Por uma história da indústria fonográfica no Brasil 1900-2010

uma contribuição desde a Comunicação Social

Autores

  • Eduardo Vicente Universidade de São Paulo
  • Leonardo de Marchi Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/muspop.v3i1.12957

Palavras-chave:

Indústria fonográfica, Música popular brasileira, História social da mídia

Resumo

O objetivo do presente artigo é apresentar um relato condensado da história da indústria fonográfica no Brasil, desde os primeiros anos do século XX até os dias atuais (1900-2010). Baseando-se numa pesquisa bibliográfica, que compreendeu livros publicados, teses de doutorado e as atuais pesquisas dos autores, este trabalho pretende oferecer uma visão geral da dinâmica da indústria de registros sonoros, articulando aspectos tecnológicos, econômicos e socioculturais que influenciaram o desenvolvimento dessa indústria cultural no país. Dessa forma, pretende-se lançar luz sobre relações entre esse negócio de comunicação e cultura e a música popular brasileira, auxiliando futuras pesquisas relacionadas ao tema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Vicente, Universidade de São Paulo

Doutorado em Comunicação pela Universidade em São Paulo. Pós-doutorado pela Birmingham School of Media da Birmingham City University (BCU) do Reino Unido. Professor do Departamento de Cinema, Rádio e TV (CTR) da Escola de Comunicação E Artes da Universidade de São Paulo e do Programa de Pós-Graduação em Meios e Processos Audiovisuais.

Leonardo de Marchi, Universidade de São Paulo

Doutorado em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Bolsista de Pós-Doutorado da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PRODUTORES DE DISCOS. Mercado brasileiro de música 2002. Rio de Janeiro: ABPD, 2003. Disponível em: http://www.abpd.org.br/downloads.asp. Acesso em: 01 dez. 2003.

_______. Mercado brasileiro de música 2005. Rio de Janeiro: ABPD, 2006. Disponível em:http://www.abpd.org.br/downloads.asp. Acesso em: 15 ago. 2006.

_______. Mercado brasileiro de música 2012. Rio de Janeiro: ABPD, 2013. Disponível em: http://www.abpd.org.br/downloads.asp. Acesso em: 10 jul. 2013.

BAHIANA, Ana Maria. Importação e Assimilação: rock, soul, discotheque. In: NOVAES, Adauto (Org.). Anos 70: Música Popular, Rio de Janeiro, Ed. Europa, 1980, p. 41-51.

BORIS, Fausto. A revolução de 1930. 8. ed. São Paulo: Brasiliense,1982.

FRANCESCHI, Humberto M. A Casa Edison e seu tempo. Rio de Janeiro: Sarapuí, 2002.

CHANAN, Michael. Repeated takes: a short history of recording and its effects on music. London & New York: Verso, 1995

CIOCCI, Sandra; CARRASCO, Ney. Os cantores do rádio que protagonizaram filmes da Atlântida. Música Popular em Revista, Campinas, ano 2, v. 1, p. 74-98, jul.-dez. 2013. DOI: https://doi.org/10.20396/muspop.v2i1.12969

DAPIEVE, Arthur. Brock: o rock brasileiro dos anos 80. 2a ed. São Paulo: Ed. 34, 1995.

DE MARCHI, Leonardo. Indústria Fonográfica e a Nova Produção Independente: o Futuro da Música Brasileira? Comunicação, Mídia e Consumo, São Paulo, v. 03, p. 167-182, 2006.

_______. O significado político da produção fonográfica independente brasileira. E-Compós, Brasília, v. 1, p. 2-21, 2007.

_______. Transformações estruturais da indústria fonográfica no Brasil 1999-2009: Desestruturação do mercado de discos, novas mediações do comércio de fonogramas digitais e consequências para a diversidade cultural no mercado de música. Tese. (Doutorado em Comunicação e Cultura) – ECO/UFRJ, Rio de Janeiro, 2011.

________; ALBORNOZ, Luis A.; HERSCHMANN, Micael. Novos negócios fonográficos no Brasil e a intermediação do mercado digital de música. Revista FAMECOS, v. 18, p. 279-291, 2011. DOI: https://doi.org/10.15448/1980-3729.2011.1.8814

________. Inovação e institucionalização na indústria fonográfica brasileira: um estudo de caso das estratégias de negócio de músicos autônomos no entorno digital. Revista EPTIC, v. 14, p. 1-22, 2012.

DIAS, Márcia T. Os donos da voz: indústria fonográfica brasileira e mundialização da cultura. São Paulo: Boitempo, 2000.

