A festa da princesa Mariana
Imagem da capa de revista com título no canto superior esquerdo. Abaixo do título, estão presentes informações sobre ISSN, volume e número da edição. No centro da imagem, há 5 figuras de pessoas vestindo vestidos vermelhos, em diferentes posições de dança, com os braços em movimento. O fundo é branco, destacando a vibrante coreografia das figuras em destaque.
PDF

Palavras-chave

Festa
Dança
Religião
Amazônia

Como Citar

PEREIRA, Anderson Lucas da Costa. A festa da princesa Mariana: a dança revelando a "turquia cabocla" na Amazônia. Proa: Revista de Antropologia e Arte, Campinas, SP, v. 8, n. 2, p. 67–87, 2018. DOI: 10.20396/proa.v8i2.17586. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/proa/article/view/17586. Acesso em: 27 maio. 2024.

Resumo

A festa dá fluidez aos espaços, recria significados e materializa as cosmologias. Meu interesse neste artigo é demonstrar a festa da Cabocla Mariana, princesa turca que atravessou o portal da encantaria e ajuremou-se em terras amazônicas, realizada em um terreiro de Umbanda na cidade de Santarém, oeste do Pará. Falarei da festa não como o produto final de um grande empreendimento, mas da parte que dá sentido ao ritual: a dança da Cabocla Mariana. Em especial, “metaforizar” o giro da entidade como uma hipótese de aproximação com o Sama, a dança sufi girante dos dervixes para pensar: qual Turquia é essa presente nos rituais de Umbanda em Santarém, cheios de princesas turcas ajuremadas, caboclos e índios? A dança aponta para uma linha de investigação capaz de revelar como e porque ela pode funcionar como ação social discursiva e afetiva da sociedade, ao ponto de, inclusive, (re)constituir um reino “turco caboclo” na Amazônia.

https://doi.org/10.20396/proa.v8i2.17586
PDF

Referências

BARBARA, Rosamaria. Dança das Aiabás: dança, corpo e cotidiano das mulheres de candomblé. 2002. Tese (Doutorado em Sociologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2002.

BARDET, Marie. A filosofia da dança: um encontro entre dança e filosofia. São Paulo: Martins Fortes, 2015.

BASTIDE, Roger. O candomblé da Bahia (Rito nagô). São Paulo: Nacional, 1978.

BLACKING, John. Movimento e significado: a dança na perspectiva da Antropologia Social. in: CAMARGO, Giselle Guilhon Antunes (Org.). Antropologia da Dança 1. Florianópolis: Insular, 2013.

BUCKLAND, Theresa Jill. Perspectives on Dance Ethnography. In: CARTER, Alexandra and O’SHEA, Janet. (Editors) The Routledge Dance Studies Reader. (Second Edition) London and New York: 2010. p. 335-343. Tradução de CAMARGO, Giselle Guilhon Antunes. In: Antropologia da Dança 1. Florianópolis: Insular, 2013. p. 143-156.

CAMARGO, Giselle Guilhon Antunes. Etnografia de uma Dança Sufi. Florianópolis: Mosaico, 2002.

CRUZ, Alline Torres Dias da. Sobre dons, pessoas, espíritos e suas moradas. 2014. Tese (Doutorado em Antropologia social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Museu Nacional, Programa Pós-Graduação em Antropologia Social. Rio de Janeiro, 2014.

FERRETTI, Sergio. Querebentan de Zomadonu:etnografia da Casa das Minas do Maranhão. 3. ed. Rio de Janeiro: Pallas, 2009.

FURUYA, Yoshiaki. Entre a “nagoização” e a “umbandização”: uma síntese no culto mina nagô de Belém, Brasil. Tóquio: Universidade de Tóquio, 1986.

GEERTZ, Clifford. The transition to humanity. In: TAX, Sol. (Ed.) Horizons of Anthropology. London: Allen and Unwin, 1964.GELL, A. Art and Agency: An Anthropological Theory. Oxford: Clarendon Press, 1999.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos; CONTINS, Marcia. A escassez e a fartura: Categorias cosmológicas e subjetividade nas festas do Divino Espírito santo entre imigrantes açorianos no Rio de Janeiro. In: CAVALCANTE, Maria Laura Viveiros de Castro; GONÇALVES, José Reginaldo Santos. As festas e os dias: ritos e sociabilidades festivas. Rio de janeiro: Contracapa, 2009.

LUCA, T. T. Devaneios da memória:A história dos cultos afro-brasileiros em Belém do Pará na versão do povo-de-santo. 1999. Monografia (Graduação em História). Curso de História. Universidade Federal do Pará. Belém, 1999.

MAUÉS, Raymundo Heraldo. Padres, pajés, santos e festas: catolicismo popular e controle eclesiástico. Um estudo Antropológico numa área do interior da Amazônia. Belém: Cejup, 1995.

MARILU, Marcia Campelo; LUCA, Taissa Tavernard de. As duas africanidades no Pará. Revista Aulas, São Paulo, n. 4, abr./jul. 2007.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. São Paulo, Martins Fontes, 1994.

MOURA, Beatriz Martins. Dinheiro de Santo, Dinheiro de Gente: usos e sentidos sociais do dinheiro no contexto afro-religioso. Santarém. 75 f. 2014. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Antropologia) – Universidade Federal do Oeste do Pará, Instituto de Ciências da Sociedade, Programa de Antropologia e Arqueologia. Santarém, 2014.

PEIRANO, Mariza. A análise antropológica de rituais. Série Antropológica. n. 270. Brasília: UNB/Departamento de Antropologia, 2000.

PEREIRA, Anderson Lucas da Costa. A Cabocla Mariana e a sua Corte Ajuremada: modos de pensar e fazer festa em um Terreiro de Umbanda em Santarém, Pará. 2017. 148 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2017.

RODRIGUES, Ronaldo de Oliveira. Ritual em Tambiah: trajetória, conceitos e reflexões. Revista Brasileira de História das Religiões, ANPUH, ano 7, n. 20, set. 2014.

SALLES, V. Cachaça, pena e maracá. Brasil Açucareiro, Rio de Janeiro, v. 37, n. 2, p. 46-55, 1971.

SHAPANAN, Francelino de. Entre Caboclos e encantados. In: PRANDI, Reginaldo (Org.). Encantaria brasileira: o livro dos mestres, caboclos e encantados. Rio de Janeiro: Pallas, 2001. SILVA, Marcel Franco da. A água e seus significados no tambor de Mina do Pará: Um estudo de caso no Terreiro de Mina Nagô de Xangô e José Tupinambá. 2013. Dissertação (Mestrado em Ciências da Religião) – Universidade do Estado do Pará. Belém, 2013. 162 f.

TAMBIAH, Stanley. Culture, Thought, and Social Action: an anthropological perspective. Cambridge, Mass: Harvard University Press, 1985.

THOMPSON, Robert Farris. African Art in Motion. National Gallery of Washington D C, 1974.

VERGOLINO E SILVA, A. A semana santa nos terreiros: um estudo do sincretismo religioso em Belém do Pará. Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, v. 14, n. 3. 1987.

VERGOLINO E SILVA, A. Os cultos afros no Pará. In: FONTES, Edilza (Org.). Contando a história do Pará: diálogos entre a História e a Antropologia. Belém: Ed. Motion, 2003.

WILSON, Mônica. Rituals of kinship among the Nyakyusa. Oxford: Oxford University Press, 1970.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2018 Anderson Lucas da Costa Pereira

Downloads

Não há dados estatísticos.