Cordel das cordas populares

uma experiência de ensino musical decolonial através da contação de histórias e prática da dança.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/muspop.v8i00.15798

Palavras-chave:

Violino popular brasileiro, Literatura de cordel, Pedagogia decolonial, Dança, Contação de histórias

Resumo

Em 2019, o projeto Cordel das Cordas Populares teve o objetivo de ensinar em classes coletivas os gêneros musicais que compõem o forró para estudantes de cordas friccionadas, em situação de vulnerabilidade social. Elaborado pelo autor deste artigo, o material é baseado nos trabalhos artísticos e pedagógicos dos violinistas populares Nicolas Krassik (1969-) e Ricardo Herz (1978-), e seu ensino interagiu com as práticas da contação de histórias em folhetos de cordel e dança. Este artigo pretende descrever e analisar essa experiência pedagógica interdisciplinar da performance musical, por meio de um olhar pedagógico decolonial, demonstrando a complementaridade entre as práticas de música, contação de histórias e dança.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Brisolla, Universidade de São Paulo

Mestrando em Questões Interpretativas pelo PPGMUS-ECA/USP. Professor de violino e viola na Escola Municipal de Iniciação Artística (EMIA-SP). 

Eliane Tokeshi, Universidade de São Paulo

Doutora em Música - Violino performativo (Música)  pela Universidade de Boston. Professora livre docente de violino da Universidade de São Paulo. 

Referências

ª OFICINA de Música de Curitiba Oficinas Populares Cordas Friccionadas na PPB e Prática de Conjunto - Prof. Nicolas Krassik. In: flickr. 2019 [S.l.]. Disponível em:<https://www.flickr.com/photos/fundacaoculturaldecuritiba/albums/72157711539163306>. Acesso em: 06 jul. de 2021

BÂ, A. H. A Tradição Viva. In: MEDEIROS, F.H.N.; MORAES, T.M.R. (org.).Contação de Histórias: Tradição, Poéticas e Interfaces. São Paulo: Edições Sesc São Paulo, 2015. pp. 155-188.

XXXXXXXX,. A Saga Sertaneja de Maria Carangueja. Não publicado, 2019. Disponível em:

<https://drive.google.com/file/d/1A2maW8FIUXIXgAOaHP1ucE8oR5jImwYF/view?usp=sharing>

CASCUDO, L. da C. Vaqueiros e Cantadores. São Paulo: Global Editora, 2005.

CASCUDO, L. da C. Literatura Oral no Brasil. 2 ed. São Paulo: Global Editora, 2006.

CASCUDO, L. da C. Dicionário do Folclore Brasileiro. 12 ed. São Paulo: Global Editora, 2012.

CAVIGNAC, J. Além da escrita: processos narrativos, cordel e transmissão oral no Nordeste. In: MEDEIROS, F.H.N.; MORAES, T.M.R. (org.).Contação de Histórias: Tradição, Poéticas e Interfaces. São Paulo: Edições Sesc São Paulo, 2015. pp.82-95

FIAMMENGHI, L. H. O violino violado: rabeca, hibridismo e desvio do método nas práticas interpretativas contemporâneas – Tradição e inovação em José Eduardo Gramani. Tese (Doutorado em Música) - Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

FILLAT, M. T. O violino na música popular brasileira: recursos técnico-interpretativos em Ricardo Herz e Nicolas Krassik. 2018. Dissertação (Mestrado em Música) – Escola de Comunicação e Arte, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

GALLINDO, L. S.; SILVA, M. M. Pedagogia Decolonial: Kanteatro: prática de uma educação antirracista. Revista Semana Pedagógica, Recife, v. 1, n. 1, pp. 1-26, 2019. Disponível em:

<https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistasemanapedagogica/article/view/243289/33698>. Acesso em: 06 jul. de 2021

KRASSIK, N. Curso de violino popular. São Paulo, 2017a, disponível em: <https://cursodeviolinopopularnicolaskr.club.hotmart.com>. Acesso em: 06 jul. de 2021.

