Banner Portal
“Pedro Pedreiro”, “Bye Bye Brasil”, “Pelas Tabelas”
PDF

Palavras-chave

Utopia
Progresso
Modernização à brasileira
Capitalismo tardio

Como Citar

SANTOS, Daniela Vieira dos. “Pedro Pedreiro”, “Bye Bye Brasil”, “Pelas Tabelas”: rumo ao colapso do tempo histórico. Música Popular em Revista, Campinas, SP, v. 2, n. 2, p. 82–109, 2014. DOI: 10.20396/muspop.v2i2.12941. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/muspop/article/view/12941. Acesso em: 14 jul. 2024.

Resumo

A questão do tempo histórico no cancioneiro de Chico Buarque de Hollanda não é algo novo. Desde as suas primeiras composições essa problemática foi abordada, ainda que sob diferentes pontos de vista. Nesse artigo, buscarei somar o assunto a duas diretrizes que, de certo modo, estão relacionadas: o processo de modernização à brasileira e o fim da perspectiva de entoar o país do futuro. Para tanto, o texto divide-se em duas partes. Primeiro, demonstro como a obra de Chico Buarque perpassada pela melancolia radical vincula-se à perda da imagem do país do futuro e, em segundo, analiso como esse “futuro” se concretizou. O primeiro ponto sintetiza-se em várias canções do início da carreira de Chico, porém, a questão será aqui considerada por meio da análise sócio-histórica de “Pedro Pedreiro” (1965) que materializa o declínio das utopias à esquerda. Para sintetizar as consequências desse declínio, já no contexto da redemocratização, me deterei em “Bye Bye Brasil” (1979) e “Pelas Tabelas” (1984). Saliento que “Pedro Pedreiro” servirá como uma espécie de introdução ao principal motivo do texto: o diagnóstico do tempo preso em si mesmo no capitalismo tardio, em conjunto com as transformações do processo de modernização à brasileira.

https://doi.org/10.20396/muspop.v2i2.12941
PDF

Referências

ARANTES, Paulo Eduardo. A Fratura Brasileira do Mundo: visões do laboratório brasileiro da mundialização. In: Zero à Esquerda (Coleção Baderna). São Paulo: Conrad Livros, 2004, p. 25-77.

BASTOS, Manoel Dourado. Notas de testemunho e recalque: uma experiência musical dos traumas sociais brasileiros em Chico Buarque e Paulinho da Viola (de meados da década de 1960 a meados da década de 1970). 2009. 292f. (Doutorado em História). Unesp, Assis, 2009.

BRITO, Brasil Rocha. Bossa Nova. In: CAMPOS, Augusto de. Balanço da Bossa e outras bossas. São Paulo, Perspectiva, 1974.

BUARQUE, Chico. Pedro Pedreiro. In: Chico Buarque de Hollanda. RGE, 1966.

_____. Bye Bye Brasil. In: ______. Vida. Philips/Polygram, CD 518 218-2, 1993 [1980].

_____. Pelas Tabelas. In: Chico Buarque. Philips/Polygram, CD 510 003-2, 1993 [LP Barclay 825 161-1, lançado em 1984].

BUARQUE, Chico. Chico ou o País da Delicadeza Perdida. Direção Walter Salles Jr. e Nelson Motta. BMG, DVD 82876538929, 2003.

CANCLINI, Nestor Garcia. Contradições Latino Americanas: modernismo sem modernização. In: ______. Culturas Híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: Edusp, 2008, p. 67-97.

CANDIDO, Antonio. Radicalismos. In: ______. Vários Escritos. São Paulo, Duas Cidades/Ouro sobre Azul, 2011, p. 195-216.

COUTO, Fernando Marcílio Lopes. Chico Buarque: Música, Povo e Brasil. 2007. 163f. Dissertação (Mestrado em Teoria Literária), IEL, UNICAMP, Campinas, 2007.

CORREA, Priscila Gomes. Do cotidiano urbano à cultura: as canções de Caetano Veloso e Chico Buarque. 2011. 246f. Tese (Doutorado em História Social), FFLCH,USP, São Paulo, 2011.

DIÉGUES, Carlos. Bye bye Brasil. Produção de Luiz Carlos Barreto e Lucy Barreto. Embrafilme. Brasil, 1979, DVD, 105 min.

FREUD, Sigmund. Luto e Melancolia. São Paulo: Cosac Naify, 2011.

GARCIA, Walter. Melancolias, Mercadorias: Dorival Caymmi, Chico Buarque, o Pregão de Rua e a Canção Popular-Comercial no Brasil. São Paulo: Ateliê Cultural, 2013a.

