A era Lula, Celso Furtado e a economia política do crescimento com inclusão social

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbest.v3i00.13792

Palavras-chave:

Mercado de trabalho, Subemprego estrutural, Inclusão social, Brasil

Resumo

Este artigo visa ajudar a compreender melhor a Era Lula, um período em que ocorreu um intenso e surpreendente processo de inclusão social no Brasil. Para tal, são resgatados elementos da obra de Celso Furtado, porque em sua fase pós-estagnacionista a relação entre crescimento econômico e distribuição de renda ganha maior peso na sua análise e porque essa relação e os seus determinantes estiveram na base do processo inclusivo da Era Lula. Esse processo se baseou no aumento da renda ancorado no desempenho do mercado de trabalho, um processo claramente vinculado à dinâmica econômica. Porém, é importante destacar que tal desempenho vinculou-se não só à magnitude, mas sobretudo à forma como se expandiu a produção. É na definição do perfil de expansão (padrão de acumulação) e de sua influência sobre o mercado de trabalho que residem os principais determinantes da relação entre crescimento e distribuição, tão bem mapeados por Furtado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vinicius Gomes Lobo, Universidade Federal de Pernambuco

Mestre em Sociologia pela Universidade Federal de Pernambuco.

 

Felipe Vella Pateo, Universidade de Brasília

Doutor em Ciências Sociais pela Universidade de Brasília.

 

Referências

Amitrano, C. (2015) Um mapa setorial do emprego e dos salários a partir de dados da RAIS. (Textos para Discussão IPEA, n. 2033), Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, Brasília. http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/3633/1/td_2033.pdf

Bacha, E., & Bonelli, R. (2001). Crescimento e produtividade no Brasil: o que nos diz o registro de longo prazo. (Seminários Dimac, n. 52), Diretoria de Estudos Macroeconômicos, IPEA, Brasília. http://www.worldcat.org/title/crescimento-e-produtividade-no-brasil-o-que-nos-diz-o-registro-de-longo-prazo/oclc/51940699&referer=brief_results

Bacha, E., & Bonelli, R. (2013). Crescimento brasileiro revisitado. In F. Veloso et al. (Orgs.), Desenvolvimento econômico: uma perspectiva brasileira (cap. 8). Rio de Janeiro: Elsevier.

Baltar, P. (2015). Crescimento da economia e mercado de trabalho no Brasil. In A. Calixtre, A. Biancarelli, & M. Cintra (Eds.), Presente e futuro do desenvolvimento brasileiro. Brasília: IPEA.

Baltar, P., & Leone, E. (2012). O mercado de trabalho no Brasil nos anos 2000. Carta Social e do Trabalho, (19), 16-39. https://www.cesit.net.br/carta-19-o-mercado-de-trabalho-no-brasil-nos-anos-2000/

Baltar, P., & Leone, E. (2015). Perspectivas para o mercado de trabalho após o crescimento com inclusão social. Estudos Avançados, 29(85), 53-67. https://www.revistas.usp.br/eav/article/view/108922

Baltar, P., Moretto, A., & Krein, J. D. (2006). O emprego formal no Brasil: início do século XXI. In J. D. Krein et al. (Orgs), As transformações no mundo do trabalho e os direitos dos trabalhadores. São Paulo: LTr.

Baltar, P., Santos, A., Krein, J., Leone, E., Proni, M., Moretto, A., Maia, A., & Salas, C. (2010). Moving towards decent work. Labour in the Lula government: reflections on recent Brazilian experience. (GLU Working Papers, n. 9), Global Labour University. https://global-labour-university.org/fileadmin/GLU_Working_Papers/GLU_WP_No.9.pdf

Baltar, P., Souen, J., & Campos, G. (2017). Emprego e distribuição da renda. (Texto para Discussão n. 298), Instituto de Economia, Unicamp, Campinas. https://www.eco.unicamp.br/images/arquivos/artigos/3527/TD298.pdf

Banco Central do Brasil. (2012). Impacto das alterações demográficas sobre a taxa de desemprego. Boletim Regional do Banco Central do Brasil, 6(4), 95-99. https://www.bcb.gov.br/pec/boletimregional/port/2012/10/br201210b1p.pdf

Barbosa, A. F. (2014). “Era Lula”, “desenvolvimentismo” e as desigualdades estruturais. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, (58), 135-136. https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i58p135-136

Barros, R., Henriques, R., & Mendonça, R. (2000). A estabilidade inaceitável: desigualdade e pobreza no Brasil. In R. Henriques, R. (Org.), Desigualdade e pobreza no Brasil (pp. 21-47). Brasília: IPEA.

