Contexto histórico e artístico de produção do fenômeno Racionais MC’s

uma ruptura musical

Autores

  • Tiaraju D’Andrea Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/muspop.v5i1.13127

Palavras-chave:

Racionais MC’s, Rap, Anos 1990, Sujeitos periféricos, Neoliberalismo

Resumo

Diferentemente do que já foi realizado de maneira corrente, este artigo não analisará nenhuma letra de rap dos Racionais MC’s. A obra do grupo será debatida por meio de três feixes interpretativos. Cada um desses feixes contemplará cada uma das três sessões do texto. Na primeira e na segunda sessão, serão realizadas análises externas a obra do grupo. Na primeira se descreverá o contexto histórico no qual emergiram os Racionais MC’s, dando ênfase ao emblemático ano de 1993. Na segunda sessão se tratará do contexto artístico do começo da década de 1990. Um dos pressupostos deste texto é o de que não é possível compreender uma obra artística sem compreender o contexto na qual ela foi produzida e como esse contexto se relaciona com a obra e com sua potencial visibilidade. A terceira sessão propõe uma análise musicológica do rap produzido pelos Racionais MC’s, atribuindo a algumas características musicais propostas pelo grupo o sucesso que o mesmo obteve.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tiaraju D’Andrea, Universidade de São Paulo

Doutorado em Sociologia pela Universidade de São Paulo.

Referências

AB SÁBER, Tales. A Música do Tempo Infinito. Rio de Janeiro: Cosac Naify, 2012.

ARANTES, Paulo. 1964: o ano que não terminou. In: TELES, Edson; SAFATLE, Vladimir (Orgs.). O que resta da ditadura: a exceção brasileira. São Paulo: Boitempo, 2010.

CARRIL, Lourdes. Quilombo, Favela e Periferia. A Longa Busca da Cidadania. São Paulo: Annablume: Fapesp, 2006.

CUÍCA, Osvaldinho da; DOMINGUES, André. Batuqueiros da paulicéia. São Paulo: Barcarolla, 2009.

D’ANDREA, Tiaraju. A Formação dos Sujeitos Periféricos: Cultura e Política na Periferia de São Paulo. Tese de Doutorado. Departamento de Sociologia. FFLCH/USP, 2013.

______. Fim de Semana no Parque: vinte anos. Le Monde Diplomatique. Edição 76. Novembro, 2013.

DJ TR. Acorda Hip-Hop. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2007.

GARCIA, Walter. Bim Bom. A Contradição Sem Conflitos de João Gilberto. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

______. Ouvindo Racionais MC’s. In: Ensaios sobre Arte e Cultura na Formação. São Paulo: Anca/Coletivo Nacional de Cultura do MST, 2006.

HERSCHMANN, Micael. O Funk e o Hip-Hop invadem a cena. Rio de Janeiro, Editora UFRJ, 2005.

POCHMANN, Marcio. Nova Classe Média? O Trabalho na Base da Pirâmide Social Brasileira. São Paulo: Boitempo, 2012.

ROUGET, Gilbert. La Musique et la Transe. Paris: Éditions Gallimard, 1990.

SCHWARZ, Roberto. Cultura e Política: 1964-1969. In: ______. O Pai de Família e outros estudos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

SECCO, Lincoln. História do PT. Cotia: Ateliê Editorial, 2011.

SINGER, André. Os Sentidos do Lulismo. Reforma Gradual e Pacto Conservador. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

______. Novas Expressões do Conservadorismo Brasileiro. Entrevista concedida a Luis Brasilino. Le Monde Diplomatique Brasil, Ano 6, n 63, outubro, 2012a, p. 20-21.

TATIT, Luis. Marchinha e Samba-Enredo. In: ______. Todos entoam. São Paulo: Publifolha, 2007. p. 200-202.

______. O Cancionista. São Paulo: Edusp, 1996.

TELLES, Vera da Silva. A cidade nas fronteiras do legal e ilegal. Belo Horizonte: Fino Traço Editora, 2012.

TROTTA, Felipe. O Samba e Suas Fronteiras. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2011.

WISNIK, José Miguel. O Som e o Sentido. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

Downloads

Publicado

2018-01-19

Como Citar

D’ANDREA, T. Contexto histórico e artístico de produção do fenômeno Racionais MC’s: uma ruptura musical. Música Popular em Revista, Campinas, SP, v. 5, n. 1, p. 95–112, 2018. DOI: 10.20396/muspop.v5i1.13127. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/muspop/article/view/13127. Acesso em: 4 fev. 2023.

Edição

Seção

Dossiê