A canção popular nos filmes de Sérgio Ricardo

politização, estilização e função narrativa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/muspop.v7i00.14312

Palavras-chave:

Sérgio Ricardo, Canção popular, Trilha sonora

Resumo

Sérgio Ricardo (1932-2020) desempenhou um importante papel no Cinema Novo como compositor das trilhas sonoras de filmes como Deus e o Diabo na Terra do Sol (1964). Menos célebres são os filmes dirigidos por Sérgio Ricardo, como Juliana do Amor Perdido (1970) e A Noite do Espantalho (1974), para os quais ele também compôs a trilha sonora. Como músico e cineasta, Sérgio Ricardo esteve envolvido no início dos anos 1960 com o CPC e seu projeto de arte popular revolucionária. Este artigo tem o objetivo de analisar a dimensão política e o tratamento estilizado das canções presentes no cinema de Sérgio Ricardo. Durante a análise, exploramos a relação entre a temática do enredo e a música, momento da pesquisa em que observamos o papel narrativo das canções diegéticas, em A Noite do Espantalho, e extradiegéticas, nos filmes Esse Mundo é Meu e Juliana do Amor Perdido, sendo este último filme objeto de nossa análise mais extensa. Consideramos que a música no cinema de Sérgio Ricardo se caracteriza pela objetividade política e pelo tratamento estilizado de caracteres regionalistas, seja o samba urbano, a música caiçara do litoral paulista ou a sonoridade musical do sertão nordestino, e se apresenta integrada à função narrativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joêzer Mendonça, Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Doutor em Musicologia pelo Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista. Professor nos cursos de música da Pontifícia Universidade Católica do Paraná.

Gabriela Araújo Fernandes, Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Graduada no curso de Licenciatura em Música da Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Referências

ALVIM, Luiza Melo. A música de Villa-Lobos nos filmes de Glauber Rocha dos anos 60: alegoria da pátria e retalho de colcha tropicalista. Significação, São Paulo, v. 42, n. 44, p. 100-119, jan-junho 2015.

ANDRADE, Gustavo Menezes de. As populações marginalizadas nos filmes de Sérgio Ricardo. 2017. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Comunicação Social) - Universidade de Brasília, Brasília, 2017.

AVELLAR, José Carlos. A Ponte Clandestina: teorias de cinema na América Latina. 1. Ed. SP: Editora 34, 1995. p. 77 – 114.

BAILO, Eduardo Souza. Desafio Sonoro: Sérgio Ricardo e a trilha sonora de Terra em Transe. In: SARAIVA, Daniel Lopes; HAGEMEYER, Rafael Rosa. Esse Mundo é Meu: As Artes de Sérgio Ricardo. Curitiba: Editora Appris, 1.ed. 2018. p. 165-178.

BARCELLOS, Jalusa. CPC da UNE: uma história de paixões e consciência. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1994.

CARVALHO, Márcia. A canção no cinema de Glauber Rocha: Notas sobre a função narrativa da música cantada em filmes. C-Legenda, RJ, v. 1, n. 24: Sonoridades no Cinema e no Audiovisual, p. 54-61, jul. 2011.

CONTIER, Arnaldo D. Edu Lobo e Carlos Lyra: O Nacional e o Popular na Canção de Protesto (Os Anos 60). Rev. bras. Hist. [online], SP. vol.18, n.35, pp.13-52.1998.

DEBS, Sylvie. Cinema e Cordel - Jogo de Espelhos. Fortaleza/São Luís: Interarte/Lume Filmes, 2014.

DENOVAC, Adriano da Silva. O Cineasta e a Santa: Juliana do Amor Perdido (1969). In: SARAIVA, Daniel Lopes; HAGEMEYER, Rafael Rosa. Esse Mundo é Meu: As Artes de Sérgio Ricardo. Curitiba: Editora Appris, 1.ed. 2018. P. 179 – 195.

GARCIA, Miliandre. Prefácio. In: SARAIVA, Daniel Lopes; HAGEMEYER, Rafael Rosa. Esse Mundo é Meu: As Artes de Sérgio Ricardo. Curitiba: Editora Appris, 1.ed. 2018.

