Um olhar musical sobre a canção Filhos de Gandhy a partir da performance de Gilberto Gil na USP em 1973

Autores

  • Marco Gérard Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
  • Tassio da Rosa Ramos UNIRIO
  • Almir Côrtes Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.20396/muspop.v7i..13354

Palavras-chave:

Filhos de Gandhy, Ijexá, Show Gil USP 1973, Gilberto Gil, Performance

Resumo

O presente artigo propõe-se a explicitar e contextualizar alguns aspectos da apresentação da canção “Filhos de Gandhy”, de Gilberto Gil, no show realizado pelo artista em 26 de maio de 1973, na Escola Politécnica da USP - um show histórico, polêmico e de forte teor político, que aos poucos vem sendo redescoberto. A escolha por essa música passa pelo afeto que nutrimos para com o próprio afoxé Filhos de Gandhy, assim como também pela possibilidade de fazer uma análise do happening realizado por Gilberto Gil durante a apresentação desta composição nesse show – incorporando, pode-se assim dizer, uma “entidade”, que conta “causos” e que narra em detalhes a história do afoxé. Este trabalho investiga a execução musical e performática do artista e os desdobramentos propostos por Gil em seu violão, que sintetiza elementos rítmicos dos tambores do ijexá, fazendo a levada enquanto canta uma melodia que interage o tempo todo com essa base do violão. Esse tipo de performance já havia se tornado emblemática naquele momento, pois Gil a havia realizado em vários shows naquela época.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Almir Côrtes, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Doutor em Música pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Professor do Instituto Villa-Lobos da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO).

Referências

ADEILSON, J. História do Afoxé Filhos de Gandhy. Repertório, Salvador, n. 19, 2012. Disponível em:

https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/13648/1/JJJJJJJJJJJJJJJJJJJJ.pdf. Acesso em: 10 mar. 2020.

BRAZIL, Daniel. Gil na USP: 40 anos de um show histórico. Revista Música Brasileira, [s. l.], 2013. Disponível em:

http://www.revistamusicabrasileira.com.br/especial/gil-na-usp-40-anos-de-um-show-historico. Acesso em: 10 mar 2020.

CANDIDO, Felipe. Gilberto Gil: os toques afro de um Filho de Gandhy. Felipe Candido, [s. l.]. Disponível em: http://felipecandido.blogspot.com/2012/12/gilberto-gil-os-toques-afro-de-um-filho.html. Acesso em: 27 out. 2020.

CARDOSO, Ângelo Nonato Natale. A linguagem dos tambores. 2006. Tese (Doutorado) Programa de Pós-Graduação em Música/Etnomusicologia, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2006.

COHN, Sergio. Gilberto Gil: encontros. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2007.

COSTA, Caio Túlio. Cale-se: a saga de Vannucchi Leme; a USP como aldeia gaulesa; o show proibido de Gilberto Gil. São Paulo: A Girafa, 2003.

CORRÊA, José Celso Martínez. Encontros. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2008.

DINIZ, Sheyla C. Denúncia política e contracultura: o “show proibido” de Gilberto Gil na Poli/USP (1973). Teoria e Cultura, v .13, n.2, p. 159-174, 2018.

DINIZ, Sheyla C. “Se oriente, rapaz...”: misticismo, dualidade e anomia na canção Oriente (Gilberto Gil. LP Expresso 2222, 1972). Música Popular em Revista, Campinas, ano 3, v. 2, p. 119- 145, jan./jun. 2015.

DOURADO, Henrique Autran. Dicionário de termos e expressões da música. São Paulo: Editora 34, 2004.

FONSECA, Edilberto José de Macedo. “...Dar rum ao orixá...”: ritmo e rito nos candomblés ketu-nagô. Textos escolhidos de cultura e arte populares, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 101-116, 2006. Disponível em:

https://www.academia.edu/5416450/_..._DAR_RUM_AO_ORIX%C3%81_..._ritmo_e_rito_nos_candombl%C3%A9s_ketu-nag%C3%B4?auto=download. Acesso em: 10 mar 2020.

FRUNGILLO, Mário D. Dicionário de percussão. São Paulo: Editora UNESP, 2003.

IKEDA, Alberto T. O ijexá no Brasil: rítmica dos deuses nos terreiros, nas ruas e palcos da música popular. Revista USP, São Paulo, n. 111, out/nov/dez 2016.

LOPES, Antonio Herculano. Performance e História (ou como a onça, de um salto, foi ao Rio do princípio do século e ainda voltou para contar história). Fundação Casa de Rui Barbosa, [s. l.], 2003. Disponível em: www.casaruibarbosa.gov.br. Acesso em: 05 mar. 2020.

LOPES, Nei. A presença africana na música popular brasileira. Revista Espaço Acadêmico, [s. l.], n. 50, jul. 2005. Disponível em:

https://meujazz.files.wordpress.com/2010/01/lopes-nei-a-presenca-africana-na-musica-popular-brasileira.pdf. Acesso em: 05 mar. 2020.

MORALES, Anamaria. Blocos negros em Salvador: reelaboração cultural e símbolos de baianidade. Caderno CRH, Salvador, 1991. Disponível em:

https://portalseer.ufba.br/index.php/crh/article/viewFile/18844/12214 Acesso em: 10 mar. 2020.

PAULAFREITAS, Ayêska. Música de rua de Salvador: preparando a cena para o axé músic. In: ENCONTRO DE ESTUDOS MULTIDISCIPLINARES EM CULTURA (ENECULT), 1, 2005, Salvador. Anais [...]. Salvador: UFBA, 2005. Disponível em: http://www.cult.ufba.br/enecul2005/AyeskaPaulafreitas.pdf. Acesso em: 10 mar. 2020.

RISÉRIO, Antonio (org.). Gilberto Gil: Expresso 2222. São Paulo: Corrupio, 1982.

ROCHA, Glauber. Revolução do Cinema Novo. Rio de Janeiro: Alhambra/Embrafilme, 1981.

SANCHES, Pedro Alexandre. Tropicalismo - decadência bonita do samba. São Paulo: Boitempo Editorial, 2000.

VASCONCELOS, Jorge Luiz. A música do candomblé Queto – Registros fonográficos e relações com a música popular industrializada. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ETNOMUSICOLOGIA, 5, 2011, Belém. Anais [...]. Belém: ABET, 2011. Disponível em: https://www.academia.edu/3545202/A_MÚSICA_DO_CANDOMBLÉ_QUETO_- REGISTROS_FONOGRÁFICOS_E_RELAÇÕES_COM_A_MÚSICA_POPULAR_INDUSTRIALIZADA. Acesso em: 10 mar. 2020.

ZAN, José Roberto. Secos & Molhados: metáfora, ambivalência e performance. ArtCultura, Uberlândia, v. 15, n. 27, p. 7-27, jul.-dez. 2013. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/artcultura/article/view/29331/16224. Acesso em: 10 mai. 2020.

Downloads

Publicado

2020-11-02

Como Citar

GÉRARD, M.; RAMOS, T. da R.; CÔRTES, A. Um olhar musical sobre a canção Filhos de Gandhy a partir da performance de Gilberto Gil na USP em 1973. Música Popular em Revista, Campinas, SP, v. 7, n. 00, p. e020002, 2020. DOI: 10.20396/muspop.v7i.13354. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/muspop/article/view/13354. Acesso em: 4 mar. 2021.