Banner Portal
A desumanização social
PDF

Palavras-chave

Milton Nascimento
Música popular brasileira
Análise musical
Industrialização – Brasil
Capitalismo

Como Citar

GUERALDO, Vinícius José Fecchio. A desumanização social: a nostalgia crítica de Milton Nascimento. Música Popular em Revista, Campinas, SP, v. 5, n. 2, p. 35–60, 2018. DOI: 10.20396/muspop.v5i2.13135. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/muspop/article/view/13135. Acesso em: 13 jul. 2024.

Resumo

Uma das marcas da obra do músico e compositor Milton Nascimento é a forte presença de traços nostálgicos em suas gravações, pois, em muitos casos, os acontecimentos relacionados ao tempo presente são lidos de maneira negativa, principalmente se comparados às situações relativas ao passado, momento no qual as pessoas supostamente teriam uma vida melhor. Segue disso outra característica essencial à sua produção: uma crítica radical ao modelo de sociedade reinante. Nostalgia e críticas são, desse modo, determinações simultâneas e inseparáveis, que se constituem como um dos pilares de suas canções. A questão, portanto, é salientar que essa retomada do passado é bem delineada: corresponde aos primórdios da industrialização brasileira.

https://doi.org/10.20396/muspop.v5i2.13135
PDF

Referências

BENJAMIN, Walter. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: ______. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1994.

CANTON, Ciro Augusto Pereira. “Nuvem no céu e raiz”: romantismo revolucionário e mineiridade em Milton Nascimento e no Clube da Esquina (1970-1983). Dissertação de mestrado (História), São João Del Rey, UFSJ, 2010.

DIEB, Eduardo A. Coca-cola era isso aí: anúncios publicitários de Coca-cola apresenta, o American Way of Life aos brasileiros. Cadernos de pós-graduação, vol. 15, n°1, São Paulo, Mackenzie, 2015, S./p.

DINIZ, Sheyla Castro, “Nuvem cigana”: a trajetória do Clube de Esquina no campo da MPB. Dissertação de mestrado (Sociologia). Campinas, Unicamp, 2012.

__________. "… De tudo que a gente sonhou": amigos e canções do Clube da Esquina. São Paulo: Intermeios/Fapesp, 2017.

ESTANISLAU, Andréa (Org.). Coração americano: 35 anos de Clube da Esquina. Belo Horizonte: Prax, 2008.

FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. 10.ª ed. São Paulo: Editora Nacional, 1970.

GARCIA, Luiz Henrique Assis. Coisas que ficaram muito tempo por dizer: O Clube da Esquina como formação cultural. Dissertação de mestrado (História). Belo Horizonte, UFMG, 2000.

GUERALDO, Vinícius José Fecchio. Milton Nascimento: Nostalgia do não-lugar. In: DINIZ, Sheyla Castro; GUERALDO, Vinícius José Fecchio; FERREIRA FILHO, Renato Gonçalves. “Três canções da repressão à transição democrática (1971-1986): impasses, ruínas e estilhaços”, Anais do XXV Congresso da Anppom (Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música), Vitória, 2015.

__________. Em busca do consenso: Milton Nascimento e a perda dos laços comunitários. Dissertação de mestrado (Filosofia). São Paulo: USP, 2017.

HINDENBURGO, Francisco Pires. Imagens e história na internet: os bondes, patrimônio brasileiro. Ar@cne, Revista eletrónica de recursos en internet sobre geografía y ciencias sociales, n.° 156, Universidad de Barcelona, 2012.

LÖWY, Michael; SAYRE, Robert. Romantismo e política. Trad. Eloísa de Araújo Oliveira. São Paulo: Paz e Terra, 1993.

MACHADO, Maria Clara Tomaz. (Re)significações culturais no mundo rural mineiro: o carro de boi – do trabalho ao festar (1950-2000). Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 26, n.° 51, 2006.

MARTÍN, María. Grito por “Diretas Já” toma a praia de Copacabana. El Pais, Brasil, 29 mai. 2017. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2017/05/28/politica/1495998882_672937.html. Acesso em: julho de 2017.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. Livro Primeiro. Tomo I. Trad. Regis Barbosa e Flávio R. Kothe. 3° ed. São Paulo: Nova Cultural, 1988. MOLINA, Sérgio. A composição de música popular cantada: a construção de sonoridades e a montagem dos álbuns no pós-década de 1960. Tese de Doutorado (música). São Paulo: USP, 2015.

NUNES, Thais dos Guimarães Alvim. A sonoridade específica do clube da esquina. Dissertação de mestrado (Música), Campinas: UNICAMP, 2005.

OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino de. Agricultura e indústria no Brasil. CampoTerritório: revista de geografia agrária, vol. 5, n. 10, p. 5-64, ago. 2010.

OLIVEIRA, Francisco de. Crítica à razão dualista: o ornitorrinco. São Paulo: Boitempo, 2013. PINHEIRO, Letícia. A entrada do Brasil na Segunda Guerra Mundial. Revista USP. São Paulo (26), p. 108-119, jun./ago. 1995.

RANGEL, Ignácio. Economia: milagre e anti-milagre. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985. REIS FILHO, Daniel Aarão. Ditadura e democracia no Brasil: do golpe de 1964 à Constituição de 1988. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

SALADINO, Alejandra. O fechamento da Panair do Brasil e a ascensão da VARIG. Revista Cantareira, 8. ed., UFF, S./d.

SINGER, Paul. A crise do “milagre”: interpretação crítica da economia brasileira. 5° ed. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1977.

SREIT, Maíra. Daniela Mercury canta na Câmara dos Deputados: “qualquer maneira de amor vale a pena”. Revista Fórum, 20 mai. 2015. Disponível em: http://www.revistaforum.com.br/2015/05/20daniela-mercury-canta-na-camarados-deputados-qualque-maneira-de-amor-vale-a-pena. Acesso em: julho de 2017.

TATIT, Luiz. O cancionista: composição de canções no Brasil. São Paulo: Edusp, 2012.

VERSOLATO, Rafael. O mistério do real: capital e trabalho assalariado. Dissertação de mestrado (Filosofia). São Paulo: USP, 2016.

VILELA, Ivan. Nada ficou como antes. Revista USP, Dossiê música brasileira, n.º 87, São Paulo, USP, set. a nov. 2010.

VILLELA, Sumaia. No Recife, militantes fazem acampamento e vigília contra impeachment. Agência Brasil, 15 abr. 2016. Disponível em: http://agenciabrasil.ebc.com.br/politica/noticia/2016-04/no-recife-militantesfazem-acampamento-e-vigilia-contra-impeachment. Acesso em: julho de 2017.

A publicação Música Popular em Revista em sua obra adota e está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.