HAGEMEYER, Rafael Rosa. Deus e o Diabo na Terra de Sérgio: a perseguição pela trilha. In: SARAIVA, Daniel Lopes; HAGEMEYER, Rafael Rosa. Esse Mundo é Meu: As Artes de Sérgio Ricardo. Curitiba: Editora Appris, 1.ed. 2018. p. 115 – 141.

HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Impressões de viagem: CPC, vanguarda e desbunde: 1960/1970. São Paulo: Brasiliense, 1980.

IKEDA, Alberto. Música, política e ideologia: algumas considerações. In: SIMPÓSIO LATINO-AMERICANO DE MUSICOLOGIA, FUNDAÇÃO CULTURAL DE CURITIBA, 5, 18 a 21 jan. 2001, Curitiba. Anais [...]. Curitiba: Fundação Cultural de Curitiba, Curitiba, 2001.

NAPOLITANO, Marcos. A relação entre arte e política: uma introdução teórico-metodológica. Temáticas, Campinas, v. 19 n. 37/38, p. 25-56. jan. 2011.

NAPOLITANO, Marcos. A síncope das ideias: a questão da tradição na música popular brasileira. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2007.

NAPOLITANO, Marcos. História e música: história cultural da música popular. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

NAPOLITANO, Marcos. Seguindo a canção: engajamento político e indústria cultural na trajetória da MPB (1959/1969). 1999. Tese (Doutorado em História) – FFLCH-USP, São Paulo, 2010. Versão digital revisada pelo autor.

OLIVEIRA, Mariana Bueno de. “Tenho gatilhos e tambores”: impasses estéticos e engajamento político nas canções de Sérgio Ricardo (1958 – 1967). 2018. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2018. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/157168. Acesso em: 20 dez. 2020.

PACE, Eliane. Sérgio Ricardo: Canto vadio. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010.

RIDENTI, Marcelo. Em busca do povo brasileiro: artistas da revolução, do CPC à era da TV. Rio de Janeiro: Record, 2000.

ROCHA, Glauber. A eztétyka do sonho, 1971. Hambre, espacio cine experimental, set. 2013.

SARAIVA, Daniel Lopes; HAGEMEYER, Rafael Rosa. Esse Mundo é Meu: As Artes de Sérgio Ricardo. Curitiba: Editora Appris, 2018.

SANTOS, José Benedito dos. A recriação do mito de Iemanjá e Orungã: uma leitura do romance Mar Morto de Jorge Amado. Revista Decifrar, Manaus, AM, vol. 01, n.01, p. 42-60, jan./jun. 2013.

SETTI, Kilza. Notas sobre a produção musical caiçara: música como foco de resistência entre pescadores do litoral paulista. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, SP, n. 42, p. 145-169, 1997.

SILVA NETO, Antônio Leão da. Dicionário de Filmes Brasileiros. São Paulo: A. L. Silva Neto, 2002.

XAVIER, Ismail. Sertão Mar: Glauber Rocha e a estética da fome. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

Referências Filmográficas

DEUS E O DIABO na Terra do Sol. Glauber Rocha, 1964.

ESSE MUNDO É MEU. Sérgio Ricardo, 1963.

JULIANA DO AMOR PERDIDO. Sérgio Ricardo, 1968.

A NOITE DO ESPANTALHO. Sérgio Ricardo, 1974.

TERRA EM TRANSE. Glauber Rocha, 1967.

Referências Discográficas

ESSE MUNDO É MEU. Forma, 1963. LP.

DEUS E O DIABO NA TERRA DO SOL. Forma, 1964. LP.

ARREBENTAÇÃO. Equipe, 1971. LP.

A NOITE DO ESPANTALHO. Continental, 1974. LP.

Downloads

Publicado

2020-12-26

Como Citar

MENDONÇA, J.; FERNANDES, G. A. A canção popular nos filmes de Sérgio Ricardo: politização, estilização e função narrativa. Música Popular em Revista, Campinas, SP, v. 7, n. 00, p. e020014, 2020. DOI: 10.20396/muspop.v7i00.14312. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/muspop/article/view/14312. Acesso em: 4 mar. 2021.