DOWD, Timothy J. Culture and commodification: technology and structural power in the early U.S. recording industry. The International Journal of Sociology and Social Policy, nº 22, p. 106-140, 2002. DOI: https://doi.org/10.1108/01443330210789979

GITELMAN, Lisa. Scripts, grooves and writing machines: representing technology in the Edison era. Standford: Standford University Press, 1999.

GONZÁLES, Juan P.; ROLLE, Claudio. História social de la música popular en Chile 1890-1950. Santiago: Ediciónes Universidad Pontifícia Católica de Chile: Casa de las Américas, 2004.

GRONOW, Pekka; ENGLUND, Björn. Inventing recorded music: the recorded repertoire in Scandinavia 1899-1925. Popular Music, Reino Unido, vol. 26, nº 02, p. 281-304, 2007. DOI: https://doi.org/10.1017/S0261143007001298

HERSCHMANN, Micael. Indústria da música em transição. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2010.

_______. Nas bordas e fora do mainstream musical: tendências da música independente no início do século XXI. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2011.

HOBSBAWN, Eric. A era dos impérios 1875-1914. 11ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998.

INTERNATIONAL FEDERATION OF THE PHONOGRAPHIC INDUSTRY. The Recording Industry in Numbers 99: the definitive source of global music market information. Londres: IFPI, 1999

MÁXIMO, João; DIDIER, Carlos. Noel Rosa: uma biografia. Brasília: Ed. UnB, 1990.

MIDANI, André. Música, ídolos e poder: do vinil ao download. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

MORAES, José G. V.. Metrópole em sinfonia: história, cultura e música popular na São Paulo dos anos 1930. São Paulo: Estação Liberdade, 2000.

MORELLI, Rita C. L. O campo da MPB e o mercado moderno de música no Brasil: do nacional-popular à segmentação contemporânea. ArtCultura, Uberlândia, v. 10, n. 16, p. 87-101, jan.-jun. 2008.

______. Indústria fonográfica: um estudo antropológico. 2ª ed. Campinas: Ed. Unicamp, 2009.

______. Música na TV de São Paulo nas décadas de 1950 e 1960: investimentos identitários e estatutários, XV CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA, julho de 2011, Curitiba (PR).

NAPOLITANO, Marcos. Seguindo a canção: engajamento político e indústria cultural na MPB 1959-1969. São Paulo: Annablume, 2001.

ORTIZ, Renato. A moderna tradição brasileira: cultura brasileira e indústria cultural. 5ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

ORTRIWANO, Gisela S. A informação no rádio: os grupos de poder e a determinação dos conteúdos. São Paulo: Summos, 1984.

PRESTES FILHO, Luís C. (Coord.). Cadeia produtiva da economia da música. Rio de Janeiro: Instituto Gênesis/ PUC-RJ, 2005.

SAROLDI, Luiz C.; MOREIRA, Sonia, V.. Rádio Nacional: o Brasil em sintonia. 3ª ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2005.

STERNE, Jonathan. The audible past: cultural origins of sound reproduction. Durham & London: Duke University Press, 2003. DOI: https://doi.org/10.1215/9780822384250

TINHORÃO, José R. Música popular: do gramofone ao rádio. São Paulo: Ática, 1981.

VIANNA, Hermano. O mistério do samba. Rio de Janeiro: Zahar, 1999.

VICENTE, Eduardo. A vez dos independentes(?):um olhar sobre a produção musical independente do país, e-compós. Revista da Associação Nacional de Pós-Graduação em Comunicações, 2006.

______. Segmentação e consumo: a produção fonográfica brasileira 1965-1999. ArtCultura, Uberlândia, v.10, n. 16, p. 103-121, jan.- jun. 2008.

______. Da Vitrola ao iPod: uma história da indústria fonográfica no Brasil. São Paulo: Alameda Editorial, 2014.

YÚDICE, George. La transformación y diversificación de la indústria de la música. In: Anais del seminario internacional para la coperación cultura-comunicación em iberoamérica. Madrid: Fundación Alternativas, 2007. p. 1-13.

ZAN, Jorge R. A Gravadora Elenco e a bossa nova. In: Cadernos da Pós-Graduação, Campinas, IA/Unicamp, vol. 2, no 1, p. 64-70, 1998.

Downloads

Publicado

2014-10-22

Como Citar

VICENTE, E.; MARCHI, L. de. Por uma história da indústria fonográfica no Brasil 1900-2010: uma contribuição desde a Comunicação Social. Música Popular em Revista, Campinas, SP, v. 3, n. 1, p. 7–36, 2014. DOI: 10.20396/muspop.v3i1.12957. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/muspop/article/view/12957. Acesso em: 8 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)