Como o educar com afeto nos afeta?

abraçando a afetividade radical

Autores

  • Mariana de Souza Zorzo Universidade Federal de Santa Catarina
  • Rodrigo de Pinho Franco Universidade Federal de Santa Catarina
  • Thiago Teixeira Mendonça Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.20396/ijoce.v2i00.14033

Palavras-chave:

Afetividade radical, Reflexão-na-ação, Educação ambiental, Extensão universitária

Resumo

O modelo de Educação Ambiental (EA) em que acreditamos ocorre através do uso da afetividade radical, fundamental para o desejo coletivo de cuidar dos bens comuns. Enquanto extensionistas, agindo a partir do afeto e acolhendo os princípios básicos da Política Nacional de Extensão Universitária (2012), os membros do Núcleo de Educação Ambiental da Universidade Federal de Santa Catarina (NEAmb/UFSC) atuam como educadoras e educadores ambientais. A partir desta (co)vivência da EA na Extensão Universitária, surgem inquietações sobre as relações cultivadas nos ambientes educativos, dentre elas: Como educar com afeto nos afeta? O objetivo geral deste artigo, portanto, é formular diretrizes para o processo de auto-avaliação de estudantes-extensionistas que atuem com EA. Neste sentido, o afeto é incorporado como indicador da evolução do processo formativo. Como metodologia foi realizada uma varredura dos conteúdos destacados nos documentos analisados, que compõem o acúmulo obtido durante as vivências em EA que ocorreram na Escola Básica Municipal Beatriz de Souza Brito (E.B.M. Beatriz) durante o ano de 2019. O resultado germinou uma ecologia de subjetividades, que apresentam padrões estéticos, gramaticais e de intencionalidades. Ao revisitar este acervo de documentos, percebemos que a afetividade radical e a reflexão-na-ação atravessam tanto as ações quanto seus registros. Assim, afirmamos que o processo formativo de estudantes extensionistas, quando desenvolvido na maneira a qual analisamos, é necessariamente (trans)formativo e deve ser monitorado através das lentes do afeto. As diretrizes são propostas no formato de pergunta e podem auxiliar a percepção desta transformação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana de Souza Zorzo , Universidade Federal de Santa Catarina

Núcleo de Educação Ambiental da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Rodrigo de Pinho Franco , Universidade Federal de Santa Catarina

Graduado em Engenharia Sanitária e Ambiental na Universidade Federal de Santa Catarina. Membro do Instituto Çarakura.

Thiago Teixeira Mendonça, Universidade Federal de Santa Catarina

Graduando em Engenharia Sanitária e Ambiental pela Universidade Federal de Santa Catarina. Membro do NEAmb - Núcleo de Educação Ambiental do Centro Tecnológico da Universidade Federal de Santa Catarina.

Referências

Carvalho, I. C. M. (2012). Educação Ambiental: A formação do sujeito ecológico (6a ed, p. 255). São Paulo: Cortez.

Degasperi, T. C., & Bonotto, D. M. B. (2017). Educação ambiental e as dimensões cognitiva e afetiva do trabalho com valores: produzindo sentidos. Ciênc. Educ., 23(3), 625-642. https://doi.org/10.1590/1516-731320170030006

Dagnino, R. (2015). Como é a universidade de que o Brasil precisa? Avaliação, 20(2), 293-333. Disponível em: htps://www.scielo.br/pdf/aval/v20n2/1414-4077-aval-20-02-00293.pdf

FORPROEX - Fórum de Pró-Reitores das Instituições Públicas de Educação Superior Brasileiras. (2012). Política Nacional de Extensão Universitária. Manaus. Disponível em: https://proex.ufsc.br/files/2016/04/Pol%C3%ADtica-Nacional-de-Extens%C3%A3o-Universit%C3%A1ria-e-book.pdf

Fraga, L. (2017). Transferência de conhecimento e suas armadilhas na extensão universitária brasileira. Avaliação, 22(2), 403-419. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-40772017000200008

Freire, P. (2018). Extensão ou Comunicação? (de Oliveira, R. D., Trad., 18a ed., p. 128). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (2018). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa (57a ed, p. 143). São Paulo: Paz e Terra.

Fronza, F. E., Andrade, I. T., & de Almeida Mohedano, R. (2019). Núcleo de Educação Ambiental da UFSC e o Programa de Formação Continuada de Educadoras e Educadores Ambientais para uma Cultura da Sustentabilidade. REMEA-Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, 36(2), 253-274.

Gadotti, M. (2013). Pedagogia da Terra (7a reimpressão, p. 218). São Paulo: Fundação Peirópolis.

Guimarães, L. B., Sampaio, S. M. V. (2014). Educação ambiental nas pedagogias do presente. Em aberto, 27(91), 123-134. Disponível em: http://rbepold.inep.gov.br/index.php/emaberto/article/viewFile/2425/2382

Maturana, H. (1998). Uma abordagem da educação atual na perspectiva da biologia do conhecimento. In Maturana, H. (Org), Emoções e linguagem na educação e na política (11-79). Belo Horizonte: Editora UFMG

Ministério do Meio Ambiente & Ministério da Educação. (2004). Formando Com-Vida - comissão de meio ambiente e qualidade de vida na escola: construindo agenda 21 na escola (p. 42). Brasília: Coordenação Geral de Educação Educação Ambiental. Disponível em: https://www.mma.gov.br/estruturas/educamb/_arquivos/com-vida.pdf

Vasconcelos, L. G. C. (2018). Da ecologia à afetividade radical: por uma educação ambiental orientada aos afetos. ClimaCom, 5(11). Disponível em: http://climacom.mudancasclimaticas.net.br/da-ecologia-a-afetividade-radical-por-uma-educacao-ambiental-orientada-aos-afetos/

Silva, D. J. (2015, outubro). Os Fundamentos Emocionais da Educação Ambiental. Encontro Blumenauense de Educação Ambiental (EBEA), Blumenau, Santa Catarina, Brasil, 2.

Tozoni-Reis, M. F. D. C. (2006). Temas ambientais como temas geradores: contribuições para uma metodologia educativa ambiental crítica, transformadora e emancipatória. Educar em revista, 27, 93-110.

Downloads

Publicado

2021-04-19

Como Citar

Zorzo , M. de S., Franco , R. de P. ., & Mendonça, T. T. . (2021). Como o educar com afeto nos afeta? : abraçando a afetividade radical. Revista Internacional De Extensão Da UNICAMP, 2(00), e021005. https://doi.org/10.20396/ijoce.v2i00.14033

Edição

Seção

Práticas em extensão universitária