Barros, R., Carvalho, M., & Franco, S. (2006). Pobreza multidimensional no Brasil. (Texto para Discussão IPEA n. 1227), Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, Brasília. https://www.ipea.gov.br/portal/index.php option=com_content&view=article&id=4372&catid=308

Bielschowsky, R. (1998). Pensamento econômico brasileiro. Rio de Janeiro: Contraponto.

Boianovsky, M. (2010). A view from the tropics: Celso Furtado and the theory of economic development in the 1950s. History of Political Economy, 42(2), 221-266. https://doi.org/10.1215/00182702-2010-002

Bonelli, R. (2005). O que causou o crescimento econômico no Brasil? In F. Giambiagi, et al. Economia brasileira contemporânea: 1945-2004 (pp. 307-334). Rio de Janeiro: Elsevier.

Brito, A. S. (2015). O papel do salário mínimo na redução da desigualdade na distribuição de renda no Brasil entre 1995 e 2013. (Tese de Doutorado em Economia), Universidade Federal Fluminense, Niterói. https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101127.pdf

Brito, A., Foguel, M., & Kerstenetzky, C. (2017). The contribution of minimum wage valorization policy to the decline in household income inequality in Brazil: A decomposition approach. Journal of Post Keynesian Economics, 40(4), 540-575. https://doi.org/10.1080/01603477.2017.1333436

Bresser-Pereira, L. C. (2000). Método e paixão em Celso Furtado. In L. C. Bresser-Pereira, & J. M. Rego (Orgs.), A grande esperança em Celso Furtado (pp. 19-43). São Paulo: Editora 34.

Bresser-Pereira, L. C. (2008). Celso Furtado e a teoria econômica. In C. Furtado, Economia do desenvolvimento: Curso ministrado na PUC-SP em 1975. Rio de Janeiro: Contraponto.

Campos, S. (1991). A questão dos determinantes dos salários nas teorias clássica, marxista e neoclássica. Ensaios FEE, 12(1), 131-157. https://core.ac.uk/download/pdf/235711997.pdf

Cardoso Jr., J. C. (2007). De volta para o futuro? As fontes de recuperação do emprego formal no Brasil e as condições para sua sustentabilidade temporal (Texto para Discussão IPEA n. 1310), Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, Brasília. http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/1417/1/TD_1310.pdf

Cardoso Jr., J. C., & Hamasaki, C. S. (2015) Padrões de desenvolvimento, mercado de trabalho e proteção social: A experiência brasileira entre as décadas liberal (1990) e desenvolvimentista (2000). (Texto para Discussão IPEA, n. 2021), Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, Brasília. https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=24283

Coutinho, M. C. (2019). Furtado e seus críticos: da estagnação à retomada do crescimento econômico. Economia e Sociedade, 28(3), 741-759. https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8658155

Dedecca, C. S. (2007). A redução da desigualdade no Brasil, uma estratégia complexa. In R. P. Barros, M. N. Foguel, & G. Ulyssea (Orgs.), Desigualdade de renda no Brasil: Uma análise da queda recente (vol. 1, pp. 299-330). Brasília: IPEA.

De Negri, F., & Cavalcante, L. R. (2013). Evolução recente dos indicadores de produtividade no Brasil. Radar, (28), 7-15. http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/5231/1/Radar_n28_Evolu%c3%a7%c3%a3o.pdf

Emmenegger, P., Hausermann, S., Palier, B., & Seeleib-Kaiser, M. (2012). The age of dualization: The changing face of inequality in deindustrializing society. New York: Oxford University Press.

