Gilberto aqui e agora

lá fora de uma canção de Gil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/muspop.v8i00.15759

Palavras-chave:

Aqui e Agora, Gilberto Gil, Canção popular e contexto histórico

Resumo

Sabendo que as canções populares surgem em determinado lugar e época, o presente artigo viaja às últimas décadas do século XX, colhendo histórias e sentidos que, por fora, não se separam da canção “Aqui e agora” (1977) de Gilberto Gil. Em um primeiro momento o texto percorre entrevistas, depoimentos e documentários, relendo considerações sobre acontecimentos que cercam a canção. Considerando que o título funciona como parte do programa, no segundo momento o artigo averigua como o nome da canção é escutado em seu tempo: “aqui e agora” são duas palavras soltas que se unem para indicar o espaço-tempo do enunciador? Ou ganham significações mais amplas? Lidando com questões como essas, o artigo tece conclusões que, por fim, apontam para uma articulação entre o por dentro e o por fora da canção, notando que são várias as escutas que, ao mesmo tempo, se entrecruzam a partir da voz de um personagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Victor Fernandes Albergaria, Universidade do Estado de Santa Catarina

Licenciado em Música pela Universidade Federal de Ouro Preto. Mestrando na linha de pesquisa Teoria e História do Programa de Pós-Graduação em Música da Universidade do Estado de Santa Catarina.

Sérgio Paulo Ribeiro de Freitas, Universidade do Estado de Santa Catarina

Professor nos cursos de graduação e pós-graduação em Música na Universidade do Estado de Santa Catarina. 

Referências

BARNETT, Richard; MULLER, Ronald. O controle da ideologia. Opinião, Rio de Janeiro, ano 3, n. 107, 22 de novembro. 1974.

BATISTA, Tarlis. Eu não sabia que era crime fumar maconha. Manchete, Rio de Janeiro, ano 2, n. 1266, 24 de julho 1976.

BENVENISTE apud KOELLING, Sandra Beatriz. Os dêiticos e a enunciação. Revista Virtual de Estudos da Linguagem – ReVEL. V. 1, n. 1, agosto de 2003.

CAPELLARI, Marcos Alexandre. O discurso da contracultura no Brasil: o underground a partir de Luiz Carlos Maciel (c. 1970). Tese (doutorado em história), FFLCH, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

CARVALHO, Pedro Henrique Varoni de. A voz que canta na voz que fala: Poética e Política na Trajetória de Gilberto Gil. Tese (doutorado em linguística). Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos. São Carlos, 2013.

CASTRO, Maurício Barros de. Gilberto Gil: Refavela. Rio de Janeiro: Cobogó, 2017.

CIDREIRA, Renata Pitombo. A moda nos anos 60/70 (comportamento, aparência e estilo). Revista Recôncavos, Bahia, vol. 2, n. 1, p. 35-44, dezembro, 2008.

CIRNE, Moacy. Crítica e embromação. Opinião, Rio de Janeiro, ano 5, n 00172, 20 de fevereiro de 1976.

COHN, Sergio. Encontros – Gilberto Gil. Rio de Janeiro: Azougue, 2008.

CORREIA, Carlos João. Religiões proféticas e religiões místicas. In: BORGES, Anselmo; MONTEIRO, João Gouveia (coord.). As três religiões do livro. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2012.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: Editora da UFBA, 2008.

GAMBERINI apud GIL, Gilberto. Roda Viva. São Paulo: TV Cultura, 1987.

CONY, Carlos Heitor. Gilberto Gil: a balada do cárcere. Revista Manchete, Rio de Janeiro. 1976.

XAVIER, Luiz Augusto. A invasão dos bárbaros. Diário do Paraná: Órgão dos Diários Associados, Curitiba, n. 06319, 4 de julho. 1976.

CONVERSA com Gilberto Gil sobre o futuro, tecnologia e a singularidade. Youtube, 6 de abr. 2020. 1 video (29 min). Publicado pelo canal Canal da Bela. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=LghhaOrlxjY>. Acesso em: 3 de jun. 2020.

GIL, Gilberto. A paz doméstica de Gilberto Gil. O Globo, 10 de julho 1977. In: COHN,

GIL, Gilberto. Gilberto Gil: exclusivo. [Entrevista concedida a] Tarlis Batista. Revista Manchete, Rio de Janeiro, n. 1270, 21 ago. 1976.

GIL, Gilberto. O sonho acabou, Gil está sabendo de tudo. O Bondinho: 16 de fevereiro de 1972. [Entrevista concedida a] Hamilton de Almeida. In: COHN, Sergio (org.). Encontros – Gilberto Gil. Rio de Janeiro: Azougue, 2008.

GIL, Gilberto; ZAPPA, Regina. Gilberto bem perto. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2013.

