A erotização do imaginário do pop-rock brasileiro nas canções de Rita Lee

Autores

  • Sílvio Antonio Luiz Anaz Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/muspop.v3i1.12951

Palavras-chave:

Canção, Imaginário, Processo criativo, Semiótica, Cultura midiática

Resumo

Este artigo analisa o processo de construção de um imaginário de amor romântico erotizado na canção popular a partir de alguns dos principais sucessos compostos por Rita Lee. Para compreender o processo de criação desse imaginário, a investigação parte dos diálogos que a artista estabeleceu com a cultura, nos anos de sua formação e na época de composição das obras aqui analisadas, e avança até a semiose de suas letras e músicas. A análise do processo de formação de imaginários fundamenta-se no conceito de imaginário, desenvolvido por Gilbet Durand, na ideia de neotribalização, elaborada por Michel Maffesoli, e na análise textual de Roland Barthes. A conclusão mostra o arquétipo da protagonista feminina com pretensões libertárias e altamente sexualizada como elemento central do percurso entre a rede de diálogos estabelecidos pela artista com a cultura e os elementos simbólicos presentes no imaginário das suas canções.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sílvio Antonio Luiz Anaz, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Doutorado em Comunicação e Semiótica na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Referências

ANAZ, Sílvio A. L. A comunicação do amor romântico no pop-rock brasileiro. 280 f. Tese (Doutorado em Comunicação e Semiótica) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2013.

BARTSCH, Henrique. Rita Lee mora ao lado. São Paulo: Panda Book, 2006 BARTHES, Roland. A aventura semiológica. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

______. Fragmentos de um discurso amoroso. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

CALADO, Carlos. A Divina Comédia dos Mutantes. São Paulo: Editora 34, 1995.

COSTA, Jurandir Freire. Sem fraude nem favor: estudo sobre o amor romântico. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

CANCLINI, Néstor. Culturas Híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: Edusp, 1997.

DURAND, Gilbert. A Imaginação Simbólica. São Paulo: Editora Cultrix, 1988.

______. Campos do Imaginário. Lisboa: Instituto Piaget, 1996.

______. As Estruturas Antropológicas do Imaginário. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

FIORIN, José Luiz. As astúcias da enunciação. São Paulo: Editora Ática, 2. ed., 2002.

LEE, Rita. Entrevista: Rita Lee finaliza disco e recebe homenagens. Folha de S. Paulo, São Paulo, 29 abr. 1997.

______. Entrevista: Semi-reclusa, Rita Lee quer fazer disco new age. Folha de S. Paulo, São Paulo, 17 jul. 2000.

______. Entrevista: “Não nasci para casar e lavar cuecas”, revela Rita Lee. Rolling Stone, São Paulo, edição 15, dez. 2007.

______. Entrevista: Rita Lee faz pic-nic com velhos hits em nova turnê. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 3 abr. 2008.

LEVITIN, Daniel J. The World in Six Songs: how the musical brain created the human nature. Nova York: Dutton, 2008.

MAFFESOLI, Michel. O Tempo das Tribos. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

______. O imaginário é uma realidade. Entrevista a Juremir Machado da Silva. In Revista FAMECOS, n. 15, agosto de 2001.

MARTIN-BARBERO, Jesús. Dos Meios às Mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 6. ed., 2009.

PAZ, Octávio. A dupla chama: amor e erotismo. São Paulo: Siciliano, 1994.

PLUTARCO. Obras Morais - Diálogo sobre o Amor - Relatos de Amor. Coimbra: Universidade de Coimbra, 2009. SHUKER, Roy. Vocabulário de música pop. São Paulo: Hedra, 1999.

WHITBURN, Joel. Billboard Top 1000 Singles 1955-2000. Milwakee: Hal Leonard, 2001.

Downloads

Publicado

2014-09-12

Como Citar

ANAZ, S. A. L. A erotização do imaginário do pop-rock brasileiro nas canções de Rita Lee. Música Popular em Revista, Campinas, SP, v. 3, n. 1, p. 80–100, 2014. DOI: 10.20396/muspop.v3i1.12951. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/muspop/article/view/12951. Acesso em: 30 jun. 2022.

Edição

Seção

Artigos