Furtado, C. (1968a). Subdesenvolvimento e estagnação na America Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Furtado, C. (1968b). Um projeto para o Brasil. Rio de Janeiro: Saga.

Furtado, C. (1972). Análise do modelo Brasileiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Furtado, C. (1974). O mito do desenvolvimento econômico. São Paulo: Paz e Terra.

Furtado, C. (1983). Teoria e política do desenvolvimento. São Paulo: Abril Cultural.

Furtado, C. (2008). Economia do desenvolvimento. Rio de Janeiro: Contraponto.

Furtado, C. (2013). Elementos de uma teoria do subdesenvolvimento. In R. Freire D’Aguiar (Org.), Essencial Celso Furtado (pp. 113-140). São Paulo: Penguim.

Furtado, C., & Souza, A. (1970). Los perfiles de la demanda y de la inversión. El Trimestre Econômico, 37(147), 463–487. https://www.jstor.org/stable/20856146

Fagnani, E., & Calixtre, A. (2017). A política social e os limites do experimento desenvolvimentista (2003-2014). (Texto para Discussão, n. 295), Instituto de Economia, Unicamp. https://www.eco.unicamp.br/images/arquivos/artigos/3524/TD295.pdf

IPEA. (2012). A década inclusiva (2001-2011): Desigualdade, pobreza e políticas de renda. (Comunicado IPEA n. 155), Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, Brasília. https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=15611

Jannuzzi, P. M., Sousa, M. F., Vaz, A. N. C., Fonseca, J. C. G., & Barbosa, M. V. S. (2014). Dimensionamento da extrema pobreza no Brasil: Aprimoramentos metodológicos e novas estimativas. In T. Campello, T. F. Silva, & P. V. Costa (Orgs.), O Brasil sem miséria (vol. 1, pp. 763-791). Brasilia: MDS.

Lobo, V. (2014). Dois dogmas do Lulismo. Política e Sociedade, 13(26), 133-161. https://doi.org/10.5007/2175-7984.2014v13n26p133

Lobo, V., & Anze, V. (2017). O primeiro governo Dilma e a retração do Lulismo. Cadernos do Desenvolvimento, 12(20), 61-97. http://www.cadernosdodesenvolvimento.org.br/ojs-2.4.8/index.php/cdes/article/view/30

Lobo, V.; Anze, V., Pateo, F. (2019). Economia política do trabalho na Era Lula: Análise da experiência recente de melhoria nas condições de ocupação da força de trabalho. Revista da ABET, 18(1), 82-103. https://periodicos.ufpb.br/index.php/abet/article/view/44285/27549

Macedo, M. (2014). O que vem acontecendo com a produtividade da economia brasileira? In M. P. P. Oliveira, et al. (Orgs.), Rede de pesquisa formação e mercado de trabalho: Coletânea de artigos (Vol. VI: produtividade e desenvolvimento, pp. 75-119). Brasília: IPEA; ABDI. https://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/livros/livros/abdi-ipea-volume6.pdf

Marx, K. (2006). O capital (Vol. 2). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Miglioli, J. (2004). Acumulação de capital e demanda efetiva. São Paulo: Hucitec. (Primeira edição publicada em 1985).

Morgan, M. (2017). Extreme and persistent inequality: New evidence for Brazil combining national accounts, surveys and fiscal data, 2001-2015. (WID.world Working Paper Series n. 2017/12), Wealth & Income Database. https://wid.world/document/extreme-persistent-inequality-new-evidence-brazil-combining-national-accounts-surveys-fiscal-data-2001-2015-wid-world-working-paper-201712/

Neri, M. (1997). Dynamics of income distribution in Brazil. Anais do XXV Encontro Nacional de Economia, ANPEC, Recife, 10 a 12 de dezembro.

Neri, M. (2011). A nova classe média: o lado brilhante da base da pirâmide. São Paulo: Saraiva.

