O processo de filmagem no campo do patrimônio
Na imagem, há seis caixas de papelão com desenhos no fundo, dispostas em duas fileiras. Na fileira superior, a primeira caixa apresenta o desenho de uma árvore sem folhas, a segunda caixa apresenta uma tartaruga e a terceira caixa apresenta uma cadeira de rodinhas estofada. Na fileira inferior, a primeira caixa apresenta uma penteadeira com espelho de cabeça para baixo e as duas últimas caixas juntas formam o desenho de uma mesa de ponta cabeça. No canto superior direito, há o nome da revista e abaixo dele, a indicação de "10 anos". Na parte inferior, estão as informações sobre o volume e número da revista, bem como o ISSN.
PDF

Palavras-chave

Antropologia visual
Filme etnográfico
Patrimônio cultural

Como Citar

ZANARDI, Paula. O processo de filmagem no campo do patrimônio: relato de uma experiência de etnoficção. Proa: Revista de Antropologia e Arte, Campinas, SP, v. 9, n. 2, p. 240–267, 2019. DOI: 10.20396/proa.v9i2.17568. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/proa/article/view/17568. Acesso em: 23 jul. 2024.

Resumo

Este artigo desenvolve sobre o processo de criação do fil-me etnográfico Cortadores de Pedra, realizado, como parte integrante da pesquisa de mestrado, com o intuito de refletir sobre as possibilidades da imagem em movimento na política de patrimônio imaterial do Iphan. O filme se deu em parceria com os extratores de pedra em Campos de São João, situado na Chapada Diamantina, BA, neste artigo explicito todas as etapas de criação, desde sua concepção, elaboração das cenas, da relação construída com os interlocutores, das estratégias de filmagem e o processo de montagem. Abordo a metodologia criada para a construção do filme que se utiliza dos momentos de encontro como ferramenta para reflexão e representação das questões em torno do ofício de extrator de pedra. Os dados etnográficos dialogados com as referências do campo da antropologia visual são apresentados ao leitor com o intuito de elucidar as tomadas de decisões para que dessa pesquisa se consolidasse um filme.

https://doi.org/10.20396/proa.v9i2.17568
PDF

Referências

ADINOLFI, Maria Paula. Em busca do prumo, régua e compasso para a salvaguarda dos ofícios da construção tradicional na Chapada Diamantina. In: LINS, Eugênio. A. [et al.]. Mestres artífices: Bahia.Brasília, DF: IPHAN; Salvador: UFBA, 2017. (Cadernos de memória 4)

ARENDT. Hanna. A condição humana. Tradução de Roberto Raposo. 10.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

BARBOSA, Andrea et al. (Org.) A experiência da Imagem na Etnografia. São Paulo: Terceiro Nome, 2016.

BOUDREAULT-FOURNIER, Alexandrine; HI-JIKI, Rose Satiko Gitirana; CAIUBY NOVAES, Sylvia. Etnoficção: uma ponte entre fronteiras. In: BARBOSA, Andrea et al. (Org.). A experiência da imagem na etnografia. São Paulo: Terceiro Nome, 2016. p. 37-58.

CAIUBY NOVAES, Sylvia. El filme etnográfico: autoría, autenticidad y recepción. Revista Chilena de Antropologia Visual, n. 15.p. 103-125, ago. 2010.

CAIUBY NOVAES, Sylvia. Imagem, magia e imaginação: desafios ao texto antropológico. Revista Mana, vol.14 no.2, Rio de Janeiro, oct. 2008.

CRESPIAL. Módulo II: Técnicas de Registro e Inventário do Patrimônio Cultural Imaterial. Sessão 4. 2011.

FERRAZ, Ana Lúcia M. C. “Dramaturgia da vida social e a dimensão patética da pesquisa antropológica”. In: DAWSEY et al. Antropologia e performance: Ensaios na pedra. São Paulo: Terceiro Nome, 2013.

FERRAZ, Ana Lúcia. A experiência da duração no cinema de Jean Rouch. Doc On-line. Agosto, 2010.

GONÇALVES, Marco Antônio. Imagem e expe-riência. IN: BARBOSA, Andrea et al. (Org.) A experiência da Imagem na Etnografia. São Paulo: Terceiro Nome, 2016.

HIKIJI, Rose S. G. Rouch compartilhado: premonições e provocações para uma antropologia contemporânea. Iluminuras, Porto Alegre, v.14, n.32, p.113-122, jan./jun. 2013.

HIKIJI, Rose; CAFFÉ, Carolina. Filme e Antropologia Compartilhada em Cidade Tiradentes. In: Cole & Ribeiro. Antropologia, Arte e Sociedade. São Paulo: Altamira Editorial, v.1, p. 515-526, 2012.

LIMA, Romilda de Souza, D.Sc., Práticas alimentares e sociabilidades em famílias rurais da Zona da Mata mineira: mudanças e permanências.[Tese] Universidade Federal de Viçosa, novembro de 2015.

LINS, Consuelo. O cinema de Eduardo Coutinho: entre o personagem fabulador e o espectador-montador. In: OHATA, Milton (Org.). Eduardo Coutinho. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

LINS, Eugênio. A. [et al.]. Mestres artífices: Bahia. Brasília, DF: IPHAN; Salvador: UFBA, 2017. (Cadernos de memória 4)

MACDOUGALL, David. The Corporeal Image: Film, Ethnography, and the Senses. 2005.

MAUSS, Marcel. As Técnicas Corporais. In: MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia, vol. 2. São Paulo: EPU/EDUSP, 1974.

NOVAES, Sylvia Caiuby. Imagem, magia e imaginação: desafios ao texto antropológico. Mana, Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, p. 455-475, 2008.

OHATA, Milton (Org.). Eduardo Coutinho. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

REIS, Daniel. Patrimônios culturais como campos de embate: cidades, (i)materialidades, culturas. In: SOARES, Inês; PRAGMACIO, Mario (Orgs.). Tutela jurídica e preservação do patrimônio imaterial. Rio de Janeiro: juspodvm, 2018.

SALLES, João Moreira. A dificuldade do documentário. In: Martins, José Souza; Eckert, Cornelia; Caiuby Novaes, Sylvia (Orgs.). O imaginário e o poético nas ciências sociais. Bauru: EDUSC, 2005, p. 57-71.

SENNETT, Richard. O artífice. Tradução de Clóvis Marques. 2ªed. Rio de Janeiro, Record, 2009.

SILVA, Flora Pereira da. Cheick Oumar Sissoko e o cinema da verdade: A concepção africana da sétima. 2015. Entrevista com Cheick Oumar Sissoko. Disponível em: http://www.afreaka.com.br/cheick-oumar-sissoko-e-o-cinema-da-verdade/. Acesso em: 24 fev. 2017.

SZTUTMAN, Renato. A utopia reversa de Jean Rouch: de Os mestres loucos a Petit à petit. Devires, Belo Horizonte, V.6, n.1, Jan/Jul. 2009.

TURNER, Victor e TURNER, Edith. Performing Ethnography. The Drama Review: TDR, Vol. 26, No. 2, Intercultural Performance. (Summer, 1982), pp. 33-50. 1982.

ZANARDI, Paula. Embates entre a preservação ambiental e o patrimônio cultural: Os cortadores de pedra na Chapada Diamantina. Cadernos NAUI, Florianópolis, v. 08, n.15, jul-dez, 2019.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2019 Paula Pflüger Zanardi

Downloads

Não há dados estatísticos.