KRASSIK, N. Entrevista concedida a Mathilde Tania Fillat. São Paulo, 22 nov. 2017b.

HERZ, R. Curso de violino popular brasileiro. São Paulo, 2017. Disponível em: <https://violinopopularbrasileiro.club.hotmart.com>. Acesso em: Acesso em: 06 jul. de 2021

LEHMANN, A.C.; SLOBODA, J.A.; WOODY, R.H. Psychology for Musicians: Understanding and Acquiring the Skills. Nova York: Oxford University Press, 2007

MARINHO, A.C.; PINHEIRO, H. O Cordel no Cotidiano Escolar. São Paulo: Cortez, 2012.

MARTINS, D.A.F.; NEDEL, M. Z. De Pé no Chão: Trabalhando o ritmo na música e na educação Física. In: V Colóquio de Pesquisa Qualitativa em Motricidade Humana: Motricidade, Educação e Experiência/II Congresso Internacional de Educação Física Esporte e Lazer/VI ShotoWorkshop, 2012, São Carlos. Anais. Disponível em: <http://www.ufscar.br/~defmh/spqmh/pdf/2012/martisnnedel2012.pdf >. Acesso em: 06 jul. de 2021

MCVEIGH, S. The violinists of the Baroque and Classical periods. In: STOWELL, R. (org.) The Cambridge Companion to the Violin. Cambridge: Cambridge University Press, 2006.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. Trad. Carlos Alberto Ribeiro de Moura. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

MONTEIRO, G. de A.; ARTAXO, I. Ritmo e movimento. São Paulo: Phorte, 2000.

MURRAY, J. Hamlet on the Holodeck. Nova York: Free Press, 2003.

NACHMANOVITCH, S. Ser Criativo: O poder da Improvisação na Vida e na Arte. Tradução: Eliane Rocha. 5 ed. São Paulo: Summus Editorial, 1993.

PINTO, T. de O. Som e música. Questões de uma Antropologia Sonora. Revista de Antropologia. vol. 44 n.1. São Paulo, 2001.

RAY, S. Pedagogia da Performance Musical. 2015. Tese (Pós-Doutorado em Música). Escola de Música e Artes Cênicas – Universidade Federal de Goiás. Goiânia, 2015.

RINK,J. Análise e (ou?) performance. Tradução: Zélia Chueke. Cognição & Artes Musicais / Cognition & Musical Arts, Curitiba, v. 2, n. 1, pp. 25-43. 2007. Disponível em: <https://bit.ly/30cbtCr>. Acesso em: 06 jul. de 2021

SCHROEDER, J. L. A Música na Dança: Reflexões de um Músico. Dissertação (Mestrado em Música) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2000.

VULNERABILIDADE SOCIAL: entenda o que caracteriza o conceito. In: INSTITUTO SERMAIS. Vulnerabilidade Social. 2017? [S.l.]. Disponível em: <https://sermais.org.br/vulnerabilidade-social>. Acesso em: 06 jul. de 2021

WALSH, C. Interculturalidade crítica e Pedagogia Decolonial: in-surgir, re-existir e re-viver; 2009 Disponível em: https://pt.scribd.com/document/132966867/WALSHCatherineinterculturalidade-critica-e-pedagogia-decolonial Acesso em: 15 Abril 2018.

WALSH, C. (Ed.). Pedagogías decoloniales: prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Tomo I. Quito, Equador: Ediciones Abya-Yala, 2013.

WILLEMS, E. Las Bases Psicológicas de la Educacion Musical. Buenos Aires. Eudeba, 1969.

WITTGENSTEIN, L. Investigações Filosóficas. São Paulo: Nova Cultural,1999.

YATES, F. A. A Arte da Memória. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

BRISOLLA, T.; TOKESHI, E. Cordel das cordas populares: uma experiência de ensino musical decolonial através da contação de histórias e prática da dança. . Música Popular em Revista, Campinas, SP, v. 8, n. 00, p. e021012, 2021. DOI: 10.20396/muspop.v8i00.15798. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/muspop/article/view/15798. Acesso em: 10 dez. 2022.