Neri, M. (2014). A nova classe média: O seguro e o lado brilhante da base da pirâmide. https://docplayer.com.br/706152-A-nova-classe-media-o-seguro-e-o-lado-brilhante-da-base-da-piramide-marcelo-neri-mcneri-fgv-br.html

Medeiros, M., Souza, P. H. G. F., & Castro, F. A. (2015). O topo da distribuição de renda no Brasil: primeiras estimativas com dados tributários e comparação com pesquisas domiciliares, 2006-2012. Dados, 58(1), 7–36. https://doi.org/10.1590/00115258201537

Oliveira, F. (2003). Crítica à razão dualista / O ornitorrinco. São Paulo: Boitempo.

Oliveira, L. S. (2010). Três ensaios sobre pobreza multidimensional. (Tese de Doutorado em Economia da Indústria e da Tecnologia), UFRJ, Rio de Janeiro. https://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?id=255618&view=detalhes

Oreiro, J. L., Feijó, C. (2010). Desindustrialização: conceituação, causas, efeitos e o caso brasileiro. Revista de Economia Política, 30(2), 219-232. https://doi.org/10.1590/S0101-31572010000200003

Paula, L. F., Modenesi, A., & Pires, M. (2013). A tela de contágio das duas crises e as respostas da política econômica. In J. L. Oreiro et al. (Eds.), Dossiê da crise IV: A economia brasileira na encruzilhada (pp. 58-66). Associação Keynesiana Brasileira (AKB). https://jlcoreiro.files.wordpress.com/2013/10/dossic3aa_economia_na_encruzilhada.pdf

Piketty, T. (2014). O capital no século XXI. Rio de Janeiro: Intrínseca.

Pochmann, M. (2012). Nova classe média? o trabalho na base da pirâmide social brasileira. São Paulo: Boitempo.

Ramos, C. A. (2012). Economia do trabalho: Modelos teóricos e debate no Brasil. Curitiba: CRV.

Ramos, E. (2019, fevereiro 24). Economista Tânia Bacelar faz análise do ano de 2019. Folha de Pernambuco, Recife. https://www.folhape.com.br/economia/economista-tania-bacelar-faz-analise-do-ano-de-2019/97239/

Rao, V. (2010). O investimento, a renda e o multiplicador numa economia subdesenvolvida. In A. Agarwala, & S. Singh (Orgs.), A economia do subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Contratempo. (Obra original publicada em 1958).

Saboia, J. (2015). Salário mínimo e distribuição de renda no Brasil: Potencial e limites. In N. Barbosa, S. Pessoa, & R. L. Moura (Orgs.), Política de salário mínimo para 2015-2018: Avaliações de impacto econômico e social (pp.65-82). Rio de Janeiro: Elsevier.

Saboia, J., & Hallak Neto, J. (2018). Salário mínimo e distribuição de renda no Brasil a partir dos anos 2000. Economia e Sociedade, 27(1), 265-285. http://dx.doi.org/10.1590/1982-3533.2017v27n1art9

Souza, P. H. (2016). A desigualdade vista do topo: a concentração de renda entre os ricos no Brasil, 1926-2013. (Tese de Doutorado em Sociologia), Universidade de Brasília, Brasília. https://repositorio.unb.br/handle/10482/22005

Spaventa, L. (1967). Effects of changes in the composition of demand on the productivity of labor and employment. International Economic Papers, (12), 178-195.

Standing, G. (2011). The precariat: The new dangerous class. London: Bloomsbury Academic.

Thelene, K. (2014). Varieties of liberalization and the new politics of social solidarity. New York: Cambridge University Press.

Wajnman, S. (1997). Tendências prospectivas de crescimento da população economicamente ativa no Brasil. (Texto para Discussão CEDEPLAR, n. 111), UFMG, Belo Horizonte. http://www.cedeplar.ufmg.br/pesquisas/td/TD%20111.pdf

Downloads

Publicado

2021-07-30

Como Citar

Lobo, V. G., & Pateo, F. V. (2021). A era Lula, Celso Furtado e a economia política do crescimento com inclusão social. RBEST Revista Brasileira De Economia Social E Do Trabalho, 3(00), e021005. https://doi.org/10.20396/rbest.v3i00.13792