Transexualidade

a invisibilidade na atuação docente em ciências e biologia

Autores

  • Débora Cynthia Alves de Souza Universidade de Brasília (UNB)
  • Tarcilla Mariano Mello Universidad Católica del Norte (UCN)
  • Juliana Eugênia Caixeta Universidade de Brasília (UNB)

Palavras-chave:

Educação para sexualidade, Transexualidade, Atuação docente, Tema transversal.

Resumo

A transexualidade, definida como o não-reconhecimento de si a partir do seu sexo biológico, é um tema invisível nas salas de aulas, especialmente, por não ser compreendido, na prática docente, como parte do tema transversal vinculado à educação para a sexualidade. O presente estudo investigou de que maneira o tema transexualidade é tratado no ambiente escolar, na disciplina de ciências naturais e biologia. Os resultados foram categorizados em 3 grupos: concepções, formação e atuação docente. O presente
estudo encontrou que os/as docentes de Ciências Naturais e Biologia, de escolas públicas do Distrito Federal, não abordam o tema transexualidade em suas aulas. Isso se deve à falta ou pouca formação acadêmica, aliada à resistência dos pais, das mães ou responsáveis pelos/as estudantes sobre o ensino de temas vinculados à educação para a sexualidade na escola. Portanto, há uma necessidade de melhorar a formação dos/as docentes no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LÉSBICAS, GAYS, BISEXUAIS, TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Secretaria da Educação. Pesquisa Nacional sobre o Ambiente Educacional no Brasil 2015: as experiências de adolescentes e jovens lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais em nossos ambientes educacionais. Curitiba: ABGLT, 2016.

ASSOCIAÇÃO DE PSIQIATRIA AMERICANA. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais (DSM-V). Tradução de Maria Inês Corrêa Nascimento et al. Porto Alegre: Artmed, 2014.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edição 70, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: pluralidade cultural, orientação sexual. Brasília, DF: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Congresso Nacional. Brasil sem homofobia: programa de combate à violência e à discriminação contra GLTB e de promoção da cidadania homossexual. Câmara dos Deputados, Coordenação de Publicações, 2004.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP n. 02/2015, de 1º de julho de 2015. Brasília, Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, seção 1, n. 124, p. 8-12, 02 de julho de 2015.

COSTA, A.B. Psicologia do Preconceito em uma época de intolerância: o caso da sexualidade e do gênero no Brasil. In: Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Psicologia, 48ª, 2018, São Leopoldo. Anais. Editora SBP, 2018.

CYRINO, R. A produção discursiva e normativa em torno do transexualismo: do verdadeiro sexo ao verdadeiro gênero. Crítica e Sociedade: revista de cultura política. v. 3, n. 1,p. 92-108, 2013.

GUNTHER, H, (2003), Como elaborar um questionário (Série: Planejamento de Pesquisa nas Ciências Sociais, Nº 01). Brasília-DF: UnB, Laboratório de Psicologia Ambiental.

GROSSI, M. G. R.; OLIVEIRA, Eliane Silvestre; DE CÁSSIA SILVA, Lívia. Transexualidade na formação do professor da educação básica: desvelando a realidade brasileira. Revista de Humanidades, v. 32, n. 2, p. 180-192, 2017.

LOURO, G. L. Corpo, escola e identidade. Educação & Realidade, v. 25, n. 2, 2000.

MADUREIRA, A. F. do A.; BRANCO, Â. U. Gênero, sexualidade e diversidade na escola a partir da perspectiva de professores/as. Temas psicol., Ribeirão Preto, v. 23, n. 3, p. 577-591, set. 2015.

MAKSOUD, F. R.; PASSOS, X. S.; PEGORARO, R. F. Reflexões acerca do transtorno de identidade de gênero frente aos serviços de saúde: revisão bibliográfica. Revista Psicologia e Saúde, v. 6, n. 2, p. 47-55, 2014.

PENA, A. L. Narrativas autobiográficas e formação de educadores sexuais. Dissertação [Mestrado]. Programa de pós-graduação em Ensino de Ciência. Universidade de Brasília, Brasília, 2015.

SILVA, R. D. Educação em Ciências e Sexualidade: o professor como mediador das atitudes e crenças sobre sexualidade no aluno. Dissertação [Mestrado]. Programa de pós-graduação em Educação para Ciência e o Ensino de Matemática. Universidade Estadual de Maringá. Maringá, 2009.

SPINOLA-CASTRO, A. M. A importância dos aspectos éticos e psicológicos na abordagem do intersexo. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia, 2005.

SOUSA, M. do A., CAIXETA, J. E., SANTOS, P. F. A metodologia qualitativa na promoção de contextos educacionais potencializadores de inclusão. Indagatio Didactica, v. 8, n. 3, p. 94-108, outubro. 2016.

VIEIRA, T. R., Aspectos psicológicos, médicos e jurídicos do transexualismo. Psicólogo Informação, v.4, p. 74-75, 2004.

YIN, Robert K. Pesquisa qualitativa do início ao fim. Penso Editora, 2016.

Downloads

Publicado

2019-06-02

Como Citar

DE SOUZA, D. C. A. .; MELLO, T. M. .; CAIXETA, J. E. . Transexualidade: a invisibilidade na atuação docente em ciências e biologia. Ciências em Foco, Campinas, SP, v. 12, n. 1, 2019. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/cef/article/view/9900. Acesso em: 3 dez. 2022.

Edição

Seção

Identidade, Formação e Atuação de professores de ciências

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)