GILBERTO Gil internado em clínica psiquiátrica. O Globo, Rio de Janeiro, 10 de julho de 1976.

HANDA, Francisco. Thomas Merton e o Zen Budismo: Contradições em tempos de crise do pensamento, atitudes e sonhos. Revista Nures, São Paulo, n. 12 – Maio/Agosto, 2009.

IGREJA – o “baixo clero e o Sínodo”. Opinião, Rio de Janeiro, ano 3, n. 96, 9 de setembro de 1974.

JULIÃO, Rafael. As canções-manifesto de Adriana Calcanhotto: diálogos interartísticos. Revista Estação Literária – UEL. Londrina: v. 24, jun. 2020.

LARA, Odete. Olha ela de volta – Odete Lara. [Entrevista concedida a] Torquato de Mendonça. O Pasquim, Rio de Janeiro, ano 16, n. 00827, 16 de maio. 1985.

LOPES, Andrea Maria Vizzotto Alcântara Lopes. Ivan Lins e as “patrulhas ideológicas” na década de 1970. In: Simpósio Nacional de História, XXV, 2009. Fortaleza: Associação Nacional de História – ANPUH.

LOPES, Cássia. O doce bárbaro Gilberto Gil. In: ENECULT - Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, V., Salvador: Faculdade de Comunicação/UFBA, 2009.

MACIEL, Luis Carlos. Underground – conselhos a mim mesmo. O Pasquim, Rio de Janeiro, ano 2, n. 00070, 31 de agosto. 1970.

NAPOLITANO, Marcos. 1964: história do regime militar brasileiro. São Paulo: Contexto, 2014.

NASCIMENTO, Abdias do. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

NASCIMENTO, Hermílson Garcia do. Recriaturas de Cyro Pereira: Arranjo e Interpoética na Música Popular. Tese (doutorado em música). Instituto de Artes, Universidade de Campinas. Campinas, 2011.

NUNES, Givanildo Brito; GUSMÃO, Milene de Cássia Silveira. Caetano Veloso, Gilberto Gil e Jorge Mautner: desafetos nas páginas d’O Pasquim. Perspectivas e Diálogos: Revista de História Social e Práticas de Ensino, Caetité, v. 1, n. 5, p. 24-45, jan./jun. 2020.

OS BAIANOS, de novo. Revista Veja. São Paulo, n. 408, p. 76-83, 30/06/1976.

OS DOCES Bárbaros. Direção: Jom Tob Azulay. Rio de Janeiro, 1978.

PEREIRA, Carlos Alberto Messeder. O que é contracultura. São Paulo: Editora Brasiliense, 1983.

PEZZONIA, Rodrigo. MPB Exilada: Chico, Gil e Caetano entre exílio e retorno. Simpósio Nacional de História, XXX., 2019. Recife: ANPUH.

REFAVELA 40. Direção: Mini Kerti. Produção: Roberto Rios, Eduardo Zaca, Patrícia Carvalho e Rafaella Giannini Rio de Janeiro: Conspiração e HBO, 2018.

RISÉRIO, Antônio (org.). Gilberto Gil – Expresso 2222. Salvador: Ed. Corrupio, 1982

ROSENFELD, Anatol. O teatro épico. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 2006.

SANT’ANNA, Afonso Romano de. Nova História da Arte. São Paulo: Ed. Unesp, 2017.

SANTANA FILHO, João. Gil: o fumo não é Deus nem é o Diabo. In: RISÉRIO, Antônio (org.). Gilberto Gil – Expresso 2222. Salvador: Editora Corrupio, 1982, p. 127-153.

SNYDERS, George. Alunos Felizes: Reflexão Sobre Alegria na Escola a Partir de Textos Literários. Rio De Janeiro, Ed. Paz e Terra, 1993.

TATIT, Luiz. A arte de compor canções. Dossiê música popular brasileira, Revista USP, São Paulo, SP: Edusp, 2016.

TATIT. Luiz. O Cancionista. São Paulo: Edusp, 2012.

TEIXEIRA, Mônica. Diagnóstico: cicatrizes para o resto da vida. Movimento, Rio de Janeiro, ano 4, n. 00172, 22 de outubro de 1978.

WISNIK, José Miguel. Caetano, Gal, Gil, Bethânia – Tudo de novo (As profecias dos doces bárbaros). In: Antônio Risério (org.). Gilberto Gil – Expresso 2222. Salvador: Ed. Corrupio, 1982, p. 124-126.

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

ALBERGARIA, V. F.; FREITAS, S. P. R. de. Gilberto aqui e agora: lá fora de uma canção de Gil. Música Popular em Revista, Campinas, SP, v. 8, n. 00, p. e21009, 2021. DOI: 10.20396/muspop.v8i00.15759. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/muspop/article/view/15759. Acesso em: 14 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos temáticos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)