O trançado das casas
Na imagem, há seis caixas de papelão com desenhos no fundo, dispostas em duas fileiras. Na fileira superior, a primeira caixa apresenta o desenho de uma árvore sem folhas, a segunda caixa apresenta uma tartaruga e a terceira caixa apresenta uma cadeira de rodinhas estofada. Na fileira inferior, a primeira caixa apresenta uma penteadeira com espelho de cabeça para baixo e as duas últimas caixas juntas formam o desenho de uma mesa de ponta cabeça. No canto superior direito, há o nome da revista e abaixo dele, a indicação de "10 anos". Na parte inferior, estão as informações sobre o volume e número da revista, bem como o ISSN.
PDF

Palavras-chave

Manifestações gráficas indígenas
Grafismos guarani mbya
Ajaka para
Linguagem visual

Como Citar

SANTOS, Bruna Keese dos. O trançado das casas: um estudo sobre os grafismos indígenas aplicados a construções em aldeias Guarani Mbya do município de São Paulo. Proa: Revista de Antropologia e Arte, Campinas, SP, v. 9, n. 2, p. 96–114, 2019. DOI: 10.20396/proa.v9i2.17826. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/proa/article/view/17826. Acesso em: 18 jul. 2024.

Resumo

Este artigo apresenta um levantamento de manifestações gráficas guarani mbya aplicadas a construções em aldeias da cidade de São Paulo. Procura-se identificar de que maneira os padrões tradicionalmente utilizados na produção da cestaria (ajaka) são trans-postos para outros suportes, evidenciando sua relevância na produção de diferenciação em meio ao diálogo das aldeias com o seu entorno e dos Guarani com o mundo não-indígena. O levantamento, realizado em quatro aldeias do município, buscou elencar aspectos processuais e formais de tais manifestações, revelando como a linguagem visual em-pregada tradicionalmente no artesanato passa por processos que reiteram o uso de variações composicionais e as relações entre os elementos plásticos e gráficos.

https://doi.org/10.20396/proa.v9i2.17826
PDF

Referências

BALLIVIÁN, José M. Palazuelos (Org.). Artesanato indígena: Kaingang & Guarani. São Leopoldo: Editora Oikos, 2012.

BEZERRA, Ada Kesea Guedes. A pesquisa etnográfica e as especificidades da observação participante. Vinheta, v. 01, 2010, pp. 01-18.

CESARINO, Pedro de Niemeyer. A escrita e os corpos desenhados: transformações do conhecimento xamanístico entre os Marubo. Revista de Antropologia, São Paulo, USP, v. 55, n. 1, 2012, pp. 77-137.

EMGC, Equipe Mapa Guarani Continental. Caderno Mapa Guarani Continental: povos Guarani na Argentina, Bolívia, Brasil e Paraguai. Equipe Mapa Guarani Continental - EMGC. Campo Grande, MS. Cimi, 2016.

GOW, Peter. Piro designs: Painting as meaningful action in an Amazonian lived world. The Journal of the Royal Anthropological Institute, v. 5, n. 2, 1999, pp. 229-246.

GRABURN, Nelson H. H. “Introduction: The arts of the fourth world” in GRABURN, Nelson H. H. ed. Ethnic and tourist arts: Cultural expressions of the fourth world. Berkeley/Los Angeles/London, University of California Press, 1976, pp. 2-32.

INGOLD, Tim. Lines: a brief history. Oxon: Routledge, 2007.

INGOLD, Tim. Making: Anthropology, Archaeology, Art and Architecture. Oxon: Routledge, 2013.

LADEIRA, Maria Inês. Mbya Tekoa: O Nosso Lugar. São Paulo emPerspectiva, São Paulo, v. 3, n. 4, 1989, pp. 56-61.

LADEIRA, Maria Inês. O caminhar sob a luz. O Território mbya a beira do oceano. São Paulo: EDUNESP, 2007.

LADEIRA, Maria Inês. Imagens, memórias e mediadores: Olhares trocados de norte a sul. Dossiê Olhares Cruzados. Universidade de São Paulo, São Paulo, v. 3, n. 1, julho, 2018, pp. 15-37.

LAGROU, Els; SEVERI, CARLO (oOgs.). Quimeras em diálogos: grafismo e figuração nas artes indígenas. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2013.

LAGROU, Els. Existiria uma arte das sociedades contra Estado? Revista de Antropologia, São Paulo, USP, v. 54, n. 2, 2011, pp. 747-780.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Tristes Trópicos. São Paulo: Anhembi, 1957 [1955].

LORENZONI, Claudia A. C. de Araujo. Cestaria Guarani do Espírito Santo numa Perspectiva Etnomatemática. Tese de Doutorado, 2010, UFES.

LORENZONI, Claudia A. C. de Araujo; SILVA, Circe Mary Silva da. Cestaria Guarani do Espírito Santo e a Matemática da Educação Escolar Indígena. III Seminário Povos Indígenas e Sustentabilidade – Saberes Locais, Educação e Autonomia. 8 a 10 de setembro de 2009. UCDB, Campo Grande, MS.

MACEDO, Valéria. “Uma história de muitas histórias: Trajetórias guarani no curso do Rio Silveira (Serra do Mar)”. In: A. C. DANAGA & E. A. PEGGION (Orgs.), Povos indígenas em São Paulo. Novos olhares. São Carlos: UFSCar, 2016, pp. 107-135.

MARIANI, Anna. Pinturas e platibandas. São Paulo: Mundo Cultural, 1987.

MÜLLER, Regina Pólo. As artes indígenas e a arte contemporânea. Textos escolhidos de cultura e arte populares, Rio de Janeiro, v. 7, n.1, 2010, pp.7-18.

NOGUEIRA, José Francisco Sarmento. Etno-design: um estudo do grafismo das cestarias dos M'byá guarani de Paraty-Mirim. Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro: PUC-Rio, Departamento de Artes, 2005.

OLIVEIRA, J. C.; SANTOS, L. K.. “Perguntas demais” – Multiplicidades de modos de conhecer em uma experiência de formação de pesquisadores Guarani Mbya. In: CARNEIRO DA CUNHA, M.; CESARINO, P. N. (Orgs.). Políticas culturais e povos indígenas. São Paulo: Unesp, 2014. pp. 113-134

PIERRI, Daniel. O perecível e o imperecível: reflexões guarani mbya sobre a existência. São Paulo: Editora Elefante, 2018.

PROGRAMA ALDEIAS (Org.) Ka’aguy re jaiko. Vivemos na mata. São Paulo: Centro de Trabalho Indigenista, 2016.

ROTERS, Katharina. Hungarian cubes: subversive Ornamente im Sozialismus. Zurique: Park Books, 2014.

SANTOS, Lucas Keese dos. A esquiva do Xondaro: movimento e ação política entre os Guarani-Mbya. Dissertação de Mestrado. PPGAS-USP, 2017.

VALLADARES, Lucia. Os dez mandamentos da observação participante. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 22, n.63, 2007, pp.153-155.

VENTURI, Robert; SCOTT BROWN, Denise; IZENOUR, Steven. Learning from Las Vegas. Cambridge, The MIT Press, 1977.

VIDAL, Lux (Org). Grafismo indígena: estudo de antropologia estética. Edusp: São Paulo, 1992.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2019 Bruna Keese dos Santos

Downloads

Não há dados estatísticos.