Projeto pensar grande

aulas de ciências desenvolvidas para classe hospitalar

Autores

  • Mauricéia Lopes Nascimento de Sousa UnB/SEEDF
  • Michele Duarte da Silva Universidade de Brasília (UnB)

Palavras-chave:

Ciências, Cientistas, Classe hospitalar

Resumo

O presente relato de experiência foi desenvolvido em uma sala de aula no ambiente hospitalar, denominada Classe Hospitalar. As aulas de ciências foram previamente elaboradas para estudantes que, apesar de estarem internados por motivos de doenças, têm condições de continuar seus estudos, diminuindo assim os riscos de reprovação e evasão escolar. A metodologia aplicada foi a de pesquisa-ação, enfocando a possibilidade de uma imersão dos aplicadores na proposta de trabalho. Ocorreram cinco aulas, com temas relativos às Ciências Naturais, sobre cientistas renomados, com o objetivo de construir e desconstruir conceitos sobre ciências e sobre a possibilidade de ser cientista. Ao final, os resultados demonstraram que os alunos/as não conseguiram se imaginar como cientistas, sendo a maioria desses alunos/as, meninas. Os/as alunos/as não conseguiram envolver a ciência em suas profissões de escolha, principalmente as profissões do meio artístico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL Parâmetros curriculares Nacionais: 3º e 4º ciclo do ensino fundamental: Língua Portuguesa. Brasília, 1998.

BRASIL. LEI Nº 2.809, DE 29 DE OUTUBRO DE 2001. Dispõe sobre a garantia do direito da criança e do adolescente ao atendimento pedagógico e escolar na atenção hospitalar no Distrito Federal. Brasília, 09 de novembro. SINJ/DF.

BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto. Política Nacional da Educação Especial. Brasília, MEC, 1994.

BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto. Diretrizes Nacionais para a educação especial na educação básica. Brasília, MEC, 2001.

BRASIL/MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Classe Hospitalar e atendimento domiciliar: estratégias e orientações. Brasília: MEC/SEESP, 2002.

FAZENDA, I. C. A. Integração e interdisciplinaridade no ensino brasileiro: efetividade ou ideologia. 2. ed. São Paulo: Edições Loyola, 1992.

FONSECA, E.S. Implantação e Implementação de espaço escolar para crianças hospitalizadas. Implementação de espaço escolar para crianças hospitalizadas, Rev. Bras. Ed. ES., Marília, Jul- Dez, 2002, v. 8, n. 2, p. 205-222.

GABARDO, A. A.; MEDEIROS, J. G.. Classe hospitalar: aspectos da relação professor-aluno em sala de aula de um hospital. Interação em Psicologia, 2004, 8(1), p. 67-79. Universidade Federal de Santa Catarina.

KRASILCHIK, M. Caminhos do ensino de ciências no Brasil. Em Aberto, Brasília, ano 11, n. 55, jul./set. 1992.

MICHAUD, G. General conclusions. In: APOSTEL, L. et al. (Ed.). Interdiscipli- narity: problems of teaching and research in universities. Paris: OECD, 1972. p. 279-288.

NASCIMENTO, F. do; FERNANDES, H. L; MENDOÇA, M de. O ensino de ciências no Brasil: história, formação de professores e desafios atuais. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n. 39, p. 225-249, set. 2010 - ISSN: 1676-2584.

OLIVEIRA, T. C. de. Um breve histórico sobre as classes hospitalares no Brasil e no mundo. SEMED Nova Iguaçu/RJ/SME de Duque de Caxias/RJ Grupo de Trabalho – Pedagogia Hospitalar.

Downloads

Publicado

2019-06-12

Como Citar

DE SOUSA, M. L. N. .; DA SILVA, M. D. . Projeto pensar grande: aulas de ciências desenvolvidas para classe hospitalar. Ciências em Foco, Campinas, SP, v. 12, n. 1, 2019. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/cef/article/view/9903. Acesso em: 1 out. 2022.

Edição

Seção

Identidade, Formação e Atuação de professores de ciências