Banner Portal
Roquianos, suburbanos e dançarinos
PDF

Palavras-chave

Rock brasileiro
Anos 50
Espetáculo
Rio de Janeiro

Como Citar

GARSON, Marcelo. Roquianos, suburbanos e dançarinos: rock and roll carioca (55-60). Música Popular em Revista, Campinas, SP, v. 1, n. 2, p. 148–171, 2013. DOI: 10.20396/muspop.v1i2.12887. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/muspop/article/view/12887. Acesso em: 24 jul. 2024.

Resumo

O objetivo deste artigo é iluminar alguns aspectos da gênese do rock and roll no Brasil. Analisando o curto período localizado entre 1955 e 1960, busca-se contestar a ideia de que, nessa época, o rock era praticamente inexistente enquanto prática social, composto em grande medida por iniciativas esparsas de intérpretes já consagrados. Não trabalhando com noções pré-definidas do que é rock, é possível enxergar como o mesmo conceito muda de definição com o passar do tempo. Uma extensa análise dos jornais e revistas da época deixa claro que rock and roll já era bastante reconhecido, sendo entretanto tomado como dança e não como gênero musical. É justamente essa natureza que nos interessa analisar, o que nos leva à descoberta de um circuito de eventos sociais extremamente movimentado nos subúrbios cariocas. Nesses locais, os dançarinos disputavam concursos onde a superioridade técnica de suas acrobacias estava em jogo. Organizados a partir da lógica dos shows de variedades, esses eventos contavam com atrações das mais diversas, revelando em sobremedida como a atmosfera do espetáculo é importante para compreender o papel social da música nessa época.

https://doi.org/10.20396/muspop.v1i2.12887
PDF

Referências

AGUILLAR, Antonio. Histórias da Jovem Guarda. São Paulo: Globo, 2005.

ARAUJO, Paulo César de. Roberto Carlos em detalhes. Rio de Janeiro: Editora Planeta, 2006.

BOURDIEU, Pierre. As Regras da Arte. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2005.

______. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1974.

______. A Distinção: Crítica Social do Julgamento. São Paulo: Zouk, 2007.

CAMPOS, Augusto de. Balanço da bossa e outras bossas. São Paulo: Perspectiva, 1993.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. São Paulo: Contraponto, 1992.

FRIEDLANDER, Paul. Rock and Roll: Uma história social. São Paulo: Record, 2002.

FROES, Marcelo. Jovem Guarda: em ritmo de aventura. São Paulo: Editora 34, 2000.

GILBERT, James. A Cycle of outrage: America's Reaction to the Juvenile Delinquent in the 1950s. Oxford: Oxford University Press, 1988.

LENHARO, Alcir. Cantores do Rádio: A trajetória de Nora Ney e Jorge Goulart no meio artístico do seu tempo. Barão Geraldo: Editora da Unicamp, 1995.

MARTINS, Rui. A rebelião romântica da Jovem Guarda. São Paulo: Fulgor, 1966. MEDEIROS, Paulo de Tarso Cabral. A aventura da Jovem Guarda. São Paulo: Brasiliense, 1984.

MELO, João Manuel Cardoso; e NOVAIS, Fernando. Capitalismo Tardio e Sociabilidade Moderna. In: NOVAIS, Fernando A. História da Vida Privada no Brasil: Contrastes da intimidade contemporânea. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

MONTEIRO, Denílson. Dez! Nota Dez! Eu sou Carlos Imperial. São Paulo: Matrix, 2008. MOTA, Nelson. Noites Tropicais. São Paulo: Objetiva, 2000.

NAPOLITANO. Seguindo a canção: engajamento político e indústria cultural na MPB (1959- 1969). São Paulo, Anna Blume / FAPESP, 2001.

NAVES, Santuza Cambraia; DUARTE, Paulo Sérgio (Orgs.). Do Samba Canção à Tropicália. Rio de Janeiro: Faperj, 2003.

ORTIZ, Renato. A moderna tradição brasileira. São Paulo: Ática, 1983.

PALLADINO, Grace. Teenagers – An american history. Nova York: Basic Books, 1997.

PAVÃO, Albert. Rock Brasileiro: 1955-65. São Paulo: Edicon, 1982.

PUGIALI, Ricardo. Almanaque da Jovem Guarda: os embalos de uma década cheia de brasa, mora?. São Paulo: Ediouro, 2006.

RIDENTI, Marcelo. O fantasma da revolução brasileira. São Paulo: Editora Unesp, 1996.

______. Em busca do povo brasileiro. Rio de Janeiro: Record, 2000. RISÉRIO, Antonio. Caymmi: Uma Utopia de Lugar. São Paulo: Editora Perspectiva, 1993.

SINGER, Ben. Modernidade, hiperestímulo e o início do sensacionalismo popular. In: CHARNEY, Leo; SCHWARTZ, Vanessa. (Orgs.). O Cinema e a Invenção da Vida Moderna. São Paulo: Cosac & Naify, 2001.

TINHORÃO, José Ramos, História Social da Música Popular Brasileira, São Paulo: Editora 34, 2004.

ZAN, José Roberto. Do fundo de quintal à vanguarda. Tese de Doutorado, IFCH/Unicamp, 1997.

ZIMMERMANN, Maíra. Jovem Guarda: moda, música e juventude. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2013.

A publicação Música Popular em Revista em sua obra adota e está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.