (2001). A reestruturação industrial brasileira nos anos 1990: Uma interpretação. Revista de Economia Política, 21(3), 3–26. https://doi.org/10.1590/0101-31572001-1251

Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) (2020). Brasil: Mestres e Doutores 2019. Serviços de Informação sobre RH para CT&I. https://mestresdoutores2019.cgee.org.br

Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) (2021). Desenvolvimento tecnológico e mercado de trabalho – Digitalização e relação homem-máquina: mudanças e tendências na legislação e regulação em nível global. https://www.cgee.org.br/documents/10195/734063/cgee_sdt23_DTMT.pdf/761fb0b0-e889-4a90-9361-7121e0bc98c1?version=1.3

Dachs, B., & Zanker, C. (2015). Backshoring of production activities in European manufacturing. [MPRA Paper, No. 63868], Munich Personal RePEc Archive. https://mpra.ub.uni-muenchen.de/63868/1/MPRA_paper_63867.pdf

Diegues, A. C. (2021). As transformações na dinâmica de acumulação produtiva brasileira e a emergência de uma nova versão do industrialismo periférico. In A. C. Diegues, & F. Sarti (Orgs.), Brasil: Indústria e desenvolvimento em um cenário de transformação do paradigma tecnoprodutivo (pp. 243-264). CRV; Unicamp. IE.

Gala, P., Camargo, J. S. M. de, Magacho, G., & Rocha, I. (2018). Sophisticated jobs matter for economic complexity: An empirical analysis based on input-output matrices and employment data. Structural Change and Economic Dynamics, 45, 1–8. https://doi.org/10.1016/j.strueco.2017.11.005

Gimenez, D., & Santos, A. (2019). Indústria 4.0, manufatura avançada e seus impactos sobre o trabalho. [Texto para Discussão, n. 371], Instituto de Economia, Unicamp. https://www.eco.unicamp.br/images/arquivos/artigos/TD/TD371.pdf

Hidalgo, C. (2009). The dynamics of economic complexity and the product space over a 42 year period. [CID Working Paper, No. 189], Center for International Development, Harvard University. https://www.hks.harvard.edu/centers/cid/publications/faculty-working-papers/dynamics-economic-complexity-and-product-space-over-42-year-period

Hidalgo, C. (2021). Economic complexity theory and applications. Nature Reviews Physics, 3, 92–113. https://doi.org/10.1038/s42254-020-00275-1

Instituto Euvaldo Lodi (IEL) (2017). Mapa de clusters tecnológicos e tecnologias relevantes para a competitividade de sistemas produtivos: Riscos e oportunidades para o Brasil diante de inovações disruptivas. https://www.portaldaindustria.com.br/publicacoes/2017/10/nota-tecnica-etapa-i-do-projeto-industria-2027/

Manyika, J., Sinclair, J., Dobbs, R., Strube, G., Rassey, L., Mischke, J., Remes, J., Roxburgh, C., George, K., O'Halloran, D., & Ramaswamy, S. (2012, November). Manufacturing the future: the next era of global growth and innovation. Mckinsey Global Institute. https://www.mckinsey.com/business-functions/operations/our-insights/the-future-of-manufacturing

Manyika, J., Chui, M., Miremadi, M., Bughin, J., George, K., Willmott, P., & Dewhurst, M. (2017, January). A future that works: automation, employment and productivitiy. Mckinsey Global Institute. https://www.mckinsey.com/featured-insights/digital-disruption/harnessing-automation-for-a-future-that-works/de-DE

Mazzucato, M., & Penna, C. (2015). Estado vs. mercados: uma falsa dicotomia. Revista Política Social e Desenvolvimento, (21), 8–15. https://issuu.com/politicasocial/docs/revista_21

Milberg, W., & Winkler, D. (2010). Trade, crisis, and recovery: Restructuring global value chains. In O. Cattaneo, G. Gereffi, & C. Staritz (Eds.), Global value chains in a postcrisis world: a development perspective (pp. 23-72). International Bank for Reconstruction and Development/The World Bank. https://openknowledge.worldbank.org/handle/10986/2509

Milberg, W., & Winkler, D. (2013). Outsourcing Economics: global value chains in capitalist development. Cambridge University.

Nogueira, M. O. (2019). Um pirilampo no porão: um pouco de luz nos dilemas da produtividade das pequenas empresas e da informalidade no país. Instituto de pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/8087

Organisation for Economic Co-operation and Development (OECD) (2016). Enabling the next production revolution: the future of manufacturing and services [Interim Report]. https://www.oecd.org/mcm/documents/Enabling-the-next-production-revolution-the-future-of-manufacturing-and-services-interim-report.pdf

O’Sullivan, E., Andreoni, A., López-Gómez, C., & Gregory, M. (2013). What is new in the new industrial policy? A manufacturing systems perspective. Oxford Review of Economic Policy, 29(2), 432–462. https://doi.org/10.1093/oxrep/grt027

Rocha, M. A. (2019). Uma proposta para política de desenvolvimento produtivo e tecnológico: uma via para o Brasil no próximo paradigma tecnológico. Cadernos de Campo, (27), 17–38. https://periodicos.fclar.unesp.br/cadernos/article/view/13731

Sau, L. (2007). New pecking order financing for innovative firms: an overview. [Working Paper Series, No. 02/2007], Dipartimento di Economia, Università di Torino. https://mpra.ub.uni-muenchen.de/3659/1/MPRA_paper_3659.pdf

Suzigan, W., & Furtado, J. (2010). Instituições e políticas industriais e tecnológicas: reflexões a partir da experiência brasileira. Estudos Econômicos, 40(1), 7–41. https://doi.org/10.1590/S0101-41612010000100001

Suzigan, W., Garcia, R. C., & Feitosa, P. H. A. (2021). Instituições e os desafios da política industrial no Brasil. In A. C. Diegues, & F. Sarti (Orgs.), Brasil: Indústria e desenvolvimento em um cenário de transformação do paradigma tecnoprodutivo (pp. 313-334). CRV; Unicamp. IE.

Tcherneva, P. R. (2020). The case for a job guarantee. Polity.

World Economic Forum (WEF) (2020). The future of jobs Report 2020. https://www3.weforum.org/docs/WEF_Future_of_Jobs_2020.pdf

Downloads

Publicado

2021-12-24

Como Citar

Rocha, M. A. (2021). Indústria 4.0 e desemprego tecnológico na manufatura brasileira: propostas de políticas. RBEST Revista Brasileira De Economia Social E Do Trabalho, 3(00), e021019. https://doi.org/10.20396/rbest.v3i00.15973