Banner Portal
Cena musical paulistana dos anos 2010 e o “novo artista da música” na produção independente brasileira pós-internet
PDF

Palavras-chave

Música brasileira
Internet
Indústria fonográfica
Tecnologia
Produção Independente

Como Citar

GALLETTA, Thiago. Cena musical paulistana dos anos 2010 e o “novo artista da música” na produção independente brasileira pós-internet. Música Popular em Revista, Campinas, SP, v. 5, n. 2, p. 116–141, 2018. DOI: 10.20396/muspop.v5i2.13138. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/muspop/article/view/13138. Acesso em: 13 jul. 2024.

Resumo

Partindo de entrevistas com artistas e analisando a importância da cena musical paulistana dos anos 2010, enquanto proeminente polo criativo na música brasileira atual, o artigo discute algumas das principais reconfigurações que se operam – a partir do contexto digital recente – nos lugares ocupados pelos artistas e pelas cenas “independentes” na cadeia de produção e consumo musical. Serão analisados ainda, especialmente, os papéis simultâneos assumidos por estes artistas no cenário tecnológico e econômico emergente, enquanto “criado­res” de sua obra e como “gestores” e “comunicadores” de suas carreiras. Aqui se sublinhará tanto os novos potenciais produtivos e estéticos descortinados em meio a estas mudanças, co­mo também tensões entre estas atribuições e funções concomitantes, que não conviviam de modo tão imbricado em décadas anteriores.

https://doi.org/10.20396/muspop.v5i2.13138
PDF

Referências

ANDERSON, Chris. A cauda longa: do mercado de massa ao mercado de nicho. São Paulo: Campus, 2006.

ARTE EM REVISTA: São Paulo: CEAC (Centro de Estudos de Arte Contemporânea), ano 6, n. 8, 1984. Edição especial: Independentes.

BAHIANA, Ana Maria. Nada será como antes: MPB nos anos 70. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980.

DA NATUREZA dos lobos. Banda desenhada, 7 fev. 2013. Disponível em: http://bandadesenhada01.blogspot.com.br/2013/02/da-natureza-dos-lobos.html. Acesso em: 20 fev. 2018.

DECLARE independência. Banda desenhada, 28 out. 2011. Disponível em: http://bandadesenhada01.blogspot.com.br/2011/10/declareindependencia.html. Acesso em: 20 fev 2018.

DESAFINANDO o coro dos contentes. Banda desenhada, 11 jul. 2011. Disponível em: http://bandadesenhada01.blogspot.com.br/2011/07/desafinando-o-coro-doscontentes.html. Acesso em: 20 fev. 2018.

DIAS, Márcia Tosta. Os donos da voz: indústria fonográfica brasileira e mundialização da cultura. São Paulo: Boitempo; FAPESP, 2000.

FERNANDES DE OLIVEIRA, Laerte. Em um porão de São Paulo: o Lira Paulistana e a produção alternativa. São Paulo: Annablume: FAPESP, 2002.

GALLETTA, Thiago. Para além das grandes gravadoras: percursos históricos, imaginários e práticas do "independente” no Brasil. Música Popular em Revista, Campinas, ano 3, vol. 1, p.54-79, jul-dez, 2014.

__________. Cena musical paulistana dos anos 2010: a “música brasileira” depois da internet. São Paulo: Annablume: FAPESP, 2016.

GPOPAI-USP [Grupo de Pesquisa em Políticas Públicas para o Acesso à informação – Universidade de São Paulo]. Uma análise qualitativa do mercado de música no Brasil. São Paulo: ECA-USP, 2010.

HERSCHMANN, Micael. Indústria da Música em transição. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2010. MACHADO, Cacá. [Orelha de livro]. In: GALLETTA, Thiago. Cena musical paulistana dos anos 2010: a “música brasileira” depois da internet. São Paulo: Annablume/ FAPESP, 2016.

MAKOWSKI, Alexandra. Alexandra Makowski entrevista Romulo Fróes. 15 jun. 2011. Programa Alexandra Makowski entrevista. Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=w001tbT4T40&feature=related. Acesso em: 20 fev. 2018.

MANEVY, Alfredo. Os dez mandamentos do Ministério da Cultura na gestão Gil e Juca. Cadernos CENPEC, n. 7, p.103-115, 2010.

MIDANI, André. Música, ídolos e poder: do vinil ao download. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

MORELLI, Rita de Cássia. Indústria fonográfica: um estudo antropológico. Campinas: Ed. Unicamp, 1991.

__________. “O campo da MPB e o mercado moderno de música no Brasil: do nacional-popular à segmentação contemporânea”. ArtCultura, Uberlândia, v. 10, n.16, p.87-101, jan.- jun., 2008.

MORAIS, Marcos. Mar de músicas. Tribuna de Minas, 8 out. 2013. Disponível em: http://www.tribunademinas.com.br/mar-de-musicas/. Acesso em: 20 fev. 2018. 2013.

MULLER, Daniel Gustavo Mingotti. Música instrumental e indústria fonográfica no Brasil: a experiência do selo Som da gente. Dissertação (Mestrado em Música). Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005.

PINHEIRO, Andréa; PAIVA, Flávio. “Som Zoom: música para fazer a festa”. In: GUERRINI JUNIOR, Irineu; VICENTE, Eduardo (Org.). Na trilha do disco: relatos sobre a indústria fonográfica no Brasil. Rio de Janeiro: E-Papers Serviços Editoriais, 2010. p. 41-56.

REVISTA Bravo. Prêmio Bravo! de Cultura 2018. Youtube, 27 mar. 2018. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=0mBiYO13aRs. Acesso em 28 mar. 2018.

ROUVROY, Antoinette; BERNS, Thomas. “Governamentalidade algorítmica e perspectivas de emancipação: o díspar como condição de individuação pela relação?”. Revista Eco-Pos, vol 18, n. 2, 2015.

SESC em São Paulo. Zeca Baleiro, Alexandre Matias e Pablo Miyazawa. Youtube, 19 mai. 2011. Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=sipVWY4LoO0. Acesso em: 20 fev. 2018.

VAZ, Gil Nuno. História da música independente. São Paulo: Brasiliense, 1988.

VICENTE, Eduardo. A música popular e as novas tecnologias de produção musical: uma análise do impacto das novas tecnologias digitais no campo de produção da canção popular de massas. 1996. Dissertação (Mestrado em Sociologia). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1996.

__________. Música e disco no Brasil: a trajetória da indústria nas décadas de 80 e 90. Tese (Doutorado em Comunicações). Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, 2002.

Z DA QUESTÃO. Banda desenhada, 29 set. 2011. Disponível em: http://bandadesenhada01.blogspot.com.br/2011/09/z-da-questao.html. Acesso em: 09 ago. 2013.

A publicação Música Popular em Revista em sua obra adota e está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.