______. Radicalismos à brasileira. Celeuma, v. 1, p. 30, 2013b. Disponível em: http://mariantonia.prceu.usp.br/celeuma/?q=revista/1/dossie/radicalismos-%C3%A0-brasileira-jo%C3%A3o-gilberto-e-chico-buarque. Acesso em: 01 set. de 2013.

HARVEY, David. Condição Pós- Moderna. São Paulo: Edições Loyola, 2004.

HOLANDA, Sérgio Buarque. Raízes do Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 2003.

HOLLANDA, Chico Buarque de. Entrevista para o MIS, 1966. Disponível em: http://www.chicobuarque.com.br/texto/mestre.asp?pg=entrevistas/entre_11_11_66.htm. Acesso em: 11 jan. 2013.

______. [Entrevista] O POETA do Sanatório: em seu novo LP, Chico Buarque canta o país das loucuras. Veja, São Paulo, n.846, p. 84, 21 nov. de 1984.

______. Chico vai passando para o clima da Nova República. O Globo, 04 fev. 1985. Entrevista disponível em: http://www.chicobuarque.com.br/texto/mestre.asp?pg=entrevistas/entre_ipanema.htm. Acesso em: 10 jul. 2014.

IANNI, Otávio. A Aldeia Global. In: ______. Teorias da Globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999, p. 119-141.

JAMESON, Fredric. Pós Modernidade e Sociedade de Consumo. Novos Estudos Cebrap, São Paulo, n.12, p.16-26, jun.1985.

MEDAGLIA, Júlio. Balanço da Bossa. In: CAMPOS, Augusto de. Balanço da bossa e outras bossas. São Paulo: Perspectiva, 1968.

MENESES, Adélia Bezerra de. Desenho Mágico. Poesia e política em Chico Buarque. 3. ed. SP: Ateliê, 2002.

NAPOLITANO, Marcos. Seguindo a canção: engajamento político e indústria cultural na MPB (1959-1969). São Paulo: Annablume: Fapesp, 2001.

NAVES, Santuza Cambraia. Canção popular no Brasil: a canção crítica. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

O POETA do Sanatório: em seu novo LP, Chico Buarque canta o país das loucuras. Veja, São Paulo, n.846, p. 84-88, 21 nov. de 1984.

ORTIZ, Renato. Mundialização e Cultura. São Paulo: Brasiliense, 2000.

PEREIRA FILHO, José Eduardo. A Embratel: da era da intervenção ao campo da competição. Revista de Sociologia e Política, n. 18, p. 33-47, Curitiba, jun. 2002.

RIBEIRO, Renato Janine. A utopia lírica de Chico Buarque de Hollanda. In: CAVALCANTI, Berenice; STARLING, José Eisenberg (Orgs.). Decantando a República, v.1: histórico e político da canção popular moderna Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.

RIDENTI, Marcelo. Brasilidade Revolucionária: um século de cultura e política, São Paulo: Editora UNESP, 2010.

SANTOS, Boaventura de Souza. Os processos de globalização. In: SANTOS, Boaventura de Souza (Org.). Globalização: fatalidade ou utopia? Porto: Edições Afrontamento, 2001, p. 31-99.

SANTOS, Daniela Vieira. As representações de nação nas canções de Chico Buarque e Caetano Veloso: do nacional-popular à mundialização. Tese. 401f. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2014.

SCHWARZ, Roberto. O pai de família e outros estudos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

______. Fim de Século. In: ______. Sequências Brasileiras. São Paulo: Cia das Letras, 1999, p. 155-162.

STARLING, Heloisa Maria Murgel. Uma Pátria Paratodos: Chico Buarque e as Raízes do Brasil. Rio de Janeiro: Língua Geral, 2009.

TATIT, Luiz. O Cancionista: composições de canções no Brasil. São Paulo: Edusp, 2002.

TRAVANCAS, Isabel. De Pedro Pedreiro ao Barão da Ralé: o trabalhar e o malandro na música de Chico Buarque de Hollanda. Revista Lugar Comum, n.18, nov.2002-jun. 2003, p. 131-146.

VASCONCELLOS, André Luiz Olzon. Cacá Diegues: a canção como convenção poética da narrativa. Análise da trilha sonora de Bye Bye Brasil. In: CONGRESSO DA ANPPOM, XXVII, 2007, São Paulo. Anais... São Paulo: UNESP, 2007. Disponível em: http://www.anppom.com.br/anais/anaiscongresso_anppom_2007/teoria_e_analise/teorana_ALOVasconcelos.pd. Acesso em: 02 jul. 2014.

A publicação Música Popular em Revista em sua obra adota e está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.