Gerações em cena, filmar com mulheres Mbyá-Guarani
PDF

Palavras-chave

Cinema indígena
Cinema indígena feminino
Mulheres indígenas
Mulheres cineastas

Como Citar

PINHEIRO, S. F. Gerações em cena, filmar com mulheres Mbyá-Guarani: o filme-processo Pará Reté. Proa: Revista de Antropologia e Arte, Campinas, SP, v. 11, n. 1, p. 182–216, 2022. DOI: 10.20396/proa.v11i1.16615. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/proa/article/view/16615. Acesso em: 23 mar. 2023.

Resumo

Neste artigo faço a análise fílmica de dois cortes de um filme inacabado da cineasta indígena Mbyá-Guarani Patrícia Ferreira Pará Yxapy, o filme Pará Reté, sobre sua mãe, sua filha e sua avó. Mesmo inacabado, os cortes já foram exibidos em algumas mostras e festivais. Evocando o conceito de “filme-processo”, traço como o cotidiano e a intimidade são indissociáveis do processo de realização desse filme e apontam para uma das especificidades do cinema indígena feito por mulheres. Procuro demonstrar as diferentes circunstâncias, características do trabalho de Patrícia e de seu filme que acontece junto com a vida, de maneira a refletir sobre o processo de criação do seu filme a partir das relações dela com as personagens e do diálogo com a equipe do Vídeo nas Aldeias.

https://doi.org/10.20396/proa.v11i1.16615
PDF

Referências

ALVARENGA, Clarisse. Da cena do contato ao inacabamento da história: Os últimos isolados (1967-1999), Corumbiara (1986-2009) e Os Arara (1980-). Clarisse Alvarenga; prefácio de André Brasil. Salvador, Edufba, 2017. 298 p. il. Inclui bibliografia.

BENITES. Sandra. Viver na língua Guarani Nhandewa (mulher falando). Dissertação de mestrado. Programa de Pós-graduação em Antropologia Social – Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2018.

BONILLA, Oiara; ROQUE, Tatiana. “Entrevista com Isabelle Stengers e Vinciane Despret”. In: Revista DR. http://revistadr.com.br/posts/entrevista-com-isabelle-stengers-e-vinciane-despret-2/. Acessado em 17 de Maio de 2021.

GONZALEZ, Lélia. Por um feminismo afro-latino-americano. In: BUARQUE DE HOLLANDA, Heloísa (Org.). Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Rio de Janeiro: Bazar do Tepo, 2020 (p. 39-51).

FEDERICI, Silvia. Calibã e a Bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. São Paulo: Editora Elefante, 2017.

JESUS, Suzana C. Pessoas na medida: processos de circulação de saberes sobre o nhande reko guarani na região das Missões. 2015. 241 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

LASMAR, Cristiane. Mulheres indígenas: representações. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 7, n. 1 e 2, p. 143-156, 1999.

MARIN, Nadja; MORGADO, Paula. Filmes indígenas no Brasil: trajetória, narrativas e vicissitudes. In: BARBOSA, Andréa et al. A experiência da imagem na etnografia. São Paulo: Fapesp: Terceiro Nome, 2016. p. 87-108.

MARTINS, Carla L. M. Sob o risco do gênero: clausuras, rasuras e afetos de um cinema com mulheres. 2015. 285 f. Tese (Doutorado em Comunicação Social) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2015.

MESQUITA, Cláudia. Obra em processo ou processo como obra? In: EDUARDO, Cleber; VALENTE, Eduardo; VIEIRA, João Luiz. Cinema Brasileiro Anos 2000: 10 questões. Transcrição e debate disponível em: http://www.revistacinetica.com.br/anos2000/debate05rj.php. Acessado em: 16 de maio de 2021.

MINH-HA, Trinh T. Diferente de você/Como você: mulheres pós-coloniais e as questões interligadas da identidade e da diferença. Tradução de Augusto de Castro. Forumdoc.BH 2012 [Catálogo], Belo Horizonte, p. 201-206, 2012.

OVERING, Joanna. Men Control Women?: The Catch-22 in Gender Analysis. International Journal of Moral and Social Studies, v. 1, issue 2, p. 135-56, 1986.

PINHEIRO, Sophia Ferreira. A imagem como arma: a trajetória da cineasta indígena Patrícia Ferreira Pará Yxapy. 2017. 283 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2017.

PINHEIRO, Sophia Ferreira. Fazer filmes e fazer-se no cinema indígena de mulheres indígenas com Patrícia Ferreira Pará Yxapy. In: Revista Teoria e Cultura. Dossiê “Interpretando a etnografia visual: imagens e a construção de significados antropológicos” v. 15 n. 3, dez 2020 (p. 16-31). Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/TeoriaeCultura/article/view/33002. Acessado em: 17 de maio de 2021.

PISSOLATO, Elizabeth P. A duração da pessoa: mobilidade, parentesco e xamanismo Mbya (Guarani). 2006. 366 f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

PRATES, Maria Paula. Dualidade, pessoa e transformação: relações sociocosmológicas mbyá-guarani no contexto de três aldeias no RS. In: KERN, Arno A.; SANTOS, Maria Cristina; GOLIN, Tau (Org.). Povos indígenas. Passo Fundo, RS: Méritos, 2009. (História Geral do Rio Grande do Sul, 5).

SERAFIM, José Francisco; RÊGO, Francisco Gabriel. Deuses, chuvas e homens: um estudo da mise en scène no documentário Bicicletas de Nhanderú. In: Revista Teoria e Cultura. Dossiê “Interpretando a etnografia visual: imagens e a construção de significados antropológicos” v. 15 n. 3, dez 2020 (p. 177-187). Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/TeoriaeCultura/article/view/33003. Acessado em: 15 de maio de 2021.

XAKRIABÁ, Célia Nunes Correa. O Barro, o Genipapo e o Giz no fazer epistemológico de Autoria Xakriabá: reativação da memória por uma educação territorializada. 2018. 218 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Desenvolvimento Sustentável) – Universidade de Brasília, Brasília, 2018.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Proa: Revista de Antropologia e Arte

Downloads

Não há